Promoção à saúde voltada aos familiares de pessoas em uso abusivo de substâncias psicoativas/ Health promotion for family members of people who abuse psychoactive substances

Paloma Pereira Andreatta, Alana Pereira Rodrigues, Alexandra Iglesias

Abstract


A partir do relato de uma experiência grupal com familiares de pessoas que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas, este trabalho objetiva colaborar com os profissionais da saúde na construção de suas práticas junto a este público. Realizado em uma Unidade de Saúde da Família (USF) do município de Vitória-ES, o grupo foi composto por quatro encontros com duração média de duas horas e cerca de cinco participantes, todas mulheres. Foi conduzido por uma psicóloga, uma assistente social e uma graduanda em Psicologia. As ações no grupo foram mediadas por metodologia pautada na valorização dos saberes populares e na realidade dos sujeitos, promovendo o diálogo entre diferentes conhecimentos e possibilitando a construção de novos saberes. Os encontros se mostraram potentes, de modo que as participantes sentiam-se confortáveis para falar de suas angústias, acolhiam umas as outras e trocavam experiências entre si. O grupo permitiu ainda que elas construíssem juntas estratégias de cuidado, sendo assim, protagonistas na atenção à sua saúde.

 


Keywords


Relato de experiência, Família, Atenção Básica, Substâncias Psicoativas.

References


Branco, N. M. M. C; Silva, D. V.; Soldatelli, S. M. R. (2016). Desconstruindo mitos e preconceitos sobre "loucos" e "drogados": uma proposta de ação educativa para familiares de usuários de álcool e outras drogas na perspectiva da educação popular. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(3), 602-612. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082016000300006&lng=pt&tlng=pt

Brasil. (2004). A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pns_alcool_drogas.pdf

Brasil. (2005). Secretaria de Atenção à Saúde.DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental : 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf

Brasil. (2013). Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. Projeto Caminhos do Cuidado: Formação de Agentes Comunitários de Saúde, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem da Saúde da Família - em saúde mental ênfase em crack, álcool e outras drogas. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado de http://www.caminhosdocuidado.org/wp-content/uploads/2013/09/caderno_tutor-leitura.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (2010). Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras / Conselho Federal de Psicologia. Brasília: CFP. Recuperado de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2010/06/AlcoolDrogas_novas_alteracoes.pdf

Furlan, P. G., & Campos, G. W. S. (2010). Os grupos na atenção básica à saúde. In Brasil, Cadernos HumanizaSUS (Atenção Básica - Série B. Textos Básicos de Saúde, Volume 2, (pp. 105-116). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_basica.pdf

Freire, P. (1997). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra. Recuperado de https://cpers.com.br/wp-content/uploads/2019/09/9.-Pedagogia-da-Autonomia.pdf

Guimarães, N. V. (2014). Construção coletiva em educação popular: oficinas de culinária terapêutica. In: Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, II Caderno de educação popular em saúde (pp. 119 -121). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/2_caderno_educacao_popular_saude.pdf

Hoffmann, J. & Maximo, C. E. A. (2019). Educação Popular em Saúde como dispositivo transformador das práticas da Rede de Atenção Psicossocial no município de Itajaí-SC. Pesquisas e Práticas Psicossociais. 14(1). Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180989082019000100006&lng=pt&tlng=pt

Horta, A. L. M., Daspett C, Egito J. H. T, Macedo R. M. S. (2016). Experience and coping strategies in relatives of addicts. Revista Brasileira Enfermagem. 69(6). p. 962-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0044

Lima H. A., Mângia E. F. (2015). Estratégias grupais voltadas aos familiares de pessoas com necessidades decorrentes do uso de substâncias psicoativas: uma revisão narrativa. Rev Ter Ocup Univ São Paulo, 26(2), 294-300. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p294-300

Maciel, S. C., Silva, F. F., Pereira, C. A., Dias, C. C. V & Alexandre, T. M. O. (2018). Cuidadoras de Dependentes Químicos: Um Estudo sobre a Sobrecarga Familiar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34, 416. doi: https://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e34416

Martins, J., Macrae, E. (2010). Por um olhar sociocultural sobre a questão das drogas. In: Filho, A. N., Valério, A. L. R. Módulo para capacitação dos profissionais do projeto consultório de rua (pp. 17-24). Brasília: SENAD, Salvador: CETAD. Recuperado de http://www.campinas.sp.gov.br/governo/assistencia-social-seguranca-alimentar/prevencao-as-drogas/modulo_profissionais.pdf

Mielke F. B., Kohlrausch, E., Olschowsky A., Schneider J. F. (2010). A inclusão da família na atenção psicossocial: uma reflexão. Rev. Eletr. Enf., 12(4), 761-5. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i4.6812.

Tykanori, R. Contratualidade e Reabilitação Psicossocial. (2010). In: Pitta, A. M. F. (Org). Reabilitação Psicossocial no Brasil (pp. 55-59). (3.ed.) São Paulo: Hucitec.

Pinheiro, B. C., & Bittar, C. M. L. (2016). Práticas de educação popular em saúde na atenção primária: uma revisão integrativa. Cinergis, 18(1), 77-82. doi: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v18i1.8049

Santos, F. F, Ferla, A. A. (2017). Saúde mental e atenção básica no cuidado aos usuários de álcool e outras drogas. Interface, 21(63), 833-44. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0270

Siqueira, D. F., Terra, M. G., Soccol, K. L. S., Canabarro, J. L., Moreschi C., & Mello A.L. (2019a). Familiar do usuário de substâncias psicoativas: revisão de literatura. Recuperado de http://www.urisantiago.br/multicienciaonline/adm/upload/v3/n5/02fe22060bbb9f546f81229f7228e6f9.pdf

Siqueira, D.F., Terra, M. G., Vieira, L.B., Moreschi, C., Mello, A.L., & Soccol, K. L. S. (2019b). Ações de cuidado aos familiares de usuários de substâncias psicoativas: perspectivas de profissionais e familiares. Texto & Contexto Enfermagem. 28. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2018-0022.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-201

Refbacks

  • There are currently no refbacks.