Temperatura e umidade relativa do ar: uma análise em diferentes usos do solo, no Município de Rio Verde – GO / Air temperature and relative humidity: an analysis of different land uses in the city of Rio Verde – GO

Fernando Santiago do Prado, Márcia Cristina da Cunha, Regina Maria Lopes

Abstract


A paisagem quando alterada estruturalmente no espaço, por ações do homem, consequentemente mudam as condições iniciais do sistema, modelando novas características climáticas. Na cidade de Rio Verde, Goiás, com o crescimento populacional e aumento da área urbana, perdeu-se áreas florestadas, causando um desconforto térmico na população. Assim, este trabalho objetivou comparar as variações de temperatura e umidade relativa do ar, considerando o uso do solo de cinco ambientes, nos episódios de julho, outubro e novembro – dezembro de 2018. O estudo fundamentou-se na Teoria do Clima Urbano proposto por Monteiro (1976). Para isso, utilizamos quatro termohigrômetros disponibilizados e calibrados pelo laboratório de Climatologia da Universidade Federal de Goiás – UFG – Regional Jataí, instalados e fixados a 1,5 m do solo, programados para registrar dados higrométricos a cada 30 min, junto aos dados da estação meteorológica do Instituto Nacional de Meteorologia – Inmet operada pela Universidade de Rio Verde, Goiás – UniRV. Após análise dos dados, constatou-se que a temperatura do ar mínima e máxima absoluta variou de acordo com os usos do solo, mas também os fatores: altitude, morfologia do terreno, posição geográfica, ausência de dossel e orientação da vertente tiveram participação nesses registos. Já a umidade relativa do ar mínima e máxima absoluta, os valores se deram de acordo com a taxa de vegetação que cada ambiente possui. As variações nos meses de julho e outubro, ambientes 1, 2 e 3, na temperatura do ar mínima e máxima absoluta, foram 2,5°C a 3°C; 1,4°C a 3,95°C. Para a umidade relativa do ar mínima e máxima absoluta, registrou-se 3,8% a 5,4%; e 0,6% a 2,2%. No período novembro – dezembro de 2018 (20/11/2018 a 22/12/2018), as variações da temperatura do ar mínima e máxima absoluta foram 0,15°C a 5,5°C e da umidade relativa do ar mínima e máxima absoluta, 0,9 a 10,15%.


Keywords


Atmosfera, Vegetação, Temperatura, Umidade Relativa.

References


AYOADE, John. O. Introdução à climatologia para os trópicos. 15. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. 350 p.

CASTRO, Patrícia A. L. de; SANTOS, G. O.; DINIZ, R. G. Models for estimating reference evapotranspiration in different periods in Rio Verde, Goiás, Brazil. Journal of Agricultural Science, v. 11, p. 63-75, 2019.

CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS, VINCULADO AO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA ESPACIAIS (CPTEC/INPE). Boletim técnico. Disponível em: < http://www.cptec.inpe.br/>. Acesso em: 12 nov. 2018.

EUROPEAN SPATIAL AGENCY (ESA). Copernicus Open Access Hub. Disponível em:< https://scihub.copernicus.eu/dhus/#/home>. Acesso em: jun. 2021.

GOMES, Cristovão; SILVA, M. L.; SILVA, A. C. Air quality monitoring and urban environmental comfort from may thirteen avenue in Fortaleza, Ceará. BrazilianJournal of DevelopmentBraz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 10, p. 22589-22602, out. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Malha Municipal. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/15774-malhas.html?=&t=acesso-ao-produto>. Acesso em: jun. 2021.

LOPES, Regina M. Análise Topo e Microclimática da RPPN – Pousada das Araras Serranópolis - GO/ Regina Maria Lopes. 2011. 97 f.

LOPES, Larissa C. S. e JARDIM, C. H. Variações de temperatura e umidade relativa do ar em área urbana e rural durante o segmento temporal de inverno de 2011 em Contagem e Betim – MG. ACTA Geográfica, Boa Vista, Ed. Esp. Climatologia Geográfica, 2012. pp. 205-221.

MONTEIRO, C. A. de F. Teoria e clima urbano. São Paulo-SP: IGEOG/USP, 1976.

_______. Adentrar a cidade para tomar-lhe a temperatura. Geosul, Florianópolis-SC, v. 5, n. 9, p. 61-79, jan. 1990.

OBI, Arc N. I. The Influence of vegetation on microclimate in hot humid tropical environment - a case of enugu urban", International Journal of Energy and Environmental Research, v. 2, n. 2 (Jun),2014. pp. 28-38.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Núcleo de Economia Regional e Urbana da Universidade de São Paulo. Disponível em:. Acesso em: jun. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-195

Refbacks

  • There are currently no refbacks.