Avaliação dos acidentes escorpiônicos em uma cidade do Noroeste Paulista / Evaluation of scorpionic accidents in a city in Northwest Paulist

Elton Volitzki, Nayara Marcussi Costa, Cesare Takaoka Gaggini, Marcio Cesar Reino Gaggini

Abstract


Existem por volta de 160 espécies de escorpiões no Brasil, sendo os do gênero Tityus os principais responsáveis por acidentes graves. No Estado de São Paulo, o escorpionismo é o maior problema de saúde relacionado a acidentes por animais peçonhentos. Em 2018, foram registrados 449 acidentes na cidade de Fernandópolis, o maior número de escorpionismo dos últimos anos. A presente revisão teve como objetivo apresentar as características epidemiológicas e o atendimento as vítimas de acidentes escorpiônicos de cidade do noroeste do estado de São Paulo. O trabalho foi realizado através de bibliografia cientifica encontrada no PubMed, no Google Acadêmico e Scientific and Electronic Library Online (Scielo), além de dados divulgados pelo Centro de Vigilância Epidemiológica e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e Secretaria de Saúde de Fernandópolis - SP. Foi observado que o escorpionismo vem crescendo anualmente e a redução do número de ocorrências deve ser feita de forma preventiva, devendo incluir ações governamentais e populacional. O acesso as informações e a estrutura adequada para os profissionais de saúde e população geral é de extrema importância, agilizando-se ao máximo o atendimento as vítimas de escorpionismo.


Keywords


escorpionismo, cidade, noroeste, paulista, tityus

References


ALMEIDA, D. J. G. de. Escorpionismo em Machado (MG). Enciclopédia Biosfera. Centro Científico Conhecer. 9(17). 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2ªed. Brasília, DF: Fundação Nacional de Saúde; 2001.

BRITES-NETO, J. BRASIL, Jl. Estratégias de controle do escorpionismo no município de Americana, SP. BEPA, Bol. epidemiol. paul. 9(101):04-15. 2012.

CARDOSO, J. L. C.; FRANÇA, F. O. S.; WEN, F. H.; MÁLAQUE, C. M. S.; HADDAD Jr., V. In: Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia, Clínica e Terapêutica dos Pacientes. 2ª ed. São Paulo: SARVIER, 2009.

CARMO, E. A. Internações hospitalares por causas externas envolvendo contato com animais em um hospital geral do interior da Bahia, 2009-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, 25(1):105-114. 2016.

CHIPPAUX JP, GOYFFON M. Epidemiology of scorpionism: a global appraisal. Acta Trop. 2008;107(2):71–9.

CHOWELL G, HYMAN JM, DÍAZ-DUEÑAS P, HENGARTNER NW. Predicting scorpion sting incidence in an endemic region using climatological variables. Int J Environ Health Res. 2005;15(6):425–35.

CUPO P, FIGUEIREDO AB, FILHO AP, PINTYA AO, TAVARES JÚNIOR GA, CALIGARIS F.. Acute left ventricular dysfunction of severe scorpion envenomation is related to myocardial perfusion disturbance. Int J Cardiol.116:98-106. 2007.

DIAS MB, CAMPOLINA D, GUERRA SD, ANDRADE FILHO A. Escorpionismo. In: Andrade Filho A, Campolina D, Dias MB, editores. Toxicologia na prática clínica. v. 1. Belo Horizonte, MG: Folium; p. 155-66. 2001.

DIAS, C. Barbosa, A. M. Aspectos epidemiológicos dos acidentes com escorpiões nos municípios de Taubaté e adjacentes. Rev Ciên Saúde.1(3):8-15. 2016.

FASEH - Faculdade de Saúde e ecologia Humana. Cadernos Técnicos de Saúde. Vol. 03, 5 ed. Junho de 2018. Vespasiano (MG), 2018.

FEITOSA, A. M. CAMPLESI, A. C. PINHEIRO, J. A. MATHIAS, L. A. BELO, M. A. Incidência de acidentes com escorpião no Município de Ilha Solteira-SP. ARS VETERINARIA, 36(2):088-097. 2020.

FERREIRA, L. C.; ROCHA, Y. C. S. Incidência de acidentes por escorpiões no Município de Januária, Minas Gerais, Brasil. Disponível em: < https://periodicos.unemat.br>. Acesso em maio de 2021.

SOARES, M. R. M. et al. Escorpionismo em Belo Horizonte, MG: Um estudo retrospectivo, Belo Horizonte. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2002.

JALALI A, PIPELZADEH MH, SEYEDIAN R, RAHMANI AH, OMIDIAN N. In vitro pharmacological study upon the effectiveness of available antivenom against Hemiscorpius lepturus venom. Jundishapur J Nat Pharm Prod. 2011; 6(1):1–8.

KARATAŞ A, GARKHELOO MM, UÇAK M. Contribution to the distribution of the scorpions of Iran: (Arachnida: Scorpiones). Zool Middle East. 2012;55(1):111–20.

KHATONY A, ABDI A, FATAHPOUR T, TOWHIDI F. The epidemiology of scorpion stings in tropical areas of Kermanshah province, Iran, during 2008 and 2009. J Venom Anim Toxins incl Trop Dis. 2015;21:45.

KSHIRSAGAR VY, AHMED MA, COLACO SM. Motor aphasia: a rare complication of scorpion sting. J Pediatr Neurosci. 2012;7(3):231–3.

LIMA, J. S. et al. Perfil dos acidentes ofídicos no norte do Estado de Minas Gerais, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Uberaba. 42(5). 2009.

LIRA-DA-SILVA, R. M., AMORIM, A. M., BRAZIL, T. K. Envenenamento por Tityus stigmurus (Scorpiones; Buthidae) no Estado da Bahia, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 33:239-245. 2000.

LOURENÇO WR, CLOUDSLEY-THOMPSON JL, CUELLAR O, VON EICHSTEDT MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASIL. Manual de controle de escorpiões. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília. 2009.

NUNAN, E. A.; CARDOSO, V. N.; MORAES-SANTOS, T. Lethal effects of the scorpion Tityus serrulatus venom: Comparative study on adult and weanling rats. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. 31(1):39-44. 2001.

OLIVEIRA IC, VALENCIA EF, COSTA FG, DIAS EP. A epidemiologia do acidente escorpiônico no estado da Paraíba registro dos casos atendidos no Hospital Universitário Lauro Wanderly – UFPB. CCS. 1994;13:75-9.

OLIVEIRA, H. F. A. et al. Aspectos Clínico epidemiológicos dos acidentes com serpentes peçonhentas no Município de Cuité, Paraíba, Brasil. Gazeta Médica da Bahia. 81(1):14-19. 2011.

PARDAL, P. P. O. CASTRO, L. C. JENNINGS, E. PARDAL, J. S. O. MONTEIRO, M. R. C. C. Aspectos epidemiológicos e clínicos do escorpionismo na região de Santarém, Estado do Pará, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 36(3):349-353. 2003.

PENEDO, G.L.; SCHLINDWEIN, M. N. A Explosão demográfica da espécie Tityus serrulatus, (Escorpião Amarelo) na área urbana de Araraquara e a sensível diminuição da espécie Tityus Bahiensis, Escorpião Marrom). Revista Uniara. 2004.

POLIS GA. The biology of scorpions. Stanford: Stanford University Press; 1990. xxvi. p. 587.

RIBEIRO AL, RODRIGUES L, JORGE MT. Aspectos clínicos e epidemiológicos do envenenamento por escorpiões em São Paulo e municípios próximos. Revista de Patologia Tropical 30:83-92. 2001.

RIBEIRO, A.L.; RODRIGUES, L.; JORGE, M.T. Aspectos clínicos e epidemiológicos do envenenamento por escorpiões em São Paulo e municípios próximos. Revista de Patologia Tropical 30:83-92. 2001.

SBMT. Acidentes com escorpiões: aumento expressivo preocupa autoridades e população. https://www.sbmt.org.br/portal/accidents-with-scorpions-significant-increase-worries-authorities-and-population/#:~:text=Dados%20do%20Minist%C3%A9rio%20da%20Sa%C3%BAde,foram%2091%2C7%20mil%20casos. Acessado em 14/05/2021.

SILVA, P. L. N. et al. Perfil epidemiológico dos acidentes por animais peçonhentos notificados no Estado de Minas Gerais durante o período de 2010-2015. Revista Sustinere. 5(2). 2017.

SILVEIRA, J. L., MACHADO C. Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos nos Municípios do sul de Minas Gerais. Journal of Health NPEPS, 2017.

SOUZA, L. M. et al. Estudo retrospectivo do escorpionismo no Estado de Goiás (2003-2012). Estud Vida Saúde. 2017.

BARRAVIERA BVR,, KNOX MB. The evolution of scorpionism in Brazil in recent years. J Venom Anim Toxins. 2:121-34. 1996.

YILMAZ F, ARSLAN ED, DEMIR A, KAVALCI C, DURDU T, YILMAZ MS. Epidemiologic and clinical characteristics and outcomes of scorpion sting in the southeastern region of Turkey. Ulus Travma Acil Cerrahi Derg. 2013; 19(5):417–22.

ZARGAN J, TIRGARI S, TAHERNEJAD K, LOTFI H, FARAHMANDZAD A. Study of scorpion fauna in Abomosa, Great & Small Tonbs and Hengam Islands of the Persian Gulf. Iran South Med J. 2003;6(1):20–4.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-181

Refbacks

  • There are currently no refbacks.