Impactos ambientais no solo advindos do processo de abertura e duplicação de rodovias / Environmental impacts on the soil resulting from the opening and duplication of highways

Mário Marcos Moreira da Conceição, Larissa Lopes Barroso, Walmeci Ferreira de Freitas Junior, Michel Ferreira Abdulmassih, Rafaela Caroline Barros Silva, Clara Cardoso Ferreira, Octávio Ferreira Barreto, Higor Ribeiro Borges, Caio César Abreu Carneiro, Josiane Coutinho Mathews, Yasmin Santos Costa, Tcheyce Kizzi Santos Lima, Jorge Mateus Menezes de Lima Jacques, Ricardo Sousa Costa, Antônio Pereira Júnior

Abstract


Um dos maiores impactos causados pelas rodovias ocorre justamente durante o período de operação, no qual, o mau gerenciamento das áreas ou a falta de planejamento territorial facilitam o surgimento de entraves ambientais. Estes fatos justificam esta pesquisa, cujo objetivo é efetuar uma avaliação dos principais impactos ambientais no solo avindos do processo de abertura e duplicação de rodovias. Esta análise prioriza documentos secundários, que tem por objetivo reunir estudos semelhantes, publicados, avaliando-os criticamente em sua metodologia e reunindo-os numa análise estatística, para posterior seleção das variáveis. Foram analisadas minuciosamente as variáveis objeto desta pesquisa: supressão vegetal, compactação, erosão (Erodibilidade e Erosividade), deslizamento e contaminação do solo. No processo de busca no banco de dados, foram analisados 64 trabalhos acadêmicos referentes às cinco variáveis. A análise dos dados obtidos indicou que a supressão vegetal apresentou maior frequência relativa (fr=29,6%), no que fomenta que tal impacto demonstra ser abordado com bastante frequência por pesquisadores, se comparado com as demais, superada apenas pela variável Erosão (fr=32,8%). Quanto à contaminação do solo, a análise dos dados obtidos indicou que a frequência relativa (fi=9,3%) dos artigos observados abordam esse impacto, o que representa o menor percentual em relação às demais variáveis. Dessa forma, torna-se necessário abordar de forma conjunta e igualitária todos os impactos ambientais causados na abertura e duplicação de rodovias, pois há carência de pesquisas que abordem diretamente as variáveis analisadas neste trabalho, com destaque para a contaminação do solo, que apresentou a menor frequência, a qual evidencia tal problemática.

 


Keywords


Planejamento Territorial, Entraves Ambientais, Variáveis.

References


ALMEIDA, J. G. R. et al. Erodibilidade De Solos Tropicais Não Saturados Nos Municípios De Senador Canedo E Bonfinópolis (GO). Revista Geociências, São Paulo, v. 34, n. 3, p.441-451, 2015.

ANACHE, J. A. A. et al. Assessment Of Methods For Predicting Soil Erodibility In Soil Loss Modeling. Revista Geociências, São Paulo, v. 34, n. 1, p.32-40, 2015.

ARAÚJO, A. F. et al. Principais Considerações Sobre o Estudo de Impacto Ambiental. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 12, p.1-18, maio 2011.

AZAMBUJA NETO, A. C. C. de et al. Uma Proposta de Avaliação da Percepção de Impactos Ambientais Antropogênicos por não Especialistas: o Indicador “Buda”. Revista ung – geociências, São Paulo, v. 15, n. 1, p.61-76, jan. 2016.

CORREA, C. M. C.; CRUZ, J. Erosão real e estimada através da Rusle em estradas florestais, em relevo ondulado e fortemente ondulado. Revista Árvore, Viçosa, v. 34, n. 4, p.587-595, mar. 2010.

EDUARDO, E. N. et al. Erodibilidade, Fatores Cobertura E Manejo E Práticas Conservacionistas Em Argissolo Vermelho-Amarelo, Sob Condições De Chuva Natural. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 37, n. 1, p.796-803, 2013.

FERNANDES, J. D. et al. Estudo de impactos ambientais em solos: o caso da reciclagem de baterias automotivas usadas, tipo chumbo-ácido. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Campina Grande, v. 7, n. 1, p.231-255, jan. 2011.

FIGUEIREDO, M. A. et al. Compactação do Solo como Indicador Pedogeomorfológico Para Erosão em Trilhas de Unidades de Conservação: estudo de caso no parque nacional da serra do cipó, MG. Revista de Geografia, Recife, v. 1, n. 3, p.236-247, set. 2010.

GUERINO FILHO, E.; SIMÕES, F. A.; NASCIMENTO JUNIOR, S. L. Diagnóstico das Travessias Urbanas de Rodovias Federais nas Cidades de Maringá, Sarandi e Mandaguari. Revista de Engenharia e Tecnologia, Maringá, v. 6, n. 2, p.70-84, ago. 2014.

MOLEDO, J. C. et al.; Impactos ambientais relativos à implantação do rodoanel, trecho norte, na bacia hidrográfica do tanque grande, município de Guarulhos, São Paulo. Revista UNG- Geociências. São Paulo, v. 14, n. 1, p.49-70, jul. 2015.

MONTEIRO, J. S.; PADILHA, D. G.; CRUZ, J. C. Protocol of factors assessement influential in susceptibility to erosion of river slopes. Revista Árvore, Viçosa, v. 40, n. 5, p.815-823, set. 2016.

OMENA, M. L. R. A.; SANTOS, E. B. Análise da efetividade da Avaliação de Impactos Ambientais – AIA – da Rodovia SE 100/Sul-Sergipe. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 4, n. 1, p.221-237, jan. 2008.

RODRIGUES, E. P.; PINHEIRO, E. S. O Desflorestamento ao Longo da Rodovia Br-174 (Manaus/Am - Boa Vista/Rr). Sociedade e Natureza, Uberlândia, v. 1, n. 3, p.513-528, set. 2011.

RODRIGUES, F. S.; LISTO, F. L. R. Mapeamento de áreas de risco a escorregamentos e inundações em áreas marginais a rodovias na Região Metropolitana de São Paulo. Eng Sanit Ambient, São Paulo, v. 21, n. 4, p.765-775, out. 2016.

SANTOS, J. C. N. et al. Land use impact on soil erosion at different scales in the Brazilian semi-arid. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 48, n. 2, p.251-260, jul. 2017.

SIMONETTI, H. Estudo de impactos Ambientais Gerados pelas Rodovias: Sistematização do processo de elaboração de EIA/RIMA. 2010. 57 f. Monografia- Curso de Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre, 2010.

SOUZA, P. A. et al. Metodologias de Avaliação de Impactos Ambientais da APP, Rancho Tutty Falcão Gurupi-TO. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 13, n. 24, p.704-714, dez. 2016.

TELLES, T. S. et al. Valuation And Assessment Of Soil Erosion Costs. Scientia Agricola, São Paulo, v. 70, n. 3, p.209-216, mai. 2013.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, São Paulo, v. 8, n.1, p.102-106, jan. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-161

Refbacks

  • There are currently no refbacks.