Perfil antropométrico e capacidades físicas em tenistas adolescentes com diferentes volumes de treinamento / Anthropometric profile and physical abilities in adolescent tennis players with different training volumes

João Marcelo de Queiroz Miranda, Marcus Vinícius Palmeira, Welmo Alcântara Barbosa, Roberta Luksevicius Rica, Aylton José Figueira Júnior, Danilo Sales Bocalini

Abstract


O tênis se caracteriza como modalidade intermitente e acíclica pelas características de imprevisibilidade técnico-tática. Nesse contexto, o nível de aptidão física é um importante componente relacionado aos sucessos e insucessos da partida. O objetivo do presente estudo foi comparar os parâmetros de aptidão física de jogadores tenistas adolescentes com diferentes volumes de treinamento técnico-tático. Para tanto, os adolescentes foram distribuídos em dois grupos com diferentes volumes de treinamento: G120 (120 minutos semanais) e G180 (180 minutos semanais). Após avaliação da composição corporal e da aptidão física observamos diferenças significantes entre G120 e G180: somatório das dobras (27,2±13,7 vs 13,0±8,6 mm), percentual de gordura (21,2±9,3 vs 10,2±8,2 %), massa gorda (10,3±6,0 vs. 5,9±5,7 kg) e massa livre de gordura (36,3±6,5 vs. 45,7±11,7 kg) respectivamente. Nos testes de aptidão física entre os grupos G120 e G180: corrida de 10 (2,6±0,3 vs. 2,4±0,2m) e 20 (4,5±0,5 vs. 4,0±0,4m) metros, respectivamente. Os achados mostram melhor nível aptidão em adolescentes que praticam tênis com maior volume de treinamento quando comparados aos praticantes com menor volume indicando influencia deste parâmetro no rendimento esportivo.  

 


Keywords


Tenistas adolescentes; Carga de treinamento; Composição corporal; Aptidão física.

References


Barcellos JL, Morales AP, Maciel RN, Azevedo MMA, Silva VF. Tempo de Prática: Estudo Comparativo do Tempo de Reação Motriz entre Jogadora de Voleibol. Fit. Perf J. Mar-abr . 8 (2):103-9. Rio de Janeiro – Brasil, 2009.

Bartholo TL, Soares AJ. A transformação do Tênis em fenômeno midiático no Brasil a partir de Guga. Esporte e Sociedade 2006, Nº2.

Colantonio E, Barros RV, Molinkiss MAP. Pico de Consumo de Oxigênio em Nadadores e Escolares do Sexo Masculino. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. 10(4):354-359. São Paulo - Brasil/ 2008.

Cyrino ES, Oliveira AR, Leite JC, Porto DB, Dias RMR, Segantin AQ, Mattanó RS, Santos VA. Comportamento da flexibilidade após 10 semanas de treinamento com pesos. Rev Bras Med Esporte. Vol. 10, Nº 4 – Jul/Ago, 2004.

Dantas EHM. A prática da preparação física. 5. ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

Euclydes PT; Dantas EHM; Marins JCB; Pinto JA. Qualidades físicas intervenientes e seu grau de importância no tênis de campo. R. Min. Educ. Fís. 2005 V13(1): 7-27.

Filho JRR. Treinamento de força explosiva para jovens atletas de tênis de campo: pliometria para membros inferiores. Movimento & Percepção, 2007, V8(11).

Gaya, A. C. A.; Manual de Aplicação de Medidas e Testes, Normas e Critérios de Avaliação. Porto Alegre – RS – 2009.

Gomes RV, Ribeiro LMS, Veiga FR, Aoki SM. Consumo Alimentar e Perfil Antropométrico de Tenistas Amadores e Profissionais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 15(6):436 – 40, 2009.

Kraemer WJ, Hakkinen K, Triplett-Mcbride NT, Fry AC, Koziri P, Ratamess NA et al., Physiological Changes with Periodized Resistance Training in Women Tennis Players. Medicine and Science in Sports and Exercise. 35(1):157-168, 2003.

Kovacs MS. Applied physiology of tennis performance. Br J Sports Med, 2006; 40:381-386.

Kovacs MS, Strecker E, Chandler WB, et al. Time analysis of work/rest intervals in men’s collegiate tennis. In:National Strength and Conditioning Conference, 2004. Minneapolis: NSCA, 2004;18, e364.

Lazzoli JK, Nobrega ACL, Carvalho T, Oliveira MAB, Teixeira JAC, Leitão MB, Leite N, Meyer F, Drummond FA, Pessoa MSV, Rezende L, Rose EH, Barbosa ST, Magni JRT, Nahas RM, Michels G, Matsudo V. Atividade Física e Saúde na Infância e Adolescência. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 4, N. 4. Jul-Ago, Curitiba – PR / 1998.

Marins JCB, Giannichi RS. Avaliação e prescrição de atividade física: guia prático. 3. ed – Rio de Janeiro: Shape, 2003.

Medeiros GS, Maldonado L, Santos LS, Demari J. O Perfil da Potência de Membros Superiores, Agilidade e Velocidade de Deslocamento de Tenistas Juvenis do Sexo Masculino. EfDeports.Revista Digital. Janeiro. Ano 14. N.140. Buenos Aires- Argentina/2010.

Miranda JMQ. O jogo de tênis e suas implicações energéticas. Science in Health. 2011 set-dez; 2(3): 177-80.

Pluim MB; Ferrauti A; Broekhof F; Deutekom M et al. The effects of creatine supplementation on selected factors of tennis specific training. Br J Sports Med, 2006; 40:507-512.

Silva RCR, Malina RM. Nível de Atividade Física em Adolescentes do Município de Niterói, Rio de Janeiro – Brasil. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 16 (4): 1091, out – dez /2000.

Villar R, Denadai BS. Efeitos da Idade na Aptidão Física em Meninos Praticantes de Futebol de 9 a 14 anos. Rev. Motriz. Jul-Dez. 2001, Vol. 7, N. 2, PP. 93, 98.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n9-115

Refbacks

  • There are currently no refbacks.