Cobertura vacinal da raiva entre acadêmicos de medicina veterinária/ Rabies vaccination coverage among veterinary medical students

Laura Zanetti, Sara Simões Machado, Cleypson Vinicius Silveira, Carlos Schneider, Robson Michael Delai

Abstract


Introdução: Os estudantes da área de medicina veterinária compõem o grupo de risco susceptível à contaminação por raiva por estarem em contato com animais desde os primeiros períodos da graduação e em diversas áreas do conhecimento. Objetivo: Conhecer a porcentagem de acadêmicos de medicina veterinária que realizaram o protocolo de vacinação contra Raiva no município de Foz do Iguaçu. Metodologia: Foi aplicado um questionário online para 156 acadêmicos do curso de medicina veterinária do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, com questões a fim de arrecadar dados qualitativos e quantitativos referentes ao conhecimento acerca da Raiva. Resultados: Dos 156 entrevistados, 51,8% relatam trabalhar e/ou fazer estágio nas áreas da medicina veterinária. Observou-se que 110 (70,3%) participantes não tinham a vacinação em dia, sendo os principais motivos em razão de esquecimento (32%) seguido da falta de orientação (25,4%). Foi possível observar que 108 participantes conhecem o ciclo epidemiológico da raiva, enquanto 48 desconhecem. Dos participantes, 137 (87,8%) referiram conhecer a respeito dos riscos de uma possível contaminação. Relatam, 84 (54,2%) participantes, terem sido mordidos por algum animal e, destes, 55 (77,5%) não tomaram a vacina antirrábica após o ocorrido. 71% dos participantes têm o conhecimento das medidas a serem tomadas em caso de mordeduras.  Observou-se que 153 (98,1) participantes possuem animais de companhia e, destes, 109 realizaram o protocolo vacinal inicial antirrábico e fazem o reforço anualmente em seus animais. Conclusão: Grande parte dos acadêmicos entrevistados não têm uma cobertura vacinal efetiva contra o vírus da raiva, sendo necessário através das instituições de ensino o desenvolvimento de protocolos que incentivem a vacinação profilática, bem como abordagem especial na questão das zoonoses de interesse à saúde pública.


Keywords


saúde pública, profilaxia, vacinação, zoonoses.

References


AMBRÓSIO, N. A.; DIAS, F. C.; CASTRO, L. A.; BOTTINO, M. P.; ANDRADE, D. C.; ROCHA, M. F. M. Estudo epidemiológico: percepção dos estudantes de medicina veterinária da UFLA sobre exposição a fatores de risco e estado vacinal frente ao tétano. Ars Veterinaria. v. 29, n. 4, p. 70. 2013.

ARAUJO, G. M.; LIMA, P. R. B. de.; SIMPLÍCIO, K. M. M. G.; SILVA JUNIOR, J. L. da.; SANTOS, K. A. A. dos.; et al. Sistema de Informação em Saúde Animal: percepção de estudantes, profissionais de instituições de ensino da Medicina Veterinária e de veterinários autônomos do Estado de Sergipe quanto à notificação obrigatória de doenças ao Serviço Veterinário Oficial. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 10, p. 81826-81839, 2020.

BODAS, M. E.; MILAGRES, B. S. Conhecimento, atitudes e práticas (CAP) dos acadêmicos de saúde quanto à vacinação das doenças infectocontagiosas. Programa de Iniciação Científica - PIC/UniCEUB - Relatórios de Pesquisa. v. 5, n. 1. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde (2014) Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Normal Técnicas de Profilaxia da Raiva Humana. Brasília: 1ª ed., 64p.

BRASIL, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde-DATASUS. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/raivabr.def. [Acessado em 12 de maio de 2021]

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 7. ed.– Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 816 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 2488 de 21 de outubro de 2011. Brasília, 2011. Disponível em: 2 ˂http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html˃. Acesso em: 24 abr. 2018.

BRAZ, R. M. et al. Classificação de risco de transmissão de doenças imunopreveníveis a partir de indicadores de coberturas vacinas nos municípios brasileiros. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, n. 4, p. 745-754, 2016.

CARDOSO, E.; ANDRIANI, C.; HACHMANN, L.; CATAFESTA, B.; VENZON, J. C. Características epidemiológicas de acidentes por mordeduras de animais no município de Indaial - SC. Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública, v. 5, n. 2, p. 148-164, 2018.

COLEMAN, P.G.; FÈVRE, E.M.; CLEAVELAND, S. Estimando o impacto da raiva na saúde pública. Doenças infecciosas emergentes. v.10, n.1, p.140-142, 2004.

COSTA FILHO, R. I. Conhecimento da população sobre a atuação do médico veterinário na atenção básica à saúde. 38f. 2018. Dissertação (Mestrado em Biociência Animal) - Universidade Federal de Goiás. Unidade Acadêmica Especial de Ciências Agrárias. Jataí, 2018.

DAY, M. J.; CRAWFORD, C.; MARCONDES, M.; SQUIRES, R. A. Recomendações sobre a vacinação para médicos veterinários de pequenos animais da América Latina: um relatório do Grupo de Diretrizes de Vacinação da WSAVA. Journal of Small Animal Practice. 2020.

DOGNANI, R. et al. Epidemiologia descritiva da raiva dos herbívoros notificados no estado do Paraná entre 1977 e 2012. Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro, v. 36, n.12, p. 1145-1154, 2016.

ESKOLA, J.; DUCLOS, P.; SCHUSTER, M.; MACDONALD, N. E. How to deal with vaccine hesitancy? Vaccine, v. 33, n. 34, p.4215-4217, 2015.

Foz já registrou 11 casos de raiva em morcego; saiba como evitar a doença. Portal da Cidade. 2019. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2021.

GENARO, G. Gato doméstico: futuro desafio para controle da raiva em áreas urbanas? Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 30, n. 2, p. 186-189, 2010.

GEBRIM, M. S.; TOBIAS, G. C.; TEIXEIRA, C. C. Cobertura das campanhas de vacinação antirrábica animal. Revista Atenção à Saúde, v. 17, n. 61, p. 13-20, 2019.

GILA, L. I. Percepção e conscientização de tutores de gatos quanto à importância da vacinação contra doenças virais. 64 f. 2020. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina Veterinária) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2020.

GRUBER, J. G. P. F. Avaliação do diagnóstico da raiva em morcegos e exposição de seres humanos ao vírus no estado do Paraná. 115f. 2016. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Curitiba, 2016.

HAMPSON, K.; COUDEVILLE, L.; LEMBO, T.; SAMBO, M.; KIEFFER, A.; et al. Correction: Estimating the Global Burden of Endemic Canine Rabies. PLOS Neglected Tropical Diseases, v.9, n.5, e000378, 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Cidades. Brasil em síntese. Disponível em:http://cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php. Acesso em: 22 jun de 2021.

KNOBEL, D.L.; CLEAVELAND, S.; COLEMAN, P.G.; et al. Re-evaluating the burden of rabies in Africa and Asia. Bulletin of the World Health Organization, v.83, n.5, p.321-400, 2005.

KONFLANZ, C. G.; MEIRELLES, M. Será a temática das zoonoses um problema de saúde pública ou um problema pedagógico?. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 15, n. 1, p. 80-80, 2017.

LANGONI, H.; VASCONCELOS, C. G. C.; NITSCHE, M. J. T.; OLBRICH, S. R. L. R.; DE CARVALHO, L. R.; DA SILVA, R. C. Fatores de risco para zoonoses em alunos do curso de Medicina Veterinária, residentes e pós-graduandos. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia, v.12, n.2, p.115-121, 2009.

LANKAU, E. W.; COHEN, N. J.; JENTES, E. S.; ADAM, L. E.; BELL, T. R.; et al. Rabies Prevention and Control in the Age of Global Travel: A Review of Rabies-Related Events Associated with Travel and Trade - United States, 1986-2012. Public Health Zoonose, v. 61, n. 5, p. 305-316, 2014.

LORGA, A. D.; BENEDITO, G. S.; FERRARI, M. C.; GADDINI, L. V.; FERRARO, G. C.; CARDOZO, R. M. Levantamento da vacinação antirrábica dos alunos do curso de medicina veterinária da UEM e seu conhecimento sobre a raiva. Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública, v. 4, p. 022, 2017.

MANOEL, C. M. C.; LOPES, J. G. P. Vacinar ou não? Percepção e conhecimento entre estudantes universitários. 52f. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação em Biomedicina, UNICESUMAR, Maringá. p. 52. 2019.

MORETTI, G. M. A. Estudo da campanha de vacinação contra a raiva em cães e gatos em área do município de São Paulo, SP. 156f. 2013. Tese (Mestre em Ciências Animais) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

NELSON, R.W & COUTO, G.C. Medicina Interna de Pequenos Animais. 2.ed. 2001. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

OLIVARI, M. B. D. Profilaxia pré-exposição à raiva humana nos cursos de graduação em Medicina Veterinária: avaliação e modelo de programa. 107f. 2019. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária Preventiva) - Universidade Estadual Paulista - UNESP. Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabal, 2019.

OLIVEIRA, V.C.; GUIMARÃES, E.A.A de.; FLÔR, C.R.; PINTO, I.C.; et al. Situação vacinal dos estudantes da Universidade Federal de São João Del Rei. Revista Mineira de Enfermagem. v.16, n.4, p.588-593, 2012.

PAULA, L. G. F. Soroprevalência de anticorpos contra patógenos zoonóticos e percepção sobre biossegurança na comunidade interna do Hospital Veterinário da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás. 68f. 2017. Dissertação (Mestre em Ciência Animal) - Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás. Goiás, 2017.

Parque Nacional do Iguaçu bate recorde de visitantes em 2019. Agência Estadual de Notícias do Estado do Paraná. 2020. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2020.

PFUETZENREITER, M.R.; ZYLBERSZTAJN, A. Percepções de estudantes de medicina veterinária sobre a atuação na área da saúde: um estudo baseado na ideia de “estilo de pensamento” de Ludwik Flec. Ciência & Saúde Coletiva. v.13, n.2, p.2105-2114, 2008.

RODRIGUES, R. C. A.; ZUBEN, A. P. B. V; DE LUCCA, T.; REICHMANN, M. L. A. B. Campanhas de vacinação antirrábica em cães e gatos e positividade para raiva em morcegos, no período de 2004 a 2014, em Campinas, São Paulo. SP. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n.3, p.621-628, 2017.

SÃO PAULO. Conselho Regional de Medicina Veterinária (2016) Vigilância epidemiológica da raiva no Estado de São Paulo. Instituto Pasteur / Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. São Paulo, 12p.

SILVA, E. C.; ISHIKURA, J. I.; CORDEIRO, C. T.; SANTOS, L. G.; OLIVEIRA, S. T. Aplicação de questionário para uma amostra de professores da rede pública e privada do município de Curitiba, estado do Paraná, Brasil, acerca de conhecimentos básicos sobre zoonoses. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 15, n. 1, p. 90-90, 2017.

SCHNEIDER, M. C.; AGUILERA, X. P.; DA SILVA, J. B. JR.; AULT, A. K.; NAJERA, P.; et al. (2011) Elimination of neglected diseases in Latin America and the Caribbean: a mapping of selected diseases. PLoS Neglected Tropical Diseases, v.5, n.2, e964, 2011.

TARANTOLA, A. Four Thousand Years of Concepts Relating to Rabies in Animals and Humans, Its Prevention and Its Cure. Tropical medicine and infectious disease. v.2, n.2, p.5, 2017.

TOMÉ, R. O.; LANGONI, H.; PERUCA, L. C. B.; BABBONI, S. D. Avaliação do conhecimento sobre algumas zoonoses com proprietários de cães da área urbana do município de Botucatu, SP. UNOPAR Científica. Ciências Biológicas e da Saúde, v. 12, n. 3, p. 67-74, 2010.

VARGAS, A.; ROMANO, A.P.M.; MERCHAN-HAMANN, E. Raiva humana no Brasil: estudo descritivo, 2000-2017. Epidemiologia Serviços da Saúde. v. 28, n. 2, e2018275. 2019.

WADA, M. Y.; ROCHA, S. M.; MAIA-ELKHOURY, A. N. S. Situação da Raiva no Brasil, 2000 a 2009. Epidemiol. Serv. Saúde. Brasília. v. 20, n. 4, p. 509-518, dez. 2011.

WALLACE, R. M.; CLIQUET, F.; FEHLNER-GARDINER, C.; FOOKS, A. R.; SABETA, C. T. et al. Role of Oral Rabies Vaccines in the Elimination of Dog-Medicated Human Rabies Deaths. Emerging infectious diseases. v. 26, n. 12, p 1-9, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-097

Refbacks

  • There are currently no refbacks.