Resíduos de rochas ornamentais como agregado miúdo para a constituição de concretos estruturais/ Ornamental stone wastes as fine aggregate for the constitution of structural concrete

André Fernandes Lima, Marcelo de Souza Picanço, Bernardo Borges Pompeu Neto, Glauber Tulio Fonseca Coelho

Abstract


Este estudo apresenta a utilização de agregados miúdos reciclados de resíduos de rochas ornamentais aplicados em concretos estruturais, tendo como objetivo avaliar as características físicas e mineralógica, tal como a influência da inserção desse tipo de agregado nas propriedades mecânicas de consistência e resistência à compressão axial dos concretos produzidos. Para tal, foram confeccionados concretos por meio de uma dosagem experimental, com um traço de referência com relação aglomerante: agregados secos de (1:5) e abatimento fixo de 100±20 mm. Para isso, foram produzidas três misturas com os teores de 10%, 20% e 50% de resíduos de rochas ornamentais em substituição ao agregado miúdo natural. A princípio, realizou-se a seleção e caracterização física dos materiais, para em seguida dar continuidade às etapas de dosagem, confecção, moldagem e cura dos concretos. Para os concretos produzidos, avaliou-se o índice de consistência e a resistência à compressão axial aos 7 e 28 dias de idade. Por meio da análise dos resultados, constatou-se que os concretos confeccionados com resíduos de rochas ornamentais apresentaram resistência à compressão simples maiores que o concreto de referência, com exceção do concreto com teor de 50% de substituição. Os concretos com teores de substituição de 10% e 20% apresentaram os melhores resultados de resistência à compressão axial em comparação ao concreto de referência, com ganhos médios ao 28 dias de idade de 6,02% e 0,24% respectivamente. Concluiu-se que, quanto às características estudadas, a utilização de resíduos de rochas ornamentais em substituição ao agregado miúdo, em até 10% de massa, melhora o desempenho mecânico do concreto.


Keywords


Sustentabilidade, Resíduo de rochas ornamentais, Agregado reciclado, Agregado miúdo reciclado.

References


PAIC – Pesquisa Anual da Indústria da Construção. Informativo 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/54/paic_2018_v28_informativo.pdf. Acesso em: 03 dez. 2020.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução n°. 307, de 5 de julho de 2002. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Habitação. Publicada no Diário Oficial da União em 17/07/2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo: Abrelpe, 2019.Disponível em: https://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019. Acesso em: 15 ago. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Rochas para revestimentos de edificações — Terminologia. NBR 15012. Rio de Janeiro. 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE ROCHAS ORNAMENTAIS. Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais em 2018. Brasília. Abirochas, 2019. Disponível em: https://abirochas.com.br//wp-content/uploads/2018/06/Informes/Informe_01_2019_Balanco_2018.pdf. Acesso em: 12 maio. 2019.

VIDAL, Francisco. W. H.; HÉLIO, C. Azevedo.; CASTRO, Nuria. F. Tecnologia de rochas ornamentais – Pesquisa, lavra e beneficiamento. Rio de Janeiro: CETEM/MCTI, 2013. 684p.

NAGALLI, André. Gerenciamento de Resíduos Sólidos na Construção Civil. 1ª ed. São Paulo: Oficina de Texto, 2014.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução 01/1986. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=307. Acesso em: 10 março. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cimento Portland e outros materiais em pó — Determinação da massa específica. NBR 16605. Rio de Janeiro. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Agregado miúdo – Determinação da massa específica e massa específica aparente. NBR NM 52. Rio de Janeiro. 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Agregado graúdo – Determinação da massa específica e massa específica aparente. NBR NM 53. Rio de Janeiro, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Agregados – Determinação da composição granulométrica. NBR NM 248. Rio de Janeiro. 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Concreto – Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. NBR 5738. Rio de Janeiro, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Concreto – Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. NBR NM 67. Rio de Janeiro, 1998.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cimento Portland – Determinação da resistência à compressão. NBR 7215. Rio de Janeiro. 2019.

KOGEL, J. E., TRIVEDI, N. C., BARKER, J. M., et al, 2006, “Industrial Minerals and Rocks: Commodities Markets and Uses”, 7th Edition, Colorado, Society for Mining, Metallurgy and Exploitation SME.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Concreto para fins estruturais – Classificação pela massa específica, por grupos de resistência e consistência. NBR 8953. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Concreto – Ensaios de Compressão de corpos cilíndricos – Métodos de Ensaio. NBR 5739. Rio de Janeiro, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Concreto – Projeto de Estruturas de Concreto. Procedimento. NBR 6118. Rio de Janeiro, 2014.

JUNIOR, P. F. da S.; NETO, B. B. P.; OLIVEIRA, M. A. B. de. Cerâmica vermelha incorporada com resíduo de pedras ornamentais tratada termicamente. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 9, p. 72545-72561, sep. 2020.

GONÇALVES, J. P. Utilização do resíduo de corte de granito (RCG) como adição para a produção de concretos. Porto Alegre, 2000. 135f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-091

Refbacks

  • There are currently no refbacks.