Zonas de sacrifício e injustiças ambientais: uma reflexão sobre os impactos da pandemia/ Sacrifice zones and environmental injuries: a reflection on the impacts of the pandemic

Lourdes Brazil dos Santos Argueta, Silvia Elena Olazábal Toledo, Irma Zitacuaro, Pedro Alfredo Kibinda Kuassa, Pascoal Paulo Jorge, Carlos Cesar Gonzalez de Luna

Abstract


A doença causada pelo novo coronavírus exigiu uma série de intervenções para reduzir a transmissão do vírus e a rápida evolução da pandemia. A doença vem afetando cada vez mais,  um número muito elevado  de pessoas, impondo novas regras  e hábitos sociais,  à população mundial. As informações  sobre  às  questões  de biossegurança como medida de prevenção da disseminação da covid- 19 , estão constantemente  na mídia. Por outro lado, as questões econômicas, politicas e de saúde vêm sendo também incorporadas aos debates e seus impactos permitindo que se tenha uma visão holística sobre estratégia de confronto e possibilidade de superação. A escolha do tema, objetiva à reflexão sobre os chamados espaços urbanos segregados, também chamadas de Zonas de Sacrifício, presentes na maioria das cidades latino-americanas.  O presente artigo apresenta as implicações das condições de vida na ocorrência de grandes contaminações em casos letais; Alguns dos impactos sociais e psicológicos e sugiro algumas mudanças que precisam ser implementadas em termos de políticas de urbanização e destaco como as universidades podem ser um espaço importante para criar estratégias de compreensão do quartão urbano, apesar dos ataques que esta instituição tem sofrido. , tais como: investido com privatização, redução de dois recursos, substituição de suas instalações, continua sendo um importante espaço de reflexão e criação de novas estratégias.


References


ACSELRAD, H; MELLO, C. C. A.; BEZERRA, Gustavo das Neves Bezerra. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

Acselrad, H. Sentidos da sustentabilidade urbana. In: ACSELRAD, H. (Org.). 2001 Aduração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro:

DP&A, p.27-55Bourdieu, P., & Champagne, P. (1998). Os excluídos do interior. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 217-227.

Maricato, E. (1996). Metrópole na periferia do capitalismo: ilegalidade, desigualdade e violência (Vol. 10). Editora Hucitec.

Metrópole, legislação e desigualdade Estud. av. vol.17 no.48 São Paulo May/Aug. 2003

Santos, M. (2005). A urbanização brasileira (Vol. 6). Edusp.

SANTOS, M. Por uma outra Globalização: do pensamento único a consciência universal. 13° edição. Rio de Janeiro: Ed Record, 2006.

______. Natureza do Espaço: Técnica e tempo, razão e emoção. 3° edição. São Paulo: Hucitec, 1999.

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/reconstrucao-nacional/2016/4/21/Angola-

regista-niveis-urbanizacao-acima-continente,07e1260b-3740-4d31-860f-

cc90c4b9587e.html

http://www.cidadessustentaveis.org.br/habitat-iii-terceira-conferencia-das-nacoes-

Programa de Reducción de Riesgos y Desastres, Unidad de Redes Transdisciplinarias, Vicerrectoría de Investigación y Desarrollo, Universidad de Chile (2020). Position Paper “Los territorios que habita(re)mos: ¿Qué futuro existe para las zonas de sacrificio?”. Position Paper Nº1, Serie Desastres Socionaturales. Santiago, Chile: Universidad de Chile.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.