Características botânicas e etnobotânicas das espécies exóticas utilizadas para arborização na cidade de Parazinho-RN/ Botanicals and ethnobotanicals characteristics exotics species used for afforestation in the city Parazinho-RN

Dário Soares Júnior, Andréa Celina Ferreira Demartelaere, Hailson Alves Ferreira Preston, Pablo Wenderson Ribeiro Coutinho, Selma dos Santos Feitosa, Thiago Pereira de Paiva Silva, Jaltiery Bezerra de Souza, Tatiane Calandrino da Mata, Leoclécio Luís de Paiva, Vanda Maria de Lira, Nickson Fernandes de Oliveira Carvalho, Fabio Costa Esteves Junior, Danielle Acco Cadorin, Antonia Gilcileia Cunha da Conceição, João Victor Santana, Maria Eduarda de Almeida Silva, Carla Gisele Lameira Diniz, Paulinha Souza dos Santos, Marcos Adriano dos Santos Ferreira, Carla Patrícia de Sousa Pina, Bruno Maia da Silva

Abstract


Quando ocorre a desarborização fica mais evidente que a presença de chuvas é cada vez mais rara. A combinação das situações anteriores prejudica a biodiversidade do local afetado, além de tornar favorável o surgimento de pragas e doenças devido ao desequilíbrio nas cadeias alimentares e a eliminação de predadores de alguns animais, especialmente insetos que passam a se proliferar sem controle. Espaços urbanos funcionam como ilhas de calor na ausência do sombreamento proporcionado pelas árvores, as superfícies que absorvem a energia solar e lançam calor no ambiente, aumentando a consideravelmente a temperatura do ar. Pois, as sombras das árvores resfriam o ambiente, transferem água do solo até a atmosfera e criam microclimas capazes de reduzir a temperatura entorno. Uma árvore bem posicionada cria sombra e impede que o sol aqueça diretamente a superfície da edificação. Isso resulta em uma economia de 2% a 9% no consumo anual com refrigeração interna. No presente trabalho, foi possível analisar as características das principais espécies que arborizam a cidade de Parazinho-RN: NIM (Azadirachta indica A. Juss), que é utilizada para a arborização de ruas e praças, no campo é bem como o uso como quebra-vento. Sua madeira é resistente a cupins e tem sido utilizada na fabricação de moveis, mourões, estacas, esteios, ripas, caibros e utensílios domésticos, o ALGODOEIRO-DA-PRAIA (Hibiscus tiliaceus L.) pode ser utilizada para a fabricação de pequenos artefatos, brinquedos e caixotaria. A madeira é usada em diversas aplicações, na construção de embarcações, lenha e esculturas em madeira. As fibras vegetais, são retiradas do caule para a fabricação de cordas. E a FIGUEIRA-BENJAMIM (Ficus-benjamina L.) é uma das mais difundidas para ornamento, inclusive e principalmente porque utilizada para a topiaria, que é a arte de criar esculturas vegetais. Entretanto, o objetivo da presente revisão foi explanar as características botânica e etnobotânica das espécies exóticas utilizadas para arborização na cidade de Parazinho-RN. Ao analisar as características botânica e etnobotânica das espécies exóticas utilizadas para arborização na cidade de Parazinho-RN, verificou-se que a Azadirachta indica, o Hibiscus tiliaceus e a Ficus-benjamina são de grande importância econômica, ideais para arborização urbana e promovem a biodiversidade das espécies, contribuindo para o equilíbrio do ecossistema.


Keywords


Arborização urbana, Equilíbrio do ecossistema, Espécies Exóticas.

References


ALMEIDA, E. R. Plantas Medicinais Brasileiras, Conhecimentos Populares e Científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda.1993.

ALVAREZ, I. A. Qualidade do espaço verde urbano: uma proposta de índice de avaliação. Tese (Doutorado). 2014. 2019 f. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2014.

ALVAREZ, I. A. et al. Arborização urbana do semiárido: espécies potenciais para a caatinga. Colombo: Embrapa Florestas, 2012. 28 p.

ANDRADE-LIMA, D. Plantas da Caatinga. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1989. 243 p.

ARAÚJO, L. V. C.; RODRIGUEZ, L. C. E.; PAES, J. B. Características físico-químicas e energéticas da madeira de nim indiano. Scientia Forestalis, n. 57, p.153-159, 2000.

ASSIS, E. S.; SIRQUEIRA, C. A.; BAMBERG, A. M. Influência da Vegetação no Microclima em Ambiente Simulado Controlado. In: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 12., Brasília, 2013. Anais... Brasília: ANTAC/UnB, 2013.

BISWAS, K.; CHATTOPADHYAY, I.; BANERJEE, R. K.; BANDYOPADHYAY, U. Biological activities and medicinal properties of neem (Azadirachta indica). Current Sci., v. 82, n. 11, p. 1336-1345, 2002.

BITTENCOURT, A. M. O Cultivo do Nim indiano (Azadirachta indica A. Juss): uma visão econômica. Dissertação (Mestrado). 2006. 147.

BOLTON, D. The Computation of Equivalent Potential Temperature. In: AMERICAN METEOROLOGICAL SOCIETY. Monthly Weather Review, v. 108, p. 1046-1053, 1980.

BRAGA, R. Plantas do Nordeste: especialmente do Ceará. 5. ed. Mossoró: Fundação Guimarães Duque, 2001. 540 p.

CARDOSO, D. B. O. S. e QUEIROZ, L. P. Caatinga no contexto de uma metacomunidade: evidências da biogeografia, padrões filogenéticos e abundância de espécies em Leguminosas. In: CARVALHO, C. J. B e ALMEIDA, E. A. B. (orgs.). Biogeografia da América do Sul Padrões e processos. São Paulo (SP): Roca, 2010. p. 241-260.

FERREIRA JUNIOR, W. P. G. Manual de Arborização. Curitiba – PR 1997.

HOLDSWORTH, D. A.; REID, I. M.; CERVERA, M. A. Buckland Park all-sky interferometric meteor radar, Radio Sci., v. 39, n. 1, 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa demográfica 2020. [Internet]. Parazinho: IBGE; 2020. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pns/2013/>. Acesso em: 17 mai 2021.

LABAKI, L. C.; SANTOS, R. F.; BUENO-BARTHOLOMEI, C. L.; ABREU, L. V. Vegetação e conforto térmico em espaços urbanos abertos. Fórum Patrimônio, v. 4, n. 1, p. 23-42, 2011.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. São Paulo: Ed. Plantarum, Nova Odessa, 1992. 360 p.

LIU, Z. Chemical methods to evaluate antioxidant ability. Chemical Reviews, v. 110, p. 5675-5691, 2010.

McPHERSON, E. G.; ROWNTREE, R. A. Energy conservation potential of urban tree planting. Journal of Arboriculture, v. 19, n. 6, p. 321 – 331, 1993.

MINELLA, F. C. O.; KRÜGER, E. L. Proposição do Índice “Fração Vegetada” e Sua Relação Com Alterações na Temperatura do Ar e no Conforto Térmico no Período Diurno e em Situação de Verão Para Curitiba. Ambiente Construído, v. 17, n. 1, p. 353-371, 2017.

MONTEIRO, L. M.; ALUCCI, M. P. Modelo Adaptativo de Conforto Para Avaliação in loco de Espaços Urbanos Abertos. Ambiente Construído, v. 12, n. 1, p. 61-79, 2012.

MOURA, I. R. de. Arborização urbana: estudo das praças do bairro centro de Teresina. Dissertação apresentada ao Instituto de Geociências e Ciências Exatas do Campus de Rio Claro: Rio Claro – SP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2021.

PAIVA H. N; GONÇALVES W. Florestas Urbanas: planejamento para melhorar de qualidade de vida. Viçosa: Aprenda Fácil, 2002. (Coleção Jardinagem e Paisagismo).

PIVETTA, K. F. L.; SILVA FILHO, D. F. Arborização Urbana. Boletim Acadêmico. Jaboticabal: UNESP/FCAV/FUNEP, 2002. 74p.

PORTO DE LIMA, V. R. Caracterización biogeográfica del bioma Caatinga en el sector semiárido de la cuenca del Río Paraíba – Noreste de Brasil: Propuesta de Ordenación y Gestión de um medio semiárido tropical. 2012. 355 f. Tesis (Doctorado en Geografía Física y Análisis Geográfico Regional). Sevilla (ESP): Universidad de Sevilla, 2012.

RITO, A. R. M.; BRITO, A. A. S. Forty years of Brazilian medicinal plant research. Journal of Etnopharmacology, v. 39, n. 1, p. 53-67, 1993.

ROSA, R. N. da. GEOSUL Geoprocessamento e Meio Ambiente Ltda. Relatório Manejo Árvores Centenárias. Campo Grande - MS Campo grande. Disponível em:< http://www.pmcg.ms.gov.br/egov/downloadFile.php?> Acesso em: 10 mai 2021.

SHINZATO, P. DUARTE, D. H. S. Impacto da vegetação nos microclimas urbanos e no conforto térmico em espaços abertos em função das interações solo-vegetação-atmosfera. Ambient. constr., v. 18, n. 2, p. 197-225, 2018.

SHASHUA-BAR, L.; PEARLMUTTER, D.; ERELL, E. The Influence of Trees and Grass on Outdoor Thermal Comfort in a Hot-Arid Environment. International Journal of Climatology, v. 31, n. 10, p. 1498-1506, 2010.

VERVLOT-FILHO, R. H. V. et al. Aspectos florísticos da arborização do campus de goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo. In: 15º Congresso Brasileiro e 1º Congresso Ibero-americano de Arborização Urbana- CBAU, 2011, Anais... Recife- PE, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-054

Refbacks

  • There are currently no refbacks.