I projeto de plantio de frutíferas nativas no campus da FHO / I native fruit tree planting project on the FHO campus

Maristela Hefliger Camargo, Diogenes Rafael de Camargo, Olavo Raymundo Junior, Sabrina Ferreira Henz, Natália de Souza Penteado, Gustavo Saravali Garcia, Jean Carlos Modesto de Andrade, Andressa Cristina Ricardo Camargo, Matheus Müller Camargo, Lucas Pereira Rocha

Abstract


O “I Projeto Frutíferas no campus” foi realizado no Campus Duse Rüegger Ometto do Centro Universitário da Fundação Hermínio Ometto-FHO, em parceria com o Projeto de Extensão em Produção de Mudas Nativas, Permacultura e Educação Ambiental Crítica: "Ecomudas". O Projeto está alinhado ao reposicionamento da Instituição em direção à Sustentabilidade (http://www.uniararas.br/reposicionamento/), tendo em vista o bem-estar, o cuidado com a comunidade interna e externa, bem como a conscientização e o envolvimento das pessoas na solução dos problemas sociais e ambientais. Neste contexto, os objetivos do Projeto foram: I) realizar plantio de espécies arbóreas nativas e frutíferas, a fim de atrair animais da região; II) Atrair polinizadores, sobretudo abelhas; III) Promover Educação Ambiental; IV) Disponibilizar à comunidade interna e externa, frutos orgânicos. Durante os meses de março a novembro do ano de 2019, os integrantes do referido Projeto de extensão realizaram pesquisas e coletas para a preparação do evento, bem como a elaboração de calendários fenológicos de floração e frutificação garantindo flores e frutos ao longo do ano e preparo de solo. Acerca da seleção das áreas de plantio, foi considerado o tipo de solo, clima e umidade local, tendo em vista que o campus corresponde a uma região de ecótono entre os biomas Cerrados e Mata Atlântica. Com a demarcação das cinco áreas destinadas ao plantio, foram coletadas amostras de solo para análise físico-química e granulométrica, que influenciaram diretamente na adubação, a qual foi calculada conforme a deficiência de cada área. O plantio ocorreu em 20 de novembro de 2019, contando com 260 mudas, de 47 espécies, em sua grande maioria nativas, como por exemplo, Cambuci (Campomanesia phaea), Graviola (Annona muricata), Pitanga (Eugenia uniflora L.), coordenado pelos participantes do Projeto “Ecomudas” e demais alunos do curso de graduação em Ciências Biológicas, bem como professores e a equipe gestora do Centro Universitário da Fundação Hermínio Ometto-FHO. O principal resultado obtido até o momento, sobretudo devido aos cuidados prévios com o solo e seleção rigorosa das mudas, foi a alta taxa de sobrevivência das espécies plantadas

 


Keywords


Reflorestamento; Avifauna; Árvores brasileiras. Educação Ambiental. Permacultura. Sustentabilidade.

References


AGOSTINI, K.; COELHO, C. P. Trocando a água pelos animais: Dispersão da semente hidrocórica de Mucunasp por roedores. Campinas: UNICAMP, 2001. CD-ROM: Curso de Frugivoria e Dispersão de sementes.

ALBUQUERQUE, B. P. As relações entre o homem e a natureza e a crise sócio-ambiental. Fundação Oswaldo Cruz, 2007. Disponível em . Acesso em 20 ago. 2020.

ALMEIDA, B. G. Métodos alternativos de determinação de parâmetros físicos do solo e o uso de condicionadores químicos no estudo da qualidade do solo. 2008. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2008. Disponível emhttps://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11140/tde-18112008-100808/publico/Brivaldo_Almeida.pdf. Acesso em 29 out. 2020.

ATHIÊ, S. A observação de aves e o turismo ecológico. 2007. 129 f. Monografia (Especialização) - Curso de Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007.

BATISTA, K. D.; MATTIONI, J. A. M. Implantação da Cultura. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Roraima, 2017. Disponível em https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/177392/1/cap-3.pdf. Acesso em 13 ago. 2020.

BIZERRIL, M. X.A. et al. Análise das tendências dos estudos sobre frugivoria e dispersão de sementes do Brasil. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 3, n. 1, p. 73-82, 2005. Disponível em https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/view/922/64. Acesso em 05 ago. 2020.

BRANCALION, P. H. S.; NOVEMBRE, A. D. L. C.; RODRIGUES, R. R. Temperatura ótima de germinação de sementes de espécies arbóreas brasileiras. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 32, n. 4, p. 15-21, 2010. Disponível em:https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31222010000400002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 29 out. 2020.

BRASIL. Lei 12.651 de 25 de maio de 2012. L12651. Brasília, 25 de maio de 2012; 191º da Independência e 124º da República. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em 01 set. 2020.

BROSE, U.; HILLEBRAND, H.; BROSE, U. Biodiversity and ecosystem functioning in dynamic lands capes. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, vol. 371, n. 1694, p. 1-9. 2016. Disponível em https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rstb.2015.0267. Acesso em 01 ago. 2020.

CARDOSO, E. L.; FERNANDES, A. H. B. M.; FERNANDES, F. A. Análise de Solos: Finalidade e Procedimentos de Amostragem. Corumbá: EMBRAPA, 2009. 5 p. (Relatório Técnico). Disponível em https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/807342/1/COT79.pdf. Acesso em 29 out. 2020

CHALFUN, N. N. J.; PIO, R. Aquisição e plantio de mudas frutíferas. Lavras: UFLA, 2002. (Boletim técnico, 113). Disponível em http://livraria.editora.ufla.br/upload/boletim/extensao-tmp/boletim-extensao-003.pdf. Acesso em 02 ago. 2020.

CLEWELL, A; ARONSON, J; WINTERHALDER, K. Fundamentos de Restaurações Ecológicas. Tradução: RODRIGUES, E. v. 1. 2. ed. USA: SER - Society for Ecological Restoration, 2004. 17 p. Disponível em http://www.lerf.eco.br/img/publicacoes/2004_12%20Fundamentos%20de%20Restauracao.pdf. Acesso em 01 ago. 2020.

CLIMA PARA O MÊS PARA ARARAS, SÃO PAULO. The Weather Channel. 2020. Disponível em: https://weather.com/pt-BR/clima/mensal/l/Araras+S%C3%A3o+Paulo?canonicalCityId=c061dd1f2f732c2f65b1731e7c3b09ac826efa4cea108d9e206cebd22f4e4db2. Acesso em 04 de nov. 2020.

COELHO, I. D. et al. Arborização urbana na cidade de Campina Grande-PB: Inventário e suas espécies. Revista de biologia e ciências da Terra, v. 4, n. 2, 2004. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/500/50040205.pdf. Acesso em 01 set. 2020.

CORRÊA, C. Ecologia de sabiás (Turdus spp.) e sanhaços (Thraupis spp.) em área urbana com fragmentos florestais no campus da UNESP de Rio Claro. 2010. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/118732/correa_c_tcc_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 10 de set 2020.

CUPERTINO, M. A.; EISENLOHR, P. V. Análise florística comparativa da arborização urbana nos campi universitários do Brasil. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 29, ed. 3, p. 739-750, maio/jun 2013. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/15144. Acesso em 4 nov 2020.

DALDEGAN, J.; SAMBUICHI, R. H. R. Programa de aquisição de sementes e mudas nativas (PASEM): uma proposta de política pública para fins de regulamentação ambiental no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2017, 50 p. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7431/1/td_2272.pdf. Acesso em 29 out. 2020.

DONATELLI, R. J; COSTA, T. V. V; FERREIRA, C. D. Dinâmica da avifauna em fragmento de mata na Fazenda Rio Claro. Lençóis Paulista, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, v. 21, n. 1, p. 97-114, Mar. 2004. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81752004000100017&lng=en&nrm=iso. Acesso em 24 set 2020.

FAGUNDES, J. F. et al. Arborização e jardinagem na Escola Municipal de Ensino Fundamental Assis Brasil em Palmeira das Missões – RS. REGET/UFSM, Santa Maria, v. 19, n. 2, p. 1162-1173, mai./ago. 2015. Disponível em https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/182823. Acesso em 11 nov. 2020.

FAUSTINO, T. C.; MACHADO, C. G. Frugivoria por aves em uma área de campo rupestre na Chapada Diamantina, BA. Revista Brasileira de Ornitologia, [S.L.], v. 14, n. 25, p. 137-143, jun 2006. Disponível em

http://revbrasilornitol.com.br/BJO/article/view/2404/pdf_356. Acesso em 05 ago. 2020.

FERREIRA, R. C. Estrutura da guilda das aves frugívoras da APA Parque e Fazenda do Carmo, São Paulo, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 18, p. 3262-3279, 2014. Disponível em http://www.conhecer.org.br/enciclop/2014a/CIENCIAS%20BIOLOGICAS/Estrutura.pdf. Acesso 10 set. 2020.

FLETCHER, R. J. et al. Is habitat fragmentation good for biodiversity? Biological Conservation, vol. 226, p. 9–15. 2018. Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0006320718305779?via%3Dihub. Acesso em 01 ago. 2020.

FURTINI NETO, A. E.; VALE, F. R.; RESENDE, A. V.; GUILHERME, L. R. G.; GUEDES, G.A.A. Fertilidade do solo. 2001. 252f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Solos e Meio Ambiente) – Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão, Universidade Federal de Lavras, Lavras.

GONÇALVES, M. P. M. et al. Comportamento inicial de espécies nativas na recuperação de área ciliar em Caatinga. Semiárido de Visu, Petrolina, v. 7, n. 1, p. 12-34, 2018. Disponível em https://periodicos.ifsertao-pe.edu.br/ojs2/index.php/semiaridodevisu/article/view/428. Acesso em 29 out. 2020.

HOLANDA, S. B. de. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento. São Paulo: Brasiliense, 1996.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, n. 118, p. 189-206, 2003.

JACTO. Cultura perene e cultura de ciclo longo: veja como manter a produtividade. Disponível em https://blog.jacto.com.br/cultura-perene/. Acesso em 17 abr. 2020.

JUSTINO, G. S. Guia botânico de trilhas do Parque Estadual do Pau-Furado, Uberlândia, Minas Gerais. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2017. Disponível em http://repositorio.ufu.br/handle/123456789/20309. Acesso em 08 out. 20017.

KIILL, L. H. P.; SILVA, T. A. da; ARAUJO, F. P. de. Fenologia reprodutiva de espécies e híbridos do gênero Spondias L. (Anacardiaceae) em Petrolina, PE. Embrapa Semiárido. 2013. Disponível em https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/974718/fenologia-reprodutiva-de-especies-e-hibridos-do-genero-spondias-l-anacardiaceae-em-petrolina-pe. Acesso em 08 out 2020.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da

educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade. v. 12 n.1 São Paulo, p. 23-

, 2014.

LIMA, V. C.; LIMA, M. R.; MELO, V. F. O Solo no Meio Ambiente: Abordagem para Professores do Ensino Fundamental e Alunos do Ensino Médio. CURITIBA – PR, 2007.

LONDE, P. R. et al. A influência das áreas verdes na qualidade de vida urbana. Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 10, n. 18, p. 264-272, 2014.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2009. v. 3.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. v. 2. 2 ed. Nova Odessa. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 1998.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. v.1. 3 ed. Nova Odessa. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2000.

LOUMAN, B.; QUEIROZ, D.; NILSON, M. Silvicultura de bosques latifoliados húmeros com énfasis en America Central. 04. ed. Turrialba, Costa Rica: Editora CATIE, 2001.

LUZ, MJ da S.; FERREIRA, G. B.; BEZERRA, J. R. C. Adubação e correção do solo: procedimentos a serem adotados em função dos resultados da análise do solo. Embrapa Algodão-Circular Técnica (INFOTECA-E), 2002.

MALAVOLTA, E. ABC da adubação. 5. ed. rev. at. São Paulo: Agronômica Ceres, p294, 1989.

MARCONDES, S. Brasil, amor à primeira vista! Viagem ambiental no Brasil do século XVI ao XXI. São Paulo: Peirópolis, 2005. Código Florestal de 1965. LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/LEIS/L4771.htm. Acesso em 01 set 2020.

MARTELLI, A. Arborização urbana versus qualidade de vida no ambiente construído. Revista Faculdades do Saber, v. 1, n. 02, p. 133-142, 2016. Disponível em: https://rfs.emnuvens.com.br/rfs/article/view/17. Acesso em 20 abr. 2020.

MARTINS, C. E. et al. Amostragem de Solo. Embrapa, 2005. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia8/AG01/arvore/AG01_360_217200392415.html. Acesso em 17 abr. 2020.

MATTER, S. V. et al. Ornitologia E Conservação: Ciência Aplicada, Técnicas de Pesquisa E Levantamento. Rio de Janeiro: Technical Books, 2010.

MENDES, M. V. I. Mudança global do clima as cidades no Antropoceno: escalas, redes e tecnologias. Caderno Metrópole, v.22, n.48. São Paulo, mai - ago, 2020. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-99962020000200343&tlng=pt. Acesso em 13 ago. 2020.

MENDOZA, E.; SAMBIASE, M. F.; OLIVEIRA, M. A. Preparo do Solo. SENAR - Programa Olericultura Orgânica, p. 25-27. São Paulo, 2012.

MIRANDA, C.M. Projetos de restauração ecológica: percepção ambiental e interação de comunidades urbanas. 2017. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Escola Nacional de Botânica Tropical, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em http://w2.files.scire.net.br/atrio/jbrj-ppgenbt_upl/THESIS/194/beatriz_c_miranda_dissertao_20170314105438627.pdf. Acesso em 11 nov. 2020.

MIRIN, A. A.; KASPER, K.M. A natureza e o lugar habitado como âmbitos da experiência estética: novos entendimentos da relação ser humano - ambiente. Belo Horizonte: Educação em Revista, v. 25, n. 2, jul. 2009. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982009000200012&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em 22 out. 2020.

MORETTO, S. P. M.; CARVALHO, M. M. X.; NODARI, E. S. N. A Legislação Ambiental e as Práticas de Reflorestamento em Santa Catarina. In: Encontro Nacional da Anppas, V., 2010, Florianópolis-SP. Anais eletrônicos. Disponível em http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT16-55-26-20100831195920.pdf. Acesso em 31 mai. 2020.

NASCIMENTO, T. B. de; GAZIL FILHO, A. B.; SANTOS, J. A. Fenologia da gravioleira (Annona muricata) em área de cerrado do Amapá, Brasil. Acta Amaz. v.32 no.3. Manaus. 2002. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59672002000300367. Acesso em 08 out 2020.

NAEEM, S. et al. Biodiversity and human well-being: an essential link for sustainabledevelopment. Proceedingsofthe Royal Society B: Biological Sciences, vol. 283, n. 1844. 2016. Disponível em https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rspb.2016.2091. Acesso em 01 ago. 2020.

NOTICÍCIAS DE ARARAS. Pró-Arara 6 anos: mais 13 araras reabilitadas foram soltas na cidade. Disponível em: https://noticiasdeararas.com.br/2020/07/pro-arara-6-anos-mais-13-araras-reabilitadas-foram-soltas-na-cidade. Acesso em: 01 de nov. 2020.

OLIVEIRA, A. M.; ALCALÁ, S. G. S.; SANTOS, A. M. Experiências de Extensão Universitária na área de arborização da Universidade Federal de Goiás. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, Florianópolis, v. 15, ed. 31, p. 02 - 14, 18 dez 2018. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2018v15n31p2. Acesso em 4 nov 2020

ONU. Conheça os novos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. 2015. Disponível em https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos-17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu/. Acesso em 13 ago. 2020.

O PLANTIO de árvores frutíferas no Campus da FHO. Disponível em http://www.uniararas.br/noticias/?codigo=2907. Acesso em 20 maio 2020.

O REPOSICIONAMENTO da FHO para a sociedade e meio ambiente. 2019. Disponível em: http://www.uniararas.br/reposicionamento/. Acesso em 19 maio 2020.

ORTIZ, P. R. T. Monitoramento de um reflorestamento com alta diversidade de espécies nativas, sob três condições de adensamento de mudas, no Parque Estadual das Fontes do Ipiranga. 2017. Dissertação (Mestrado) - Curso de Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente, Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo, 2017. Cap. 8. Disponível em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/pgibt/2018/03/paulo-roberto-torres-ortiz-dissertacao-de-mestrado-versao-14-02-2018-1.pdf. Acesso em 15 mai. 2020.

PERRONI, V.; MENESCAL, A. C.; AFFONSO, E. P. Fruticultura: Tecnologias e utilização de métodos não destrutivos. IV: Encontro competências Digitais para Agricultura Familiar, Presidente Prudente, 2017. Disponível em: http://dadosabertos.info/events/ecodaf/ivecodaf.pdf#page=125. Acesso em 02 ago. 2020.

PINHEIRO, R. et al. Arborização urbana na cidade de São José do Cerrito, SC: diagnóstico e proposta para áreas de maior trânsito. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 4, n. 4, p. 63-78, dez. 2009. Disponível em https://revistas.ufpr.br/revsbau/article/view/66449/38285. Acesso em 22 out. 2020.

PIOLLI, A. L.; CELESTINE, R. M.; MAGON, R. Teoria e prática em recuperação de áreas degradadas: plantando a semente de um mundo melhor. 2004. Disponível em: https://jbb.ibict.br/bitstream/1/559/1/2004_manual%20de%20recupera%c3%a7%c3%a3o%20de%20areas%20degr.pdf. Acesso em 01 ago. 2020.

PONTES, P. P; MARQUES, A. R; MARQUES, G. F. Efeito do uso e ocupação do solo na qualidade da água na microbacia do Córrego Banguelo-Contagem. Ambiente &Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 7, n. 3, p. 183-194, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/928/92824947003.pdf. Acesso em 20 ago. 2020.

POTT, C. M; ESTRELA, C. C. Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos avançados, v. 31, n. 89, p. 271-283, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142017000100271&script=sci_arttext. Acesso em 01 ago. 2020

PREVEDELLO, J. A.; VIEIRA, M. V. Does the type of matrix matter? A quantitative review of the evidence. Biodiversity and Conservation, v. 19, n. 5, p. 1205–1223. 2010. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s10531-009-9750-z. Acesso em 10 ago. 2020.

PRÓ-ARARA 6 ANOS: MAIS 13 ARARAS REABILITADAS FORAM SOLTAS NA CIDADE. Notícias de Araras, 2020. Disponível em: https://noticiasdeararas.com.br/2020/07/pro-arara-6-anos-mais-13-araras-reabilitadas-foram-soltas-na-cidade. Acesso em 10 de setembro de 2020.

RIBEIRO, F. A. B. S. Arborização urbana em Uberlândia: percepção da população. Revista da Católica, v. 1, n. 1, p. 224-237, 2009.

RODRIGUES, C. A. G. et al. Arborização Urbana e Produção de Mudas de Essências Florestais Nativas em Corumbá, MS. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2002. 26 p. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/810730/1/DOC42.pdf. Acesso em 30 jul. 2020.

RODRIGUES, M. O Antropoceno em disputa. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 69, n. 1, p. 19-22, Mar. 2017. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252017000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 31 ago. 2020.

SAMPAIO, A. C. F. et al. Espécies exóticas invasoras na arborização de vias públicas de três bairros de Campo Mourão-PR. Campo Digital, v. 6, n. 1, 2011. Disponível em: http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/campodigital/article/view/1017. Acesso em 20 de ago. 2020.

SANTANA, J. R. F.; SANTOS, G. M. M. Arborização do campus da UEFS: exemplos a ser seguido ou um grande equívoco? Sitientibus, Feira de Santana, n. 20, p. 103 - 107, jan/jun. 1999. Disponível em: http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/20/arborizacao_do_campus_da_uefs.pdf. Acesso em 4 nov. 2020.

SÃO PAULO. Lei estadual 10.780 de 9 de março de 2001. Dispõe sobre a reposição florestal no Estado de São Paulo e dá outras providências. São Paulo: Palácio dos Bandeirantes, 9 de março de 2001. Disponível em. Acesso em 31 ago. 2020.

SARAIVA, G. F. R. Influência do uso de telas de sombreamento coloridas (azul, vermelha e preta) na fisiologia da produção de mudas de Guanandi (Calophyllum brasiliensis). 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2013. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/92106/000737387.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 29 out. 2020.

SARCINELLI, O; MARQUES, J. F; ROMEIRO, A. Custos e benefícios da adoção de práticas e medidas para conservação do solo agrícola: um estudo de caso na microbacia hidrográfica do córrego Oriçanguinha. Informações Econômicas, São Paulo, v.39, n.4, 2009. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/publicacoes/IE/2009/tec1-0409.pdf. Acesso em 01 ago. 2020

SCHLICKMANN, H; SCHAUMAN, S. A. Pecuária, desmatamento e desastres ambientais na Amazônia. Revista Ciências do Ambiente on-line, v. 3, n. 2, 2007.

SENAR. Preparo do Solo. Programa Olericultura Orgânica, p. 25-27. São Paulo, 2012.

SILVA, A. P. M. et al. Diagnóstico da produção de mudas florestais nativas no Brasil. Brasília: IPEA, 2015. 58 p. (Série Texto Técnico). Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7515/1/RP_Diagn%c3%b3stico_2015.pdf. Acesso em 29 out. 2020.

SILVA, C. M; ARBILLA, G. Antropoceno: Os desafios de um Novo Mundo. Revista Virtual de Química, Niterói, v.10, n. 6, 2018. Disponível em: http://static.sites.sbq.org.br/rvq.sbq.org.br/pdf/v10n6a02.pdf. Acesso em 13 ago 2020.

SILVA FILHO, D. F et al. Banco de dados relacional para cadastro, avaliação e manejo da arborização em vias públicas. Revista Árvore, v. 26, n. 5, p. 629-642, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-67622002000500014&script=sci_arttext. Acesso em 31 ago. 2020.

SILVA, J. C. B. et al. Dispersão por aves de Psidium guajava L. (Myrtaceae) em ambiente ripário na bacia do rio Paraná, Brasil. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 41, n. 2, p. 195-204, 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/14063/13915>. Acesso em: 10 set. 2020.

SILVA, P. S. S. N. et al. Implantação de sistema agroflorestal no distrito de Itaguá, município de Campos Sales, Ceará. I Conidis – Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido, Campina Grande - Pb, v. 1, n. 1, nov. 2016. Anual. Disponível em: https://docplayer.com.br/58695672-Implantacao-de-sistema-agroflorestal-no-distrito-de-itagua-municipio-de-campos-sales-ceara.html. Acesso em 20 ago. 2020.

SILVA, R. S.; MAGALHÃES, H. Ecotécnicas urbanas. Ciência & Ambiente, n. 7, p. 33 -42. 1993.

SILVA, S. L.; MORAES, M. V. A. R. Percepção Ambiental e Arborização Urbana em Teresina, Piauí. Piauí: Revista Equador (UFPI), v. 5, n. 3 (Edição Especial 02), p. 320 – 339.

SIQUEIRA, J.O. et al. Aspectos de solos, nutrição vegetal e microbiologia na implantação de matas ciliares. Belo Horizonte: CEMIG, 1995. 28p.

SOUZA, C. M. Reposição florestal: estudo de caso no Estado de São Paulo. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2010. Disponível em: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/bitstream/1235813/2951/1/CarolinaMoreira.pdf. Acesso em 4 nov. 2020.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/990374/1/ManualdeMtodosdeAnilisedeSolo.pdf. Acesso em 06 ago. 2020.

TILMAN, D.; ISBELL, F.; COWLES, J. M. Biodiversity and Ecosystem Functioning. Annual Review of Ecology, Evolution, and Systematics, v. 45, p. 471–493. 2014. Disponível em:https://www.annualreviews.org/doi/10.1146/annurev-ecolsys-120213-091917. Acesso em 01 ago. 2020.

VIOLA, E.; BASSO, L. O SISTEMA INTERNACIONAL NO ANTROPOCENO. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.31 n.92. São Paulo, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-047

Refbacks

  • There are currently no refbacks.