Prevalência e fatores associados à realização da mamografia no Estado de Pernambuco durante o período de 2015-2019/ Prevalence and factors associated with the performance of mammography in the State of Pernambuco during the period 2015-2019

Thyeli Ellen dos Santos Moreno, Luisa Victória Peres Torres, Stephanny Beatriz Filomeno, Pedro Augusto Figueirôa Sobreira Filho, Maria Beatriz Falcão Pinto, Juliana de Alencar Ramos, Thais Thé Alves Carneiro, Gabriela Maria Florêncio Pereira, Mariana Luiza de Oliveira Santos, Gesylane Pereira Melo de Albuquerque

Abstract


Introdução: O câncer de mama é o tipo mais prevalente em mulheres, trata-se de um crescimento desordenado e progressivo de células da mama disfuncionais. O diagnóstico precoce corresponde ainda a maior possibilidade de cura, sendo o exame da mamografia o padrão ouro para o mesmo. Objetivo: Analisar a prevalência e os fatores associados à realização da mamografia no Estado de Pernambuco durante o período de 2015 a 2019.Metodologia: Estudo do tipo descritivo, retrospectivo, epidemiológico, transversal, realizado no Estado de Pernambuco, com os dados do SISCAN referentes à realização da mamografia, no período de 2015 a 2019.Resultados:Identificou-se a prevalência da faixa etária dos 50 aos 54 anos (23,43%) e do sexo feminino (99,76%). A mamografia prévia foi encontrada em 59,39% dos casos, além disso, a maior porcentagem quanto à finalidade da mamografia foi para rastreamento (98,40%). Referente à classificação BIRADS, a maioria das mamografias obteve como resultado do exame achados dentro dos padrões da normalidade (51,21%). Conclusão: Diante da contextualização, observam-se inúmeros avanços das políticas públicas relacionados ao câncer de mama e realização da mamografia no Estado de Pernambuco.

Keywords


Câncer de mama, Epidemiologia, Mamografia, Saúde.

References


ALBUQUERQUE, Geyslane Pereira Melo de et al; Vivência prática profissional de acadêmicos de enfermagem na ginecologia de um hospital escola: Um relato de experiência. In: SOARES, S (Org.). Gestão de Serviços de Enfermagem. Ponte Grossa: Atena, 2021. p. 155-161.

ALBUQUERQUE, Geyslane Pereira Melo de et al. O uso da ferramenta virtual no ensino da enfermagem em tempos de COVID-19: um relato de experiência. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.4, p. 39956-39962, 2021.

ALBUQUERQUE, Maria do Socorro Veloso de et al. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde em Debate, v. 38, p. 182-194, 2014.

ALVES, C. S.; GOMES, M. M. F. Disponibilidade de mamógrafos no Brasil: desempenho na produção de exames de mamografia de rastreamento. In: XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica-CBEB. 2014.

AMARAL, Pedro et al. Distribuição espacial de equipamentos de mamografia no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (RBEUR), v. 19, n. 2, p. 326-341, 2017.

AZEVEDO, Rosana Laira; GERÓTICA, Rose Meire Galante; SANCHES, Thalita Pinheiro. A Importância da Mamografia no Diagnóstico Precoce do Câncer de Mama. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 30, p. 251, 2016.

AZEVEDO, Rosana Laira; GERÓTICA, Rose Meire Galante; SANCHES, Thalita Pinheiro. A Importância da Mamografia no Diagnóstico Precoce do Câncer de Mama. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 30, p. 251, 2016.

CALDAS, Flávio Augusto Ataliba et al. Controle de qualidade e artefatos em mamografia. Radiologia Brasileira, v. 38, n. 4, p. 295-300, 2005.

GODINHO, Eduardo Rodrigues; KOCH, Hilton Augusto. O perfil da mulher que se submete a mamografia em Goiânia: uma contribuição a" Bases para um programa de detecção precoce do câncer de mama". Radiologia brasileira, v. 35, n. 3, p. 139-145, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DO C NCER (INCA/MS) PRÓ-ONCO. Fatores de risco para o câncer de mama, 2019. Disponível em: Acesso em: 01 de Abril de 2021. MINISTÉRIO DA SAÚDE.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCER (INCA/MS) PRÓ-ONCO. Situação do câncer de mama no Brasil, 2019. Disponível em: Acesso em: 09 de Dezembro de 2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCER (INCA/MS) PRÓ-ONCO. Tipos de câncer de mama 2020. Disponível em: Acesso em: 09 de Dezembro de 2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE.

Ministério da Saúde, SVS. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, VIGITEL 2009. Brasília: DF; 2010.

NASCIMENTO, José Hermes Ribas do; SILVA, Vinícius Duval da; MACIEL, Antônio Carlos. Acurácia dos achados mamográficos do câncer de mama: correlação da classificação BI-RADS e achados histológicos. Radiologia Brasileira, v. 43, n. 2, p. 91-96, 2010.

PRATES, marcos. As capitais com maior proporção de mulheres. Exame, 20011. Disponível em: acesso em: 03 de abril de 2021.

RAMOS, Antônio Carlos Vieira et al. Estratégia Saúde da Família, saúde suplementar e desigualdade no acesso à mamografia no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 42, p. e166, 2018.

SILVA, Flávio Xavier et al. Mamografia em mulheres assintomáticas na faixa etária de 40 a 49 anos. Revista de Saúde Pública, v. 48, p. 931-939, 2014.

SILVA, Henrique Peres Caixeta. Você é o que você come?:um estudo sobre o perfil de sobrepeso e obesidade no Brasil e os determinantes do IMC. 2011.

SILVA, Ranielle de Paula et al. Fatores associados à realização de mamografia em usuárias da atenção primária à saúde em Vitória, Espírito Santo. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 28, p. e2018048, 2019.

THULER, Luiz Claudio et al. Considerações sobre a prevenção do câncer de mama feminino. Revbrascancerol, v. 49, n. 4, p. 227-38, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-044

Refbacks

  • There are currently no refbacks.