Análise da ingestão de macronutrientes e de energia por mulheres teleatendidas em consulta nutricional clínica-escola de Belo Horizonte – MG, durante o período de isolamento social relacionado à pandemia de COVID19, no ano de 2020. / Analysis of macronutrient and energy intakes by women on vídeo calls consultation in a clinic-school located in Belo Horizonte - MG, Brazil, during COVID 19, in 2020.

Cláudio Jackson Guerra de Caux Magessi Cotta, Cynthia Rocha Martins, Elimar Thaís Oliveira dos Santos, Francine Mathias Franklin, Lincoln Eugênio Tocafundo, Matheus Augusto Freitas, Natália Ferreira Lima, Sthefania Navarro Amorim

Abstract


Introdução: Os hábitos alimentares são normalmente caracterizados por fatores fisiológicos, cognitivos, psicológicos, comportamentais, sociais e culturais (APFELDORFER e ZERMATI, 2001). Durante os primeiros meses da pandemia no Brasil, é provável que tenha ocorrido significativa mudança na alimentação da população, em decorrência da nova rotina do isolamento social, acentuando as mudanças relevantes observadas nas últimas décadas em decorrência da redução do consumo de alimentos in natura e do aumento do consumo de processados e ultraprocessados. Estes hábitos, sabidamente, contribuem para baixa oferta de nutrientes e ingestão excessiva de calorias (FREIRE et al., 2018; SANTOS et al., 2019). Objetivo: o presente trabalho teve o objetivo de avaliar o consumo de macronutrientes e de energia em mulheres adultas em situação de isolamento social acompanhados em teleconsultas nutricionais em uma clínica-escola, localizada em Belo Horizonte – MG, no período dos meses de março e abril de 2020. Método: O presente estudo, de caráter qualitativo e exploratório, foi realizado com mulheres adultas, submetidas a teleatendimento nutricional durante o período de isolamento social não obrigatório recomendado como medida de prevenção a proliferação a pandemia de COVID-19, na Clínica Integrada de Atenção à Saúde do Centro Universitário Una, localizada em Belo Horizonte - MG. Resultados: Os resultados obtidos após análise evidenciam o consumo de 1655,64±547,33kcal/dia, sendo dividido pela quantidade energética dos macronutrientes carboidrato, proteína e lipídio. O consumo de carboidrato registrado pelo recordatório foi de 702,42±454,51kcal correspondendo a 42,43% do valor energético diário. Das proteínas foi de 464,07±815,25kcal sendo 28,02% do valor energético diário e nos lipídios o consumo foi de 404,08±274,82 kcal, correspondendo há 24,41% do valor energético diário. Conclusão: O registro alimentar da amostra possui incoerências, levantando a conclusão de que o resultado do IMC indica a alta ingestão de Kcal diárias. Este aumento se dá por vários fatores, um deles seria a maior ingestão de alimentos processados e ultra processados que é ofertado pela indústria, a praticidade envolvida na obtenção dos mesmos, levando em consideração, juntamente, o cenário de isolamento social gerado pela Covid-19 que aumenta a busca por fast foods e afins.


Keywords


Hábitos alimentares, Nutrientes, COVID-19, Consumo de energia, Comportamento alimentar em mulheres, Pandemia

References


ARAUJO, Marina Campos et al. Consumo de macronutrientes e ingestão inadequada de micronutrientes em adultos. Revista de Saúde Pública, v. 47, p. 177s-189s, 2013.

BEZERRA, B. L.; Vasconcelos, M. L. S.; Correia, O. S. L.; Ferreira, C. R.; Ciência Saúde Coletiva. Vol.21 p.2. Rio de Janeiro Feb.216.

BIELEMANN, Renata M. et al. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Revista de Saúde Pública, v. 49, p. 28, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde. 2019. 132p.

CARVALH. et al. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES NUTRICIONAIS E CONSUMO DE ENERGIA EM HUMANOS. Rev. Simbio-Logias, V.5, n.7, dez/2012.

CEMBRANEL, Francieli et al. Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: um estudo de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00136616, 2017.

COSTA, V. G. A. e cols. Questionário de frequência de consumo alimentar e recordatório de 24 horas: aspectos metodológicos para avaliação da ingestão de lipídeos. Ver. Nutr. Vol.19 no.5. Campinas Sept./Oct.2006.

CRISPIM, Sandra Patrícia et al. Validade relativa de um questionário de freqüência alimentar para utilização em adultos. Revista de Nutrição, v. 22, n. 1, p. 81-95, 2009.

DE MAMAN OLDRA, Caroline et al. Ingestão de macronutrientes e colesterol por pacientes atendidos em uma clínica-escola de nutrição. Biosaúde, v. 18, n. 2, p. 64-74, 2016.

DE OLIVEIRA NUNES, Ludmila et al. Atendimento nutricional ambulatorial: Avaliação antropométrica e do consumo alimentar de universitários. Revista Conexão UEPG, v. 14, n. 3, p. 367-373, 2018.

DIENER, J.R.C. Calorimetria indireta. Rev Ass Med Brasil 1997; 43(3): 245-253.

ESTEVES, Elizabethe Adriana; RODRIGUES, Chrystiellen Ayana Aparecida; PAULINO, Érika Júnia. Ingestão dietética de cálcio e adiposidade em mulheres adultas. Revista de Nutrição, v. 23, n. 4, p. 543-552, 2010.

FERREIRA, Arthur Pate de Souza; SZWARCWALD, Célia Landmann; DAMACENA, Giseli Nogueira. Prevalência e fatores associados da obesidade na população brasileira: estudo com dados aferidos da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 22, e190024, 2019.

GAUCHE, Heide; CALVO, Maria Cristina Marino; ASSIS, Maria Alice Altenburg de. Ritmos circadianos de consumo alimentar nos lanches e refeições de adultos: aplicação do semanário alimentar. Rev. Nutr. , Campinas , v. 19, n. 2, p. 177-185, Apr. 2006.

GONÇALVES, T. T. J. e cols. Sobrepeso e obesidade e fatores associados ao climatério. Ciência & Saúde Coletiva, 21(4):1145-1155, 2016.

HOLANDA, B. L.; FILHO, B. A. A. Métodos aplicados em inquéritos alimentares. Revista Paulista de Pediatria, vol. 24, núm. 1, março, 2006, pp. 62-70. Sociedade de Pediatria de São Paulo São Paulo, Brasil.

IOM (INSTITUTE OF MEDICINE). Dietary Reference Intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids (macronutrients). Washington:National Academies Press;2005. 1331p.

IOM (INSTITUTE OF MEDICINE). Dietary reference intakes: applications in dietary planning. Washington, DC: National Academies Press, 2002.

LOUZADA, C. L. M. e cols. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Rev. Saúde Pública, 49:38. São Paulo. 2015.

LOUZADA, Maria Laura da Costa et al. Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 49, p.38-49, 2015.

MARTINS, Ana Paula Bortoletto et al. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Revista de Saúde Pública, v. 47, p. 656-665, 2013.

MARTINS, Paula de Fátima Almeida. Alimentos ultraprocessados: uma questão de saúde pública. Comunicação em Ciências da Saúde, v. 29, n. Suppl 1, p. 14-17, 2018.

MONDINI, Lenise et al. Consumo de frutas e hortaliças por adultos em Ribeirão Preto, SP. Revista de Saúde Pública, v. 44, n. 4, p. 686-694, 2010.

MONTEIRO, Luana Silva et al . Food Consumption According to the Days of the Week – National Food Survey, 2008-2009. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 51, 93, 2017

MOREIRA, A. P. B, Alfenas R C G, Ana L F R S, Priore S E, Franceschini S C C. Evolução e interpretação das recomendações nutricionais para os macronutrientes. Rev Bras Nutr Clin 2012; 27 (1): 51-9

NUNES, R. Raquel. e cols. Confiabilidade da classificação do estado nutricional obtida através do IMC e três diferentes métodos de percentual de gordura corporal em pacientes com diabetes melito tipo 1. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol.1. p.53. Nov.2008. Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, F. K. I. e cols. Consumo de alimentos ultraprocessados e obesidade abdominal em adolescentes universitários. Revista Eletrônica Acervo Saúde. Vol.11. p.1-8. Piauí. 2019.

PETRIBÚ, Marina de Moraes Vasconcelos; CABRAL, Poliana Coelho; ARRUDA, Ilma Kruze Grande de. Estado nutricional, consumo alimentar e risco cardiovascular: um estudo em universitários. Revista de Nutrição, v. 22, n. 6, p. 837-846, 2009.

PHILIPPI, Sonia Tucunduva et al. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Revista de nutrição, v. 12, n. 1, p. 65-80, 1999.

PREVIL A N, GOULART R M M, AQUINO R C. Balanço de macronutrientes na dieta de idosos brasileiros: análise da pesquisa nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Bras Epidemiol JAN-MAR 2017; 20(1): 70-80

RICARDO, Camila Zancheta; CLARO, Rafael Moreira. Custo da alimentação e densidade energética da dieta no Brasil, 2008-2009. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 28, n. 12, p. 2349-2361, Dec. 2012 . Available from

SARTORELLI, D.S., FLROINDO, A.A., CARDOSO, M.A. Necessidade de energia e avaliação do gasto energético. Capítulo 4 p. 56-77. In: CARDOSO, M. A. Nutrição Humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 345p.

SOUZA, Danielle Ribeiro de et al . Fontes alimentares de macronutrientes em amostra probabilística de adultos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 20, n. 5, p. 1595-1606, May 2015 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000501595&lng=en&nrm=iso

VALENTE, Ana & Bicho, Manuel & Duarte, Rui & Raposo, Joao & Costa, Helena. Avaliação da ingestão de micronutrientes em diabéticos tipo 2. Observações Boletim Epidemiológico. (2013).

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Global strategy on diet, physical activity and health. 2004. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream//1handle0665/43035/9241592222_eng.pdf.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-027

Refbacks

  • There are currently no refbacks.