Composição do fitoplâncton em reservatório de abastecimento no semiárido nordestino/ Phytoplankton composition in a supply reservoir in the northeastern semiarid region

Rosimara de Sales Vieira, Elizângela Maria Ferreira Ricarte, Natália Marco de Oliveira, Joice Layanne Guimarães Rodrigues, Elaine Cristina Conceição de Oliveira, Maria Irismã Libório Góes, Tâmara de Almeida e Silva, Sírleis Rodrigues Lacerda

Abstract


A comunidade fitoplanctônica merece destaque entre os organismos aquáticos, porque expressam um melhor comportamento e responde prontamente às alterações dos corpos de água. O estudo objetivou caracterizar a composição e estrutura da comunidade fitoplanctônica no reservatório Canoas, Município de Assaré/CE, em diferentes períodos (seco e chuvoso). As amostras foram coletadas mensalmente (outubro/2016 a maio/2017) em três pontos amostrais (P1, P2 e P3). Considerando a análise da composição, realizou-se arrastos horizontais com rede de plâncton (20µm) na subsuperfície da água, sendo fixadas com formol neutro a 4%, analisadas utilizando-se microscópio óptico Trinocular (QUIMIS) - Motic, Modelo: Q711T – BA310. Foi determinada a frequência de ocorrência dos organismos. A flora planctônica esteve representada por 30 táxons, distribuídos em seis classes taxonômicas, Cyanophyceae (13), Chlorophyceae (11), Zygnemaphyceae (1) Bacillariophyceae (3), Euglenophyceae (1), Mediophyceae (1). Uma maior riqueza na composição florística foi constatada, conforme registrado para outros reservatórios tropicais, com maior contribuição de Cyanophyceae e Chlorophyceae. Considerando a frequência, foram encontrados 12 táxons (40%) muito frequentes, 6,6% frequentes, 23,3% pouco frequente e 30% esporádicos. A comunidade fitoplanctônica revelou uma baixa diversidade específica onde as maiores contribuições foram de espécies de Cyanobacteria, com isso, esses resultados alertam para possíveis riscos à saúde pública, visto que esse reservatório é utilizado para o abastecimento público, com isso torna-se relevante a necessidade de monitoramento constante para prevenir e minimizar possíveis transtornos que possam ocorrer pela presença da grande concentração desses organismos na água.


Keywords


Fitoplâncton, composição florística, Cyanophyceae.

References


Agostinho, A. A., Gomes, L.C; Pelicice, F.M. 2017. Ecologia e Manejo de Recursos Pesqueiros em Reservatórios do Brasil. Maringá, Eduem.501 p.

An, S.S., Friedel, T.; Hegewald, E. 1999. Phylogenetic relationships of Scenedesmus and Scenedesmus-like coccoid green algae as inferred from ITS-2 rDNA sequence comparisons. Plantbiology, v. 1, p. 418-428.

Aragão-Tavares, N. K. C.; Moura, A. N.; Bittencourt-Oliveira, M. C.2013. PlanktonicCyanobacteria forming blooms in reservoirs of north e as tern Brazil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.8, n.4, p.662-668.

Aragão-Tavares, N.K.C.; Severiano, J.S.; Moura,A.N.2015.Phytoplankton composition of the Itaparica and Xingó reservoirs, São Francisco River, Brazil. Brazilian Journal of Biology, v. 75, n. 3, p. 616-627.

Azevedo, M.T.P., Nogueira, N.M.C.; Sant’anna, C.L.1996. Criptógamos do ParqueEstadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Algas, 8: Cyanophyceae. Hoehnea, v. 23, p.1-38.

Azevedo, M.T.P.;Sant’anna, L.1999.Coelosphaeriumevidenter-marginatum, a newplanktonicspeciesofCyanophyceae/Cyanobacteriafrom São Paulo State, South eastern Brazil. AlgologicalStudies, v.94, p.35-43.

Barbosa, J. E. L.; Brasil, J.; Montenegro, A. K. A.; Franca, J. C.; Oliveira, F. M. F. 2010. Variação interanual do fitoplâncton e variáveis limnológicas em um açude raso, típico do semiárido brasileiro (Açude Taperoá II, Paraíba). IN: Moura, A. N.; Araújo, E. L.; Bittencourt-Oliveira, M. C.; Pimentel, R. M. M.; Albuquerque, U. P. Reservatórios do Brasil: Biodiversidade, Ecologia e Manejo. Bauru-SP: Nupeea, 576 p, 2010.

Bicudo , C. E. M.; Menezes, M.2006. Gêneros de Algas de Águas Continentais do Brasil (chave para identificação e descrições). 2. ed. São Carlos: RiMa, 502 p.

Bittencourt-Oliveira, M. C. ;Molica, R.2003. Cianobactéria Invasora: aspectos moleculares e toxicológicos de Cylindrospermopsis raciborskii no Brasil. Revista Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento,Edição nº 30, p.82-90.

Bittencourt-Oliveira, M. C.; Dias, S. N.; Moura, A. N.; Cordeiro-Araújo, M. K.; Dantas, E. W. 2012. Seasonal dynamics of cyanobacteria in a eutrophic reservoir (Arcoverde) in a semi- aridregionofBrazil. BrazilianJournalBiology, v. 72, n. 3, p. 533-544.

Bozelli R.L.; Huszar V.L.M.2003. Comunidades Fito e Zooplanctônicas Continentais em Tempo de Avaliação. Limnotemas 3. Sociedade Brasileira de Limnologia.

Bressane, L. W.;Santos, R. M.; Mendes, R. B.2013. Análise da comunidade fitoplanctônica na represa de furnas em barranco alto – MG. IX Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 9, n. 2, p. 51-68.

Buch, B.; Bittencourt-Oliveira, M. C. 2010. Caracterização genética de linhagens de Cylindrospermopsis raciborskii (Woloszynska) Seenayya e Subba Raju de corpos d’água do nordeste e sudeste do Brasil. IN: Moura, A. N.; Araújo, E. L.; Bittencourt-Oliveira, M. C.; Pimentel, R. M. M.; Albuquerque, U. P.

Buchheim, M., Buchheim, J., Carlston, T., Braband, A., Hepperle, D.,Krienitz, L. Hegewald, E.; Wolf, M.2005. Phylogeny of the Hydrodictyaceae (Chlorophyceae): Inferences From rDNA Data. Journal of Phycology, v.41, p.1039-1054.

Calijuri, M. do C.; Alves, M. S. A. A.; Santos, A.C. A. dos. 2006. Cianobactérias e Cianobactérias em Águas Continentais. São Carlos: RiMa, 118 p.

Cardoso, A. S.; Marwell, D. T. B.; Sobral, M. C. M.; Melo, G. L.; Casé, M. C. C. 2017. Análise da presença do fitoplâncton em bacia integrante do Projeto de Integração do Rio São Francisco, região semiárida, Nordeste brasileiro. Engenharia Sanitária Ambiental, v.22 n.2, p. 261-26.

COGERH 2018. Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos- Portal hidrológico. Disponível em Acesso em: Novembro. 2018.

Comas, A. Las Chlorococcales dulciacuícolas de Cuba.1996. Bibliotheca Phycologica 99, Cramer,192p.

Cordeiro- Araújo, M. K. ; Cavalcante- Silva, E. ; Santos, V. P.; Dias, S. N.; Bittencourt- Oliveira,M. C.; Severi, W. ; Moura, A. N.2010. Diversidade Fitoplanctônica de Lagoas Marginais no Reservatório de Sobradinho- Bahia. In: Moura,A. N.; Araújo, E. L.; Bittencourt- Oliveira, M. C.; Pimentel, R. M. M.; Albuquerque, U. P. Reservatórios do Nordeste do Brasil: Biodiversidade, Ecologia e Manejo. Bauru, SP: Nupeea, 576 p,2010.

Cordeiro- Araújo, M. K. ; Fuentes, E.V.; Aragão, N.K. V.; Bittencourt- Oliveira, M.C.; Moura, A. N.2010a. Dinâmica fitoplanctônica relacionada às condições ambientais em reservatório de abastecimento público do semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 5, n.4, p. 592-599.

Cordeiro- Araújo, M. K. ;Ogava, L. E. ; Moura, A. N.; Piccin- Santos,V.; Bittencourt- oliveira, M. C.2010b. Cianobactérias planctônicas de Reservatórios do Oeste Paulista, Brasil: condições naturais versus controladas. Revista Brasileira Engenharia de Pesca, v. 5, n.3, p. 74-88.

Costa, I. A. S.; Cunha, S. R. S.; Panosso, R. F.; Araújo, M. F. F.; Melo J. L. S.; EskinaziSant’anna,E. M.2009. Dinâmica de cianobactérias em reservatórios eutróficos do semi-árido do Rio Grande do Norte. OecologiaBrasiliensis, v.13, n.2, p.382-401.

Dantas , E. W.; Moura, A. N.; Bittencourt-Oliveira,M.C. 2011.Cyanobacterial blooms in stratified and destratified eutrophic reservoirs in semi-arid region of Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 83, n. 4, p. 1327-1338.

Esteves, F. A. 1998. Fundamentos de limnologia, 2ª ed. Rio de Janeiro, Interciência FINESP, p. 602.

Esteves, F. A.2011. Fundamentos de Limnologia. 3a ed. Rio de Janeiro: Interciência.

Ferragut, C, Lopes, M. R. M., Bicudo, D.C., Bicudo, C. E. M.; Vercellino, I. S. 2005. Ficoflorulaperifitica e planctônica (exceto Bacillariophyceae) de um reservatório oligotrófico raso (Lago do IAG, São Paulo). Hoehnea, v. 32, p.137-184.

Franceschini, I. M.; Burliga, A. L.; Reviers, B.; Prado, J. F. Rézig, S. H.2010. Algas: uma abordagem filogenética, taxonômica e ecológica. Artmed Editora, 332 p.

FUNCEME 2018. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Disponível em. Acesso em outubro de 2018.

Godinho, L. R. 2009. Família Scenedesmaceae no Estado de São Paulo: Levantamento florístico. Tese de Doutorado, Instituto de Botânica, São Paulo.

Godinho, L. R., Comas, A. A.; Bicudo, C. E. M.2010. Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Algas, 30: Chlorophyceae (família Scenedesmaceae). Hoehnea,v. 37, n.3, p. 513-553.

Hegewald , E.1997. Taxonomy and phylogeny of Scenedesmus. Algae (Korean) Journal of Phycology, v.12, p.235–246.

Hegewald, E.; Hanagata, N. 2000. PhylogeneticstudiesonScenedesmaceae(Chlorophyta).AlgologicalStudies, v.100, p. 29– 49.

Hegewald, E.; Wolf, M. 2003. Phylogenetic relationships of Scenedesmus and Acutodesmus (Chlorophyta, Chlorophyceae) as inferred from 18S rDNA and ITS-2 sequence comparisons. Plant Systematics and Evolution, v. 241, p. 185–191.

Hegewald, E.2000. New combinations in the genus Desmodesmus (Chorophyceae, Scenedesmaceae). Algological Studies,v.96, p.1-18.

Henry, R.; Nunes, M. A.; Mitsuka, P. M.; Lima,N.de E. ; Casanova, S. M. C.1998. Variação espacial e temporal da produtividade primária pelo fitoplâncton na represa de Jurumirim (Rio Paranapanema, SP). Rev. Brasil. Biol., v. 58, p. 4, p. 571-590.

Hoffmann, L., Komarék, J. ;Kastovsky, J. 2005.System of cyanoprokaryotes (cyanobacteria) state in.Algalogical Studies, v.117, p.95-115.

Hüber-Pestalozi, G. 1955. Das phytoplankton des Süsswassers: systematik und biologie: Euglenaceen. E. Schweizerbart'sche Verlagsbuchhandlung, v.16, n.4, 605 p.

Huszar,V. L. M., Silva, L. H. S., Marinho, M., Domingos, P.; Sant’Anna, C.L. 2000. Cyanoprokaryote assemblages in eight productive tropical Brazilian waters. Hydrobiologia,v. 424, p. 67-77.

IBGE 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: http://atlas.srh.ce.gov.br/, acesso em: agosto de 2017.

Komárek, J. ; Azevedo, M. T. P.2000.Geitlerinema unigranulatum, a common tropical cyanoprokaryote from freshwater reservoirs in Brazil. Algological Studies v. 99, p.39–52.

Komárek, J.; Anagnostidis, K. 2005. Cyanoprokaryota2.Teil: Oscillatoriales. In Sübwasserflora von Mitteleuropa (B. Büdel G. Gärtner, L. Krientitz e M. Schagerleds.). Stuttgart: Gustav Fischer Verlag. v. 19/ 2.759 p.

Komárek, J.e Anagnostidis, K. 1989. Modern approach to the classification system of Cyanophytes.4Nostocales. ArchivfürHydrobiologie, Algological Studies, v.56:, p. 247- 345.

Komárek,J.; Anagnostidis, K. 1998. Cyanoprokaryota1.Teil Chroococcales. In Süβwasserflora von Mitteleurop (H.Ettl, G.Gärtner, H.Heynig; D.Möllenhauereds.). Stuttgart: Gustav Fischer Verlag. v. 19/1, 548 p.

Komárkova- Legnerová, J.; Cronberg, G. 1994. Planktic blue- green algae from lakes in South Scania,Sweden. Part I. Chroococcales. Algological Studies, v. 72,p.13- 51.

Krienitz, L., Hegewald, E., Hepperle, D.; Wolf, M.2003. The systematics of coccoid green algae: 18S rRNA gene sequence data versus morphology. Biologia, v.58, p. 437–446.

Krienitz, L.; Bock , C.2012. Present state of the systematics of planktonic coccoid green algae of inland waters. Hydrobiologia.

Lima, V. H. M. 2017. Cianobactérias em reservatórios do estado de Pernambuco: Ocorrência e toxicidade. Revista Holos, v. 33, n. 4, p. 111-124.

Lira, G. A. S. T.; Araújo, E. L.; Bittencourt- Oliveira, M. C., Moura, A. N. 2011. Phytoplankton abundance, dominance and coexistence in an eutrophic reservoir in the state of Pernambuco, Northeast Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 83, n. 4, p.1313-1326.

Lira, G. A. S. T.; Moura, A. N.; Bittencourt- Oliveira, M. C.; Araújo, E. L.2010. Comunidade fitoplanctônica e aspectos ecológicos de dois reservatórios eutróficos do Nordeste do Brasil. In: Moura, A. N.; Araújo, E. L.; Bittencourt- Oliveira,M. C.; Pimentel, R. M. M.; Albuquerque, U. P. Reservatórios do Nordeste do Brasil: Biodiversidade, Ecologia e Manejo. Recife- PE: Nupeea, 2010.

Lopes, I.K.C.; Capelo Neto, J. ; Abreu, A.Z. 2013. Determinação de toxicidade de cianobactérias da comunidade fitoplanctônica do Açude Sítios Novos, Caucaia- Ce. Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos- Água, Desenvolvimento econômico e socioambiental, Bento Gonçalves/RS.

Mateucci, S. D. ; Colma, A.1982. La metodologia para el Estudo de La Vegetacion. Collection de Monografias Científicas, [s. 1.]., n. 22, p. 168.

Melo, G.; Morais, M.; Sobral, M. do C.; Gunkel, G.; Carvalho, R.2012. Influência de Variáveis Ambientais na Comunidade Fitoplanctônica nos Reservatórios Receptores do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Revista Brasileira de Geografia Física.

Molisani, M. M.; Barroso, H. S.; Becker, H.; Moreira, M. O. P.; Hijo, C. A. G.; Monte, T. M.;.Vasconcellos, G. H. Trophic state, phytoplankton assemblages and limnological diagnosis of the Castanhão Reservoir, CE, Brazil. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 22, n. 1, p. 1-12,2010.

Moura, A. N.; Bittencourt- Oliveira, M. C.; Mendonça, D. F. P. Oliveira, H. S. B.; Dantas, E.W. ; Pimentel, R. M. M. 2007. Microalgas e Qualidade da Água de Manancial Utilizado Para Abastecimento Público Localizado na Região Metropolitana da cidade de Recife, PE, Brasil. Revista de Geografia, v. 24, n. 2.

Moura, A. N.; Nascimento, E. C.; Dantas, E. W. 2012. Temporal and spatial dynamics of phytoplankton near farm fish in eutrophic reservoir in Pernambuco, Brazil. RevistaBiologia Tropical, v. 60, n. 2, p. 581-597.

Newell, G.E.; Newell, R.C. 1968. Marini and Plankton: a pratical guide. London: Hutchuson Educational. 221 p.

Nogueira, I. S.; Gama Júnior, W. A.; D’Alessandro, E.B. 2011. Cianobactérias planctônicas de um lago artificial urbano na cidade de Goiânia, GO. Revista Brasileira de Botânica, v. 34, n. 4, p.5 75-592.

Oliveira, T. M. A; Rocha, O. B.; Peret, A. C. C. 2011. Structure of the phytoplankton community in the CachoeiraDourada reservoir (GO/MG), Brazil. Brazilian Journal Biololy, v.71, n. 3, p. 587-600.

Ramos, G. J. P., Bicudo, C. E. M., Góes Neto, A.; Moura, C. W. N. 2012. Monoraphidium and Ankistrodesmus (Chlorophyceae, Chlorophyta) from Pantanal dos Marimbus, Chapada Diamantina, Bahia State, Brazil. Hoehnea, v.39, n.3, p. 421-434.

Reservatórios do Brasil: Biodiversidade, Ecologia e Manejo. Bauru-SP: Nupeea, 576 p, 2010.

Rodrigues, L. L., Sant’Anna, C. L.; Tucci, A. 2010. Chlorophyceae das Represas Billings (Braço Taquacetuba) e Guarapiranga, SP, Brasil. Revista Brasileira Botânica, v.33, p. 247-264.

Rosini, E. F., Sant'Anna, C. L.; Tucci, A. 2012. Chlorococcales(excetoScenedesmaceae) de pesqueiros da Região Metropolitana de São Paulo, SP, Brasil: levantamento florístico. Hoehnea, v. 39, p.11-38.

Rosini, E. F., Sant'anna, C. L.; Tucci, A. 2013b. Cyanobacteria de pesqueiros da região metropolitana de São Paulo, Brasil. Rodriguésia, v. 64, n.2, p. 399-417.

Rosini, E. F., Sant'Anna, C.L.; Tucci, A. 2013a. Scenedesmaceae (Chlorococcales, Chlorophyceae) de pesqueiros da Região Metropolitana de São Paulo, SP, Brasil: levantamento florístico. Hoehnea, v. 40, n.4, p. 661-678.

Round, F. E. 1971. The taxonomy of the Chlorophyta II.British Phycological Journal, v.6,p . 235-264.

Round, F.E., Crawford, R.M. e Mann, D.G. 1990.The diatoms: biology and morphology of the genera. Cambridge: Cambridge University Press.

Sant’Anna, C. L. 1984. Chloroccales (chlorophyceae) do Estado de São Paulo, Brasil. Germany: STAUSS; CRAMER, 348 p.

Sant’Anna, C. L.; Azevedo, M. T. P.; Sormus, L. 1989. Fitoplâncton do Lago das Garças, Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil: Estudo Taxonômico e Aspectos Ecológicos. Hoehnea, v.16, p. 89-131.

Sant’Anna, C. L.; Azevedo, M. T.; Agujaro, L. F.; CarvalhO, M. do C.;Carvalho, L. R.; Souza, R. C. R.2006. Manual ilustrado para identificação e contagem de cianobactérias planctônicas de águas continentais brasileiras. Rio de Janeiro. Interciência: São Paulo. Sociedade Brasileira de Ficologia – SBFic, 58p.

Sant’Anna, C. L.; Gentil, R. C.; Silva, D. 2006. Comunidade Fitoplanctônica de Pesqueiros da Região Metropolitana de São Paulo. In: Esteves,K. E. ; Sant’Anna, C. L. Pesqueiros sob uma Visão Integrada de Meio Ambiente, Saúde Pública e Manejo. São Carlos: Rima, p.49-62.

Sant’Anna, C.L.; Azevedo, M.T.P.; Senna, P.A.C.; Komárek, J. ;Komárková, J. 2004. Planktic Cyanobacteria from São Paulo State, Brazil: Chroococcales.Revista Brasileira de Botânica, v. 27, n.2, p. 213-227.

SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS2017. Atlas Eletrônico dos Recursos Hídricos do Ceará (Açude Canoas, Assaré) .Disponível em:.Acesso em: agosto de 2017.

Silva, K. P. B. da; Costa, M. M. da S.; Guedes, E.A. C. 2011. Variação temporal do fitoplâncton de um lago pertencente à Área de Proteção Permanente no estado de Alagoas, nordeste do Brasil. Acta BotanicaBrasilica ,v. 25, n. 4, p. 890- 898.

Tell, G.; Conforti, V. 1986. Euglenophyta pigmentadasdelaArgentina. BibliothecaPhycologica, 75.301p.

Tonetta, D. ;Petrucio, M. M.; . Laudares-Silva, R. 2013. Temporal variation in phytoplankton community in a freshwater coastal lake of southern Brazil. Acta LimnologicaBrasiliensia, v. 25, n. 1, p. 99-110.

Tucci, A.; Sant’Anna, C.L.; Gentil, R.C.; Azevedo, M.T.P. 2006. Fitoplâncton do Lago das Garças, São Paulo, Brasil: um reservatório urbano eutrófico. Hoehnea, v.33, p.147-175.

Tundisi, J. G. 2005. Água no Século XXI. Enfrentando a Escassez. São Carlos: RiMa, IEE, 2. Ed, 248 p.

Van-Den-Hoek, C., Mann, D.G.; Janhs, H.J.A.1995.AnIntroductiontoPhycology.UniversityofCambridgePress, Cambridge. 1995.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.