Método de análise da suscetibilidade a movimentos de massa aplicado a obras viárias / Method for analysis of the susceptibility to mass movements applied to road works

Marianna Monteiro de Oliveira, Miryan Yumi Sakamoto, Rafael Augusto dos Reis Higashi, Orlando Martini de Oliveira, Amir Mattar Valente, Antonio Fortunato Marcon, Daniel Santana Lanza, Sandro Scarpelini Vieira, Soraia Cristina Ribas Fachini Schneider, Tairi Loreto Ikeda

Abstract


A execução de intervenções na malha rodoviária para sua ampliação ou para sua melhoria implicam interferências em diversos tipos de relevos, incluindo os ondulados e os montanhosos. Considerando a grande variedade de fatores físicos e antrópicos coexistentes ao longo dos traçados de interesse e ressaltando-se a ocorrência de eventos extremos de precipitações pluviométricas, a necessidade de se avaliar previamente a suscetibilidade a movimentos de massa nas encostas que margeiam as vias torna-se cada vez mais alta. A existência de estudos para identificação de áreas instáveis visa prevenir a ocorrência de transtornos aos usuários devido a interdições no tráfego, danos à infraestrutura e, até mesmo, a vítimas fatais. Na presente pesquisa, analisaram-se os deslizamentos translacionais rasos e rotacionais para um trecho da rodovia BR-280, localizado em Corupá e em São Bento do Sul, no norte de Santa Catarina. Para isso, foram levantados mapas da identificação do meio físico, bem como foram realizados ensaios de laboratório para a obtenção dos parâmetros de resistência dos solos. Com os dados obtidos, fez-se a interpretação dos deslizamentos translacionais e rotacionais, por meio dos modelos SHALSTAB e Bishop, respectivamente, os quais foram aplicados espacialmente em um Sistema de Informação Geográfica (SIG). Assim, adotou-se um padrão semafórico para a união dos resultados de deslizamentos translacionais e rotacionais, o qual indica, no mapa, as zonas de maior instabilidade, que requerem maior atenção, conduzindo à aplicação de medidas preventivas, como obras de contenção e de drenagem.


Keywords


Mapeamento Geotécnico, SHALSTAB, Bishop, Movimentos de Massa, Mapeamento de Áreas de Risco.

References


BRASIL. Departamento nacional de infraestrutura de transportes (DNIT). (2016). Monitoramento do plano nacional de manutenção rodoviária: plano de adaptação de rodovias federais a desastres naturais recorrentes. Florianópolis: UFSC; Brasília: DNIT. Termo de execução descentralizada n. 935/2014-00. (Relatório parcial, v. 2, 2R05).

Davison Dias, R. D. (1995). Proposta de metodologia de definição de carta geotécnica básica em regiões tropicais e subtropicais. Revista do Instituto Geológico, Vol. 16, p. 51-55.

Guimarães, R. F.; Fernandes, N. F.; Gomes, R. A. T. e Júnior, O. A. de C. (2003). Fundamentação Teórica do Modelo Matemático Para Previsão de Escorregamentos Rasos Shallow Stability. Espaço&Geografia, nº 2 Vol. 6, p. 133-150.

LabTrans. (2017). Laboratório de Transportes e Logística. Acervo técnico. Universidade Federal de Santa Catarina.

Montgomery, D. R. e Dietrich, W. E. (1994). A physically based model for the topographic control on shallow landsliding. Water Resources Research, Vol. 30, p. 1153-1171.

O’Loughlin, E. M. (1986). Prediction of surface saturation zones in natural catchments by topographic analysis. Water Resources Research, Vol. 22, p. 794-804.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-731

Refbacks

  • There are currently no refbacks.