Epidemia invisível: perfil epidemiológico de mulheres vítimas de violência doméstica no Estado de Pernambuco entre 2015 e 2019 / Invisible epidemic: epidemiological profile of women victims of domestic violence in the State of Pernambuco between 2015 and 2019

Jesyka Thamires da Silva Pestana, Emmanuela Kethully Mota dos Santos, Aline Maria de Melo Silva, Camila Maria da Rocha, Gabriele Amorim do Nascimento, Isabela Silva Rodrigues, Maria Camila da Silva, Thalice Michielle de Queiroz Monteiro

Abstract


Objetivo: Descrever sociodemograficamente o perfil de mulheres vítimas de violência doméstica no estado de Pernambuco, entre os anos de 2015 e 2019. Metodologia: Pesquisa descritiva dos casos de violência doméstica contra mulheres segundo sua faixa faixa etária, raça/cor, escolaridade, autor da violência, tipos de violência e predominância da distribuição de casos por macrorregião. As informações foram obtidas através do banco de dados secundários de domínio público DATASUS, disponibilizado através do SINAN. Resultados: Foram notificados 18.125 casos de violência doméstica contra mulheres nesse período. Os casos tiveram predominância entre mulheres de 20 a 39 anos (39,59%), de baixa escolaridade (40,43%) e de raça/cor parda (66,01%). Seus agressores foram em sua maioria cônjuges ou ex-cônjuges (50,6%) e o tipo de violência executada mais presente foi a física (53,33%) e a psicológica (40,34%). Em todo o estado o maior número de notificações aconteceu na macrorregião metropolitana, somando mais de metade dos casos (51,80%). Conclusão: É necessário intervenções emergenciais de prevenção e controle de casos de violência doméstica praticada contra mulheres através da formulação de políticas públicas efetivas para o setor saúde e demais envolvidos, visto que esses números tem um crescimento significativo. Também é essencial a capacitação dos profissionais de saúde, para que saibam identificar a problemática e atender a vítima de maneira holística, bem como entender a importância do preenchimento completo das fichas de notificação.


Keywords


Violência Contra à Mulher, Violência Doméstica, Notificação de Violência Interpessoal.

References


ANDRADE, Júlia de Oliveira et al. Indicadores da violência contra a mulher provenientes das notificações dos serviços de saúde de Minas Gerais-Brasil. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 25, n. 3, 2016.

BIGLIARDI, Adriana Maria; ANTUNES, Maria Cristina; WANDERBROOCKE, Ana Claudia NS. O impacto das políticas públicas no enfrentamento à violência contra a mulher: implicações para a Psicologia Social Comunitária. Boletim Academia Paulista de Psicologia, v. 36, n. 91, p. 262-285, 2016.

BRASIL. PORTARIA N° 104, de 25 de Janeiro de 2011. Brasília: Planalto, 2011. BRASIL. LEI N° 13.014, de 9 de Março de 2015. Brasília: Planalto, 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2020.

BRASIL. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,Seção 1, p. 1, 08 ago. 2006.

Disponível em:. Acesso em: 22 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004, 82p. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2020. Organização Mundial de Saúde. (1996).

CAPONI, Sandra Noemi Cucurullo de. Violência silenciosa: violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 11, p. 93-103, 2007.

CRUZ, Mércia Santos; IRFFI, Guilherme. Qual o efeito da violência contra a mulher brasileira na autopercepção da saúde?. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 2531- 2542, 2019.

DA SILVA, Gustavo Correia Basto et al. Distribuição espacial e perfil epidemiológico das notificações da violência contra a mulher em uma cidade do nordeste brasileiro. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, v. 8, n. 10, 2020.

DE FREITAS COELHO, Francisca Aline et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO ESTADO DO CEARÁ, 2008 A 2017. Cadernos ESP-Revista Científica da Escola de Saúde Pública do Ceará, v. 13, n. 1, p. 37-46, 2019.

DELZIOVO, Carmem Regina et al. Violência sexual contra a mulher e o atendimento no setor saúde em Santa Catarina–Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1687- 1696, 2018.

D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas et al. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero: uma alternativa para a atenção primária em saúde. Ciência & SaúdeColetiva, v. 14, p. 1037-1050, 2009.

DE JESUS SILVA, Samylla Bruna et al. Violência Perfil epidemiológico da violência contra a mulher em um município do interior do Maranhão, Brasil. O Mundo da Saúde, v. 1, n. 45, p. 056-065, 2021.

LIMA, Larissa Alves de Araújo et al. Marcos e dispositivos legais no combate à violência contra a mulher no Brasil. Revista de Enfermagem Referência, n. 11, p. 139-146, 2016.

MARQUES, Emanuele Souza et al. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00074420, 2020.

MATTOS, Paulo Roberto; RIBEIRO, Ivoney Silva; CAMARGO, Vania Carla. Análise dos casos notificados de violência contra mulher. Cogitare enfermagem, v. 17, n. 4, 2012.

MEDEIROS, Patricia Flores de; GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima. Políticas públicas de saúde da mulher: a integralidade em questão. Revista Estudos Feministas, v. 17, n. 1, p. 31-48, 2009.

NETO, Juarez Silvestre et al. Violência contra a mulher no contexto de saúde pública. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, v. 13, n. 2, p. 60-65, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: OMS, 2002. p.380. Disponível em: https://www.opas.org.br/wp- content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Taxa de feminicídios no Brasil é quinta maior do mundo; diretrizes nacionais buscam solução. [S. l.]: ONU, 2016.

Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2020.

PERNAMBUCO. Secretaria de Segurança Pública. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2021.

RAIMONDO, Maria Lúcia. Perfil epidemiológico da violência contra a mulher em Guarapuava, Paraná: contribuições da Enfermagem. 2010.

RAZERA, Josiane; CENCI, Cláudia Mara Bosetto; FALCKE, Denise. Violência doméstica e transgeracionalidade: um estudo de caso. Revista de Psicologia da IMED, v. 6, n. 1, p. 47-51, 2014.

RIBEIRO, R. U.; AL, Silva. Notificação compulsória de violência na atenção básica à saúde: o que dizem os profissionais. Revista LEVS, v. 21, p. 115-30, 2018.

SCHRAIBER, Lilia Blima et al. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Revista de Saúde Pública, v. 36, n. 4, p. 470-477, 2002.

SILVA, Lídia Ester Lopes da; OLIVEIRA, Maria Liz Cunha de. Violência contra a mulher: revisão sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 3523-3532, 2015.

SOUZA, Tatiana Machiavelli Carmo; SOUSA, Yara Layne Resende. Políticas públicas e violência contra a mulher: a realidade do sudoeste goiano. Revista da SPAGESP, v. 16, n. 2, p. 59-74, 2015.

VELOSO, Milene Maria Xavier et al. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 1263-1272, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-691

Refbacks

  • There are currently no refbacks.