Professoras, feministas e lésbicas: Um continuum de saberes na educação básica / Teachers, feminists and lesbians: A continuum of knowledge in basic education

Daniela Auad, Camila dos Passos Roseno

Abstract


O artigo analisa como os saberes docentes são constituídos pelas professoras, especialmente a partir das suas lesbianidades. Para alcançar esse objetivo, os estudos feministas e pesquisas que adotam gênero como categoria são abordagens fundamentais. O método autobiográfico, assim como os conceitos de professoralidade, de continuum lésbico, de topografias feministas e a tríade mulher-mãe-professora são expressivas de pesquisa educacional qualitativa, com múltiplas inspirações teórico-metodológicas. Vidas, trajetórias, práticas e saberes são analisados em entrevistas semiestruturadas com professoras lésbicas no Nordeste do Brasil, as quais enunciam sua orientação sexual nos seus locais de trabalho. Consideramos que as professoras constituem professoralidades, saberes docentes e práticas de resistência a partir de suas lesbianidades. Esse dado concorre para o fortalecimento do campo da educação por entender as professoras lésbicas também como mulheres trabalhadoras, com direito de usufruir de boas condições laborais, a partir inclusive do reconhecimento e revalorização de todas as searas de suas identidades, incluindo a orientação sexual.


Keywords


Saberes Docentes, Lesbianidades, Feminismos, Professoralidade, Tríade Mulher-Mãe-Professora

References


ALVAREZ, Sonia E. Construindo uma política feminista translocal da tradução. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n.3, p. 743-753, Dezembro, 2009. Acesso em 04 de maio de 2021. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2009000300007&script=sci_abstract&tlng=pt.

AUAD, Daniela. Feminismo: que história é essa? Rio de Janeiro, DP&A, 2003.

__________. Formação de professoras: um estudo dos Cadernos de Pesquisa a partir do referencial de gênero. Dissertação de Mestrado. São Paulo, 1998. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

__________. Relações de gênero nas práticas escolares: da escola mista ao ideal de coeducação. São Paulo, 2004. 232p. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

AUAD, Daniela. Revisitando Una Giornata Particolare: Feminismo, Gênero e Sociologia da Educação em Disputa. Momento: diálogos em educação, v. 28, p. 316-336, 2019.

AUAD, Daniela, Janaína Guimarães da Fonseca e Silva, e Camila dos Passos Roseno. “Gênero Na educação básica Brasileira: A Inconstitucionalidade De Projetos Proibitivos”. ETD - Educação Temática Digital 21 (3). Campinas, SP, p. 68-86. 2019. Disponível em https://doi.org/10.20396/etd.v21i3.8654669.

ANDRÉ, Marli; GATTI, Bernadete. Métodos Qualitativos de Pesquisa em Educação no Brasil: origens e evolução. Palestra apresentada no Simpósio Brasileiro – Alemão de Pesquisa Qualitativa e Interpretação de Dados, realizado na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, de 26 a 28 de março de 2008.

BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e Educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, n. 64, p. 4-13, 1988.

CARVALHO, Marília P. de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

CUNHA, Maria Isabel da. Docência na Educação Superior: a professoralidade em construção. Educação, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 6-11, jan.-abr. 2018.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, Salvador, v. 01, n. 01, p. 133-147, jan./abr., 2016.

FALQUET, Jules. Breve resenha de algumas teorias lésbicas. Herética edições lésbicas e feministas independentes. Buenos Aires, 2013.

FLORES RARAS. Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Comunicação e Feminismos (CNPq). Disponível em: http://www.ufjf.br/educacomunicafeminismos/. Acesso em 09 jun. 2021.

GOUVEIA, Aparecida Joly. Professoras de amanhã: um estudo de escolha ocupacional. Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais. Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Ministério da Educação e Cultura. Série VI – Sociedade e Educação – 1965.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. Brasília: Inep, 2018.

LIMA, Marina. Pra começar. Música disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UV_n-4Ug6w0. Acesso em 10 jun. 2021.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2014.

__________. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (org). História das Mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. Editora: Porto – Portugal, 2007, p. 11-25.

NUVEM SAPATÃO. Biblioteca online sobre Lesbianidades, Feminismos e Gênero. Disponível em: https://nuvemsapatao.blogspot.com/. Acesso em: 09 jun. 2021.

PEREIRA, Luiz. O Magistério primário numa sociedade de classes. São Paulo: Livraria Pioneira/Edusp, 1969.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade Compulsória, Existência Lésbica e Outros Ensaios. Rio de Janeiro, A Bolha, 2019.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu (28), p.19-54. janeiro-junho de 2007. Disponível em https://www.scielo.br/j/cpa/a/hWcQckryVj3MMbWsTF5pnqn/?lang=pt&format=pdf

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Rev. Temáticas, v. 22, p. 203-220, ago/dez., 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-686

Refbacks

  • There are currently no refbacks.