Correlação de variáveis antropométricas e bioquímicas de portadores de HIV/AIDS ambulatoriais / Correlation of anthropometric and biochemical variables of outpatient HIV/AIDS patients

Adrielle Mayara da Silva Santa Brígida, Aldair da Silva Guterres, Priscila Matos de Pinho, Rosileide de Souza Torres, Ana Lucia Rocha Faillace, Edileuda da Silva, Marcelo Cardoso de Paiva, Ranilda Gama de Souza

Abstract


Objetivo: Correlacionar variáveis antropométricas e bioquímicas de portadores de HIV/AIDS ambulatoriais.

Metodologia: Estudo transversal, descritivo de coleta prospectiva, no qual a população de estudo foi composta por pacientes de ambos os sexos na faixa etária de 20 a 59 anos de idade, portadores do vírus HIV/AIDS, que faziam tratamento ambulatorial. Foi utilizado formulário pré-estruturado com aspectos relacionados a dados pessoais, avaliação antropométrica e coleta de exames bioquímicos sinalizados no prontuário. Os dados foram analisados no software Bioestat versão 5,0. Foi aplicado o teste qui-quadrado (χ2) para comparação de proporções, visando identificar uma possível diferença entre as categorias das variáveis avaliadas. Aplicou- se o teste estatístico t de Student para comparação de médias, visando identificar uma possível diferença entre as médias das variáveis avaliadas. Calculou-se a correlação linear de Pearson para verificar uma possível correlação entre as variáveis analisadas. Foi adotado o nível de significância de 5% (p < 0,05) para todos os testes estatísticos.

Resultados: Dos 50 pacientes avaliados, 64% (n=32) eram do sexo masculino. A idade média obtida foi de 42+10 anos, com mínimo de 20 e máximo de 59 anos. Constatou-se que 54% dos pacientes apresentavam excesso de peso, segundo o IMC. Em relação a presença de risco cardiovascular, observou-se que estavam com risco elevado 48% segundo a CC e 70% segundo a RCE. Houve diferença estatisticamente significativa para as variáveis de IMC e RCE. Sobre os parâmetros bioquímicos, verificou-se que os níveis médios de glicemia, LDL e TG estavam acima do preconizado. Enquanto que os níveis de HDL para ambos os sexos se encontravam inferiores ao recomendado. Já os níveis médios do CT estavam dentro do preconizado, com significância estatística (p=<0,0001). Constatou-se que os níveis médios de IMC, CC e RCE estavam acima do preconizado, exceto para CC masculina. Com significância estatística apenas para CC e RCE feminina, (p=0,0006) e (p=<0,0001), respectivamente. Houve correlação positiva e significativa entre as seguintes variáveis: IMC com CC e RCE; CC com RCE, CT, LDL e TG; RCE com CT, LDL e TG; e CT com LDL. Enquanto que se observou correlação negativa e significativa entre: CT com LDL.

Conclusão: A avaliação antropométrica e bioquímica demonstrou inadequação, evidenciando o risco de doenças metabólicas e de resistência à insulina. Houve correlação significativa entre as antropométricas e bioquímicas.

 


Keywords


SIDA, Avaliação Nutricional, Avaliação Bioquímica.

References


Guterres AS. Implantação de um protocolo ambulatorial de acompanhamento, orientação e terapia nutricional a portadores do HIV-1. Tese (Doutorado) – Curso de Programa de Pós- Graduação em Biologia de Agentes Infecciosos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2014.

Cezar VM, Draganov, PB. A história e as políticas públicas do hiv no Brasil sob uma visão bioética. Ensaios Cienc., Cienc. Biol. Agrar. Saúde, v. 18, n. 3, p. 151-156, 2014.

Coltro VP. Identificação e caracterização filogenética de uma nova forma recombinante de HIV-1 presente no sul do Brasil. 2016. 1 f. Tcc (Graduação) - Curso de Ciências Biológicas, Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Mahan LK, Escott-Stump S, Raymond JL. [tradução Claudia Coana… et al.]. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia – Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

Brega MPP, Gonçalves PG, Souza VJV, Sarmento VA, Maciel YS, Silva JFLM, Resende JA, Fernandes ET, Fófano GA, Freitasa RB. Aids: Um breve panorama sobre aspectos epidemiológicos, antropológicos, clínicos e a situação atual do brasil. Revista Científica Fagoc Saúde – volume II – 2017.

Costa CS, Neto CLA, Câmpelo WF, Mendes ALRF. Associação entre diferentes métodos de avaliação nutricional em pacientes com HIV/aids em um hospital público. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, 30(3): 1-9, Jul./Set.2017.

Rodovalho AG, Tristão FN, Galvão LLC, Rodovalho RG, Torunsky RC, Lucchese R. Associação entre o uso de antirretrovirais no tratamento para HIV e alterações físicas e metabólicas. Revista de Saúde Pública, São Paulo-sp, v. 2, n.1, p. 1-2, 2017.

Licks P, Horvath JDC. Terapia nutricional em pacientes portadores do HIV em uso de TARV frente ao desenvolvimento de distúrbios metabólicos induzidos pela medicação. Clin Biomed Res 2016; 36(2).

Silva IRP, Dias RM, Dutra CDT, Mendes ANL, Libonati RMF. Dislipidemia e estado nutricional em pacientes HIV positivo com síndrome lipodistrófica. Revi Epidemio Control Infect. 2014;4(3):200-207.

Organização mundial da saúde - OMS. Obesity – Preventing and managing the global epidemic. Genebra, 1998.

Santos RKF, Vital AVD. Perfil nutricional de idosos – Relação obesidade e circunferência da cintura após sessenta anos. Revista Saúde. Com 2014; 10(3): 254-262.

Pitanga FJG, Lessa I. Razão cintura-estatura como discriminador do risco coronariano de adultos, Rev Assoc Med Bras. 2006; 52:157-61.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Arteroesclerose. V. 101, n. 4, Suplemento 1, Out 2013.

Sociedade Brasileira de Diabetes: 2013-2014/Sociedade Brasileira de Diabetes; [organização José Paulo de Oliveira, Sérgio Vencio]. – São Paulo: AC Farmacêutica, 2014.

Ayres M, Jr MA, Ayres DL, Santos AAS. BioEstat 5.0: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Belém: Sociedade Civil Mamirauá; Brasília: CNPQ, 2007.

Jacques IJAA, de Santana JM, Moraes DCA, Souza AFM, Abrão FMS, Oliveira RC. Avaliação da adesão à terapia antiretroviral entre pacientes em atendimento ambulatorial. Rev bras ci saúde. 18(4):303-308, 2014.

Ministério da saúde. Boletim Epidemiológico – HIV. AIDS. Ano IV, nº 01. Brasília. MS, 2015.

Kauffmann LKO, Miranda RNA, Guterres AS, Pinto AF. Perfil nutricional e alimentar de portadores de HIV-1/AIDS internados em um hospital universitário. Rev Bras Ciênc Saúde 2017;10(2):82-88.

Alves RH, Reis DC, Viegas AM, Neves JAC, Almeida TAC, Flisch TMP. Perfil epidemiológico da AIDS em contagem, Minas Gerais, Brasil, entre 2007 e 2011. Rev Epidemiol Control Infect. 2015;5(3):147-152.

Gomes TB, Lourival NBS. Perfil nutricional de pacientes HIV positivo do município de Apucarana (PR). Saudpesq. 2016;9(1):83-92.

Santos MR, Araujo JV, Junior BJS, Filho DBM, Ximenes RAA. Perfil lipídico de pacientes HIV positivo em uso da terapia antirretroviral. Rev Bras Mult; V. 20, n.1, Julho 2017.

Moutinho ABA, Pretto ADB, Moreira AN. Evolução do estado nutricional de pacientes com AIDS atendidos em um ambulatório de nutrição. RBONE. 2015;9(51):85-95.

Corrêa MM. Razão cintura-estatura como marcador antropométrico de risco à saúde: estudo de base populacional em adultos e idosos brasileiros. 2016. 222 f. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016. Cap.1.

Pinhal FCG, Tonello MGM, Bittar CML, Vassimon HS. Prevalência de excesso de peso em pessoas que vivem com HIV: uma revisão sistemática. Cinergis, Santa Cruz do Sul, 17(4):346-349, out./dez. 2016.

Marins GO, Cardoso TLSR, Soares LR, Almeida KCL. Alterações bioquímicas em pessoas com HIV/AIDS no município de Macaé, Rio de Janeiro, Brasil. Acta Brasiliensis 2(3): 80-83, 2018.

Conceição da Silva I, Sampaio E, Almeida M, Ney Freire A, Ramos L, Barreto Medeiros JM. Perfil metabólico, antropométrico e lipodistrofia em pessoas vivendo com HIV/AIDS em uso de terapia antirretroviral. Nutr. Clín. Diet. Hosp. 2016; 36(3):38-44.

Matheus SC, Santos L, Behenck MS, Both DR.O uso da antropometria para avaliar a distribuição de gordura corporal de pacientes com HIV/AIDS.Arq Ciênc Saúde.2015;22(1)69.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-583

Refbacks

  • There are currently no refbacks.