Geografia política e educação: fronteira entre Brasil (Mato Grosso) e Bolívia (Santa Cruz)/ Political geography and education: border between Brazil (Mato Grosso) and Bolivia (Santa Cruz)

Raoni Anthualpa Oliveira, Denildo da Silva Costa

Abstract


A presente pesquisa analisou a educação no espaço de fronteira Brasil (estado de Mato Grosso) e Bolívia (departamento de Santa Cruz), entre de 2017 a 2020, com metodologia de observações participantes e questionário semiestruturada, compreendeu-se que não há integração entre a educação de os dois países, algo essencial para a implementação. Enquanto do lado brasileiro, no município de Vila Bela da Santíssima Trindade, metade das escolas de fronteira existentes, foram desativadas justificando a falta de profissionais em áreas específicas do conhecimento e de melhor qualidade de ensino, em território boliviano, a solução para mesmo problema, foi a implementação de programa modular para escolas pequenas e distantes, não desativando nenhuma unidade escolar. Conclui com a definição que necessitam planos e programas como as escolas interculturais de fronteira, com um diálogo cooperativo entre os dois países sobre a educação regional.


Keywords


Educação, Fronteira, Interação.

References


ARF, L. M. G e VELASQUES, S. R. (2017). O cotidiano dos professores e alunos pertencentes ás escolas de fronteira. Revista Tel, Irati, v8, n. 1, p. 103-114, jan/jun.

ARROYO, M. G. (1999). A educação básica e o movimento social do campo. ARROYO, M. G.; FERNANDES, B. M. Por uma educação básica do campo. p. 13 –52. Coleção Por uma Educação Básica do Campo nº 2.

ARROYO, M. G.; CALDART, R. S. e MOLINA, M. C. (Orgs.) (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes.

ARROYO, M. (2013). Currículo, território em disputa. RJ: Vozes.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federal do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

BRASIL;ARGENTINA. (2008). Escolas de Fronteira. Programa Escolas Bilíngues de Fronteira (PEBF). Ministério de Educacion, Ciencia y Tecnologia, Ministério da Educação.

BERNARD, H. R. (2006). Research Methods, in Antropology: Qualitative and Social Mechanism for buid Qualitative Approaches. New York: Altamira Press.

BIANCHEZZI. C.; MACHIAVELLI, D. M.; BERTUZZI, L. L e KOHAL, M. S. C. (2012). A construção e a prática do programa bilíngües em região de fronteira internacional Brasil-Argentina. In: Cadernos do CEDOM. Ano 25, n.37. P. 17-32.

BOLIVIA. (2016). Comunid. Publicación mensual Del ministerio de Educacion. Ministerio de Educaion Estado Plurinacional de Bolivia. – Año 6. N.1.

BORGES, P. R. S. (2014). Programa escolas Interculturais de Fronteira: uma proposta pedagógica intercultural. In: Salto para o futuro – Escolas interculturais de Fronteira. Ano XXIV, Boletim 1, maio.

CANDAU, V. M. (2011). Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, p 240-255, jul/dez.

CORTELLA, M. S. (2008). A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 12. Ed. São Paulo: Cortez.

COSTA, D da S. chave esta embaixo da Pedra! Fronteira Brasil/Bolívia Oeste Mato-Grossense: estratégias de relações entre a população local e acessibilidades. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 11, nov. 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/19562/15675. Acesso em 21 de Março de 2021.

DALINGHAUS, I. V. (2013). Cultura, hibridismo e ensino-aprendizagem em contexto fronteiriço. Cadernos de Pós Graduação em Letras (Online), v.13, p 01-14.

ESTADO PLURINACIONAL DE BOLÍVIA. (2011). Ley 100 de Desarrollo y Seguridad de las Fronteras. La Paz, ADEMAF.

FERRARO JR. V. G. (2020). Desigualdades e relações socioeconômicas nas cidades-Gêmeas da Fronteira Brasil-Bolívia. Espaço Aberto, PPGG – URFJ, Rio de Janeiro, V. 10, N1, P. 117-135.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. 38. ed. São Paulo: Paz e Terra.

FREIRE, P. (2011). Educação e mudança. Tradução Liliam Lopes Martin. – 2ª ed. ver. E atual. – São Paulo: Paz e Terra.

JANUÁRIO, E. R da S. (2004). Caminhos da Fronteira: educação e diversidade em escolas da fronteira Brasil-Bolívia (Cáceres/MT). Cáceres: UNEMAT Editora.

GEERTZ, C. (1989). “A Interpretação das Culturas” Rio de Janeiro. Zahar.

GODOY, T. da S. (2016). A multiculturalidade na escola de fronteira. Dissertação Mestrado em Estudos Fronteiriços da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Corumbá.

KASSOY, B. (1989). Fotografia e história. São Paulo: Editora Ática.

MECyT & MEC. (2008). Programa escolas Bilíngues de Fronteira: modelo de ensino comum em escolas de zona de fronteira, a partir do desenvolvimento de um programa para a educação intercultural, com ênfase no ensino do português e do espanhol. Buenos Aires e Brasília.

MENDES, N. F. (2010). História de Cáceres: a origem evolução presença da força armada. Tomo II. Cáceres-MT: Editora Unemat.

MONTEIRO, S. T. (2018). A fronteira Brasil-Bolívia no Mato Grosso – CootradeMista de trabalho Multidisplina Ltda (Org.) – Cuiabá: ALMT.

NUNES, F. G. (2011). Projetos de formação escolar para escolas em áreas de fronteira. Revista da ANPEGE, v.7, n.1, número especial, p. 205-216, out.

OLIVEIRA, T. C. M de. (2015). Para além das linhas coloridas ou pontilhadas – Reflexões para uma tipologia das relações fronteiriças. Revista da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (Anpege), v. 11, n. 15, p. 233-256.

SACRISTÁN, G. J. (1998). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.

WHYTE, W. F. (2005). Sociedade de esquina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor [1943].




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-485

Refbacks

  • There are currently no refbacks.