O enfermeiro e a socialização da criança hospitalizada: uso de ilustrações e histórias como mediadoras / The nurse and the socialization of the hospitalized child: use of illustrations and stories as mediators

Gabriela da Silva Teodoro, Leandra Ruzene Carlúcio, Rosana Maria Faria Vador

Abstract


No Brasil as principais causas de internações pediátricas são decorrentes de doenças respiratórias, sendo que as pneumopatias ocupam 40% dos motivos da procura de atendimento. A hospitalização insere a criança em um novo ambiente e este pode parecer assustador aos seus olhos, com situações de dor e estresse. A presente pesquisa demonstra sua importância ao atentar para a necessidade de socialização da criança no ambiente hospitalar, assim como, de seus familiares ou responsáveis, tendo como objetivo levantar o perfil sociodemográfico de menores internados na pediatria e suas causas mais frequentes, apontando os tipos de recursos lúdicos disponíveis para a socialização da criança, bem como, a função do enfermeiro nesse contexto e elaborar uma história ilustrada (gibi/HQ), a fim de colaborar com a socialização e gestão emocional nesse ambiente. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, descritiva, com abordagem qualiquantitativa, de artigos nacionais e internacionais, no período de 2020 a 2021, utilizando como descritores: Adaptação; Enfermagem; Socialização; Pediatria; Hospitalização; Ansiedade. Resultados: Destaca-seque mundialmente as infecções respiratórias agudas alcançam 11,3% de óbitos, um dos principais motivos para morbimortalidade em crianças, sendo que as pneumopatias ocupam 40% dos motivos da procura de atendimento médico, onde os fatores de risco são o baixo nível socioeconômico, aglomerações familiares, desnutrição, amamentação ausente, poluição ambiental, variações do clima e baixo peso no nascimento.Pesquisadores citam como emoções apresentadas pelas crianças hospitalizadas a ansiedade,  o medo,  a agressividade, a culpa e  a preocupação relacionada a separação do âmbito social e objetos pessoais, além de ocasionar enurese, alterações de humor e pesadelos, reações que surgem a curto ou a longo prazo, como estresse, insegurança, dor e questões de perturbação psicológica. Conclusão: Os pesquisadores indicam trabalhos lúdicos com sucesso sendo empregados de modo a criar um ambiente menos hostil na visão do cliente, evitando limitação em sua recuperação, garantindo o essencial para socialização e adaptação positiva. Elaborou-se uma revista de Histórias em Quadrinhos com temática em saúde para contribuir com a ambientação da criança hospitalizada, com o intuito de seu emprego futuro em unidades pediátricas.


Keywords


Adaptação, Enfermagem, Socialização, Pediatria, Hospitalização, Ansiedade

References


Almeida EES, Silva JS. O olhar do enfermeiro sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas no espaço da brinquedoteca hospitalar. Revista Pedagogia em Foco. 2018 jul./dez. v. 13, n. 10, p. 128-145.

Araújo JP, Silva RMM, Collet N, Neves ET, Tos BRGO, Vieira CS. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014 nov. - dez; 67 (6); 1000-1007.

Araújo JP, Silva RMM, Collet N, Neves ET, Tos BRGO, Vieira CS. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014 nov. - dez; 67 (6); 1000-1007.

Araújo TMCO. Perfil nosológico e sociodemográfico das crianças de 0-12 anos assistidas no hospital das clínicas da Universidade Federal de Goiás no período de janeiro de 2007 a janeiro de 2010 [dissertação]. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2012. 70 p. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/bitstream/tede/2945/1/THANIA%20MARIA%20CLAUDINO%20DE%20OLIVEIRA%20ARAUJO.pdf/.

Aguiar CA, Carvalho ELSF, Rohleder LS. O brincar com as crianças pequenas. Brazilian Journal of Development. 2021 feb. v.7, n.2, p. 17335-17340.

Batista MT. O brincar no contexto hospitalar e sua relevância na aprendizagem infantil [Trabalho de Conclusão de Curso]. [Natal/RN]: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2016.

Barbosa SFA, Costa FM, Vieira MA. Causas de hospitalização de crianças: uma revisão integrativa da realidade brasileira. Espaço para a Saúde – Revista de Saúde Pública do Paraná, dezembro 2017; V. 18 | N. 2: P. 129-137.

Brasil. Lei Nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9610.htm.

Buitrago GRR, Costa KN, Marques LA, Souza JKF. Hospital do Ursinho de Brasília: Uma Missão Social. Revista Participação - UnB. 2020 fevereiro; n° 33, p.111-119.

Carvalho CBM. Biblioteca Viva em Hospitais: A importância da leitura como estratégia de humanização, a experiência do Instituto Fernandes Figueira. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. 2018 maio/ago | v. 14, n. 2: p. 143 – 159.

Ernst, K. D. Resources Recommended for the Care of Pediatric Patients in Hospitals. American Academy Of Pediatrics. April 2020; Volume 145, number4,: e20200204. p. 1-13.

Ferreira NAS, Esmeraldo JD, Blake MT, Antão JYFL, Raimundo RD, Abreu LC. Representação Social do Lúdico no Hospital: O Olhar da Criança. Journal of Human Growth and Development, 2014; 24(2): 188-194.

Frauches DO, Lopes IBC, Giacomin HTA, Pacheco JPG, Costa RF, Lourenço CB. Doenças respiratórias em crianças e adolescentes: um perfil dos atendimentos na atenção primária em Vitória/ES. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro, 2017 Jan-Dez; 12(39): 1-11.

Gomes GLL, Fernandes MGM, Nobrega MML. Ansiedade da hospitalização em crianças: análise conceitual. Revista Brasileira de Enfermagem. 2016 Outubro. V. 69, n. 5: p. 940-945

Gesteira ECR, Franco ECD, Cabral ESM, Braga PP, Ferreira MA. Benefícios dos contos infantojuvenis à criança hospitalizada na perspectiva dos profissionais de Enfermagem. Revista da enfermagem da UFPE [on-line]. 2012 Oct; 6(10): 2463-8.

Gouveia MTO, Mendes MCS, Luz YPO, Silva GRF. Classificação de Pacientes Pediátricos em um Hospital de Ensino de Teresina. Revista da Rede e Enfermagem no Nordeste. 2010. vol. 11, Número Especial: p. 160-168.

Lerwick JL. Minimizando a ansiedade e o trauma induzidos pela assistência médica pediátrica. World Jornal ofClinicalPediatrics. 8 de maio de 2016; 5 (2): 143-150.

Lucena B, Santos J, Vasconcelos TC. Intervenções lúdicas com crianças no Pré-operatório. Temas em Saúde – Edição especial. Faculdade Integrada de Patos. 2019, ISSN 2447-2131. Páginas 248 a 259. Disponível em: https://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2019/03/fippsi14.pdf.

Li WHC, Chung JOK, Ho KY, Kwok BMC. Play interventionstoreduceanxietyand negative emotions in hospitalizedchildren. BioMed Central Pediatrics. 2016; 16 (1): 1-9.

Menezes RAM, Pavanitto DR, Nascimento LFC. Distribuição espacial das taxas de internação de crianças por pneumonia no Sistema Único de Saúde, nos municípios do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 2019; 22: E190053: p 1-10.

Maisel BA, Oliveira DA, Ferreira CAS, Righetti RF, Torquato JA, Cunha TMN, Lucato JJJ. Perfil epidemiológico das internações em uma unidade pediátrica do Sistema Único de Saúde. Fisioterapia Brasil - Ano 2015 - Volume 16 - Número 1: p 19-24.

Mastroianni G. Iatrofobia, a síndrome do jaleco branco [internet]. Pernambuco: Diário de Pernambuco; Publicado em: 20/04/2018 [Atualizado em: 20/04/2018 09:26]. Disponível em: https://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/opiniao/2018/04/20/3418404/iatrofobia-a-sindrome-do-jaleco-branco.shtml.

Oliveira ALG. Diagnósticos E Intervenções De Enfermagem Em Pediatria: Manual de Orientação [dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2015.

Oliveira LE, Júnior AJSC, Martins RS, Moura AAA, Nascimento CL, Novais TAM, Paranhos SB. Atividades lúdicas desenvolvidas pela enfermagem em um hospital materno infantil. Revista Ciência em Extensão. 2018; v.14, n.3, p.159-169.

Paula GK, Goés FGB, Silva ACSS, Moraes JRMM, Silva LF, Silva MA. Estratégias lúdicas no cuidado de enfermagem à criança hospitalizada. Revista de Enfermagem da UFPE. 2019; 13: e238979:[1-11].

Pedraza DFP, Araújo EMN. Internações das crianças brasileiras menores de cinco anos: revisão sistemática da literatura. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2017 jan-mar; 26(1):169-182.

Pinto MB, Andrade LDF, Medeiros LDF, Medeiros APG, Santos GLO, Queiroz R, Jales RD. Atividade lúdica e sua importância na hospitalização infantil: uma revisão integrativa. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2015; v. 13, n. 2: p. 298-312.

Rolim KMC, Pinheiro CW, Magalhães FJ, Frota MA, Mendonça FAC, Fernandes HIVM. História em quadradinhos: tecnologia em saúde para a humanização da assistência à criança hospitalizada. Revista de Enfermagem Referência. 2017 Jul/Ago/Set; Série IV - n.º 14: 69-78.

Silva C, Schmidt FM, Grigol AM, Schultz LF. O enfermeiro e a criança: a prática do brincar e do brinquedo terapêutico durante a hospitalização. SEMINA: Ciências Biológicas e da Saúde. 2020 jan./jun; v. 41, n. 1, p. 95-106.

Serafim CM, Lima CB. Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, sob o olhar do acompanhante da criança hospitalizada. Temas em Saúde. 2016. Volume 16, Número 3: Páginas 381 a 403.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Há 110 anos cuidando do futuro do Brasil. 1ª edição. São Paulo: Prêmio Editorial. 2020. 160 p.

Silva ACM, Silva MA. As contribuições de arte lúdica no restabelecimento da saúde humana. Revista Estudos. 2012 out./dez; v. 39, n. 4, p. 469-480.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-481

Refbacks

  • There are currently no refbacks.