Caracterizações dos(das) docentes sobre gênero e relações étnico-raciais / Teachers' characterizations about gender and ethnic-racial relations

Gisele Morilha Alves, Eugênia Portela de Siqueira Marques, Hildete Pereira da Silva Bolson, Maria Edinalva do Nascimento

Abstract


O artigo sustenta que as pressões legítimas dos movimentos sociais contribuíram para inserir na agenda oficial do Estado bBrasileiro a implementação de políticas públicas de diversidade, temática cada vez mais presente no debate educacional. Apresenta pressupostos, perspectivas e desafios para o rompimento comde um currículo monocultural e homogêneo, por meio da efetivação de práticas pedagógicas voltadas para o reconhecimento e o respeito à diversidade de gênero e, àas diferenças étnico-raciais, visando à superação de toda a forma de discriminação e preconceito. Analisam-se resultados de pesquisa realizada em três escolas públicas do estado de Mato Grosso do Sul/MS, Brasil. Recorremos a procedimentos teórico-metodológicos de análise documental, privilegiando questionários com docentes. Os estudos de Quijano (2005), Maldonado-Torres (2007), Gomes (2012), Walsh (2009) e, Hall (2003), referendaram a perspectiva teórica das análises. Os resultados mostram que, apesar dos avanços na legislação, é preciso ressignificar as marcas deixadas pela colonialidade e a desconstruirção dos currículos monoculturais, para queassim, a formação inicial e continuada dos professores se dê, conforme prevê a premissa que assegura respeito e atendimento às diversidades étnicas, religiosas, econômicas e culturais e que norteou a elaboração da proposta do PNE (2011-2020), que deve ser uma das estratégias que possibilitará a pedagogia crítica e emancipatória.


Keywords


Gênero; relações étnico-raciais; políticas públicas.

References


Bogdan, R. & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora.

Borges, M. C. B. et al. (2012). Culturas afro-brasileiras e indígenas. Campo Grande: Gráfica Alvorada. (Coleção Outras Histórias).

Brasil. (2008). Lei no. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm

Brasil. (2001). Plano Nacional de Educação 2001-2011. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/pne.pdf

Brasil. (2003). Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm

Brasil. (2004a). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: Ministério da Educação, outubro. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/003.pdf

Brasil. (2004b). Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para Mulheres. . Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PNPM.pdf

Brasil. (2011). Plano Nacional de Educação 2011-2020: metas e estratégias. Brasília, Ministério da Educação. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf Acesso em: 24 nov. 2015.

Carvalho, E. P. (2009). Inclusão da perspectiva de gênero na educação e na formação docente. In: Teixeira, A. B. M. & Dumont, A.(Orgs.). Discutindo relações de gênero na escola: reflexões e propostas para a ação docente. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Belo Horizonte, MG: GSS; FUNDEP. p. 13-44.

Chizzotti, A. (2009). Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10. ed. São Paulo: Cortez.

Gomes, N. L. (Org.) (2012). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasília: MEC; Unesco.

Gomes, N. L., Oliveira, F. S. & Souza, K. C. C. (2010). Diversidade étnico-racial e trajetórias docentes: um estudo etnográfico em escolas públicas. In: Abramowicz, Anete & Gomes, N. L. (Orgs.). Educação e raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte: Autêntica Editora. p. 57-73. (Coleção Cultura Negra e Identidades).

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Maldonado-Torres, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: Castro-Gómez, S. & Grosfoguel, R. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores. p. 127-167.

Meyer, D. E. (2012). Gênero e educação: teoria e política. In: Louro, G. L., Felipe, J. & Goellner, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. p. 09-27.

Miranda, T. L. & Schimanski, E. (2014). Relações de Gênero: algumas considerações conceituais. In: Ferreira, A. J. (Org.). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: perspectivas contemporâneas. Ponta Grossa: Editora UEPG. p. 67-91.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (Júlio César Casarin Barroso Silva). 3.e d. Buenos Aires: CLACSO. p. 227-278.

Walsh, C. (2009). Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: Candau, V. M. (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras. p. 12-42.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-444

Refbacks

  • There are currently no refbacks.