A puericultura como estratégia para promoção da saúde da criança na atenção primária / Childcare as a strategy to promote child health in primary care

Citrya Jakellinne Alves Sousa, Vivian Dias Rodrigues Schmaltz, Deborah Antunes de Menezes, Naiane Taíssa Folini, Juliana Ferreira de Souza, Luis Clayton Fernandes de Lima, Lauren Cristielly Ferreira Borges, Gabriella Waldraff Teixeira

Abstract


A mortalidade infantil é um indicador da qualidade da assistência prestada a crianças ao redor do mundo, independente de classe social. As causas, quase sempre relacionadas a algum aspecto materno ou gestacional, são consideradas de simples prevenção e tratamento. Com isso, de forma a reduzir as taxas de morbimortalidade, a atenção à criança ganhou espaço dentre as políticas públicas de saúde. A estratégia principal se desenvolveu através do Programa Saúde da Família e do acompanhamento sistemático que este sugere, com destaque para as visitas da equipe de saúde à casa da família. O PSF sugere um contato com a realidade da família, de forma a compreender a sua situação de saúde como um todo, nos aspectos orgânicos, sociais, ambientais e familiares. Da mesma forma, a atenção básica voltada à criança se apoia no acompanhamento sistemático de seu crescimento e desenvolvimento através das consultas de puericultura, uma área da Medicina de Família e Comunidade voltada à manutenção e promoção da saúde infantil. Para isso, ferramentas como o Cartão da Criança e a Ficha de acompanhamento do desenvolvimento são essenciais para o registro de dados tanto pela parte da equipe, quanto da própria família, que deve participar ativamente deste processo para que seja exitoso. Nos primeiros anos de vida da criança, a relação entre mãe e bebê é altamente relacionado com todas as etapas do desenvolvimento motor e psicossocial da criança. Por isso, o profissional puericultor atua na orientação e educação da família, mas principalmente, auxilia no fortalecimento do vínculo mãe-bebê. Motivada pelos resultados positivos na redução da mortalidade infantil, esta pesquisa teve como objetivo contextualizar a puericultura na atenção primária, bem como compreender de que forma as relações entre família, equipe de saúde e criança auxiliam em seu desenvolvimento saudável. Os resultados identificados na pesquisa demonstraram que o acompanhamento sistemático identifica fatores de risco orgânicos, sociais e familiares de forma rápida, muito importante na infância, promovendo a saúde e a vida.


Keywords


Puericultura, Atenção Primária, Saúde da Criança.

References


BRASIL. Portaria n°18 de 1982 do INAMPS. Estabelece a obrigatoriedade do alojamento conjunto nas maternidades SUS. Brasília: Ministério da Saúde, [1982].

_______. República Federativa do Brasil. Constituição de 1988. Brasília, 5 de outubro de 1988.

. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília: Senado Federal, [1990]. Disponível em:

. Acesso em: 14 jan. 2019.

_______. Casa Civil. Lei n. 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 1990.

. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Série Cadernos de Atenção Básica, n. 11. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, [2011], v.4.

. Política Nacional de Atenção Básica: das responsabilidades. Brasília: Ministério da Saúde, [2012ª], 114 p. Disponível em:

. Acesso em: 20 janeiro 2019.

. As cesarianas no Brasil: situação no ano de 2010, tendências e perspectivas. In: Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde, [2012b], pp: 371-398. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/ >. Acesso em:12 ago. 2019.

. Brasil reduz em 77% a taxa de mortalidade na infância. Saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde, [2013a]. Portal Brasil. Disponível em:

. Acesso em: 14 janeiro 2019.

. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru. Secretária de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2 ed, [2013b].

_______. Ministério da Saúde. CADERNO DE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA PRIMEIRO ANO DE VIDA. Brasília, 2017.

BUGÊS, A.F.C. et al. Estudo quanti-qualitativo do fluxo de regulação de leitos hospitalares no Paraná. RGSS, v. 6, n. 3, 2017.

BUSS, P. M.; FILHO, A. P. A saúde e seus determinantes sociais. Rev. Saúde Coletiva, v. 17, n. 1, p. 77-93, 2007.

CIAMPO, Luiz Antonio.; RICCO, Rubens Garcia; DANELUZZI, Julio César; DEL CIAMPO, Ieda Regina Lopes; FERRAZ, Ivan Savioli; ALMEIDA, Carlos Alberto Nogueira. O Programa de Saúde da Família e a Puericultura. Ciência & Saúde Coletiva. Online, v. 11, n. 3, pp: 739-743. 2006. Disponível em:

. Acesso em: 13 ago. 2019.

CNDSS - COMISSÃO NACIONAL SOBRE OS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Carta aberta aos candidatos à Presidência da República. Setembro de 2006. Disponível em: Acesso em: 20 set. 2019.

DISHION, THOMAS J. et al. A transactional approach to preventing early childhood neglect: The Family Check-Up as a public health strategy. Journal of Child Psychology and Psychiatry- Development and Psychopathology of Cambridge University. Reuno Unido, vol. 27, nº4, pg 1647–1660. 2015. Disponível em: < https://sci-hub.tw/https://doi.org/10.1017/S0954579415001005>. Acesso em: 18 ago. 2019.

EVANS, T. et al. Challenging inequities in health from ethics to action.Oxford: Oxford University Press, 2001.

FAUSTO, M.C.R. et al. O futuro da Atenção Primária à Saúde no Brasil. Saúde Debate, v. 42, n. 1, p. 12-17, 2018.

FIGUEIREDO, E.N. A Estratégia Saúde da Família na Atenção Básica do SUS. UMA-SUS, v. 5, p. 1-12, 2011.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FRANÇA, Elisabeth Barboza et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira Epidemiol, v. 20, pp: 46-60. 2017. Disponível em: < https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/rbepid/v20s1/1980-5497-rbepid-20-s1-00046.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2019.

GERHARDT, T.E. et al. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUNNING-SCHEPERS, L. J. [Models: instruments for evidence based policy]. J Epidemiology Community Health, n. 53, p. 263, 1999.

ISSLER, Hugo; LEONE, Claudio; MARCONDES, Eduardo. Pediatria na atenção primária. 1a ed. São Paulo: Editora Sarvier; 1999.

LAKATOS, E.V.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LEE, Anne C. C.; BLENCOWE, Hannah; LAWN, Joy E. Small babies, big numbers: global estimates of preterm birth. The Lancet Global Health. Online, v.7., jan. 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2019.

LIU, Li. et al. Global, regional, and national causes of child mortality in 2000–13, with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis. Lancet Global Health. Online, v, 385, pp: 430-440. 2015. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25280870>. Acesso em: 12 ago. 2019.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Atualização da lista de causas evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol Serviços de Saúde. Brasília, v.19, n. 2, pp: 173-176. 2010. Disponível em: < http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v19n2/v19n2a10.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2019.

MARCH OF DIMES et al. Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneva: World Health Organization, 2012.

PRODANOV, C. C. et al. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

ROSEN, G. Da polícia médica à medicina social. Rio de Janeiro, Graal, 1980.

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco; 2002.

VICTORA, Cesar G.; BRYCE, Jennifer; FONTAINE, Olivier; MONASCH, Roeland. Reducing deaths from diarrhoea through oral rehydration therapy. Bull World Health Organ. 2000.

VIEIRA, Viviane Cazetta de Lima et al. Puericultura na atenção primária à saúde: atuação do enfermeiro. Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 1, p. 119-125, 2012.

VINICIUS, Marcus. Estratégia Saúde da Família. 2016. Disponível em: Acesso em 24 set. 2019.

World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneva; 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-440

Refbacks

  • There are currently no refbacks.