A fronteira ficcional na produção de Clarice Lispector e Luzia Senna/ The fictional frontier in Clarice Lispector and Luzia Senna's production

Vanise Albuquerque Santos

Abstract


O número de publicações de textos de cunho pessoal e autobiográfico, tanto no Brasil quanto no exterior se mostra cada dia mais crescente. Tal fenômeno atrai muitos leitores e críticos. Esse traço está presente na literatura em publicações de correspondências e relatos pessoais de escritores (as), a exemplo das Cartas de Clarice “Minhas queridas”. Ao longo do desenvolvimento dos estudos em Literatura Comparada sobre questões que envolvem a tríade literatura/cultura/estudos culturais, observa-se a importância que estes textos adquirem para o processo de leitura crítico-biográfica e elucidação de subjetividades, revelando a emergência de novas alteridades e discursos, além de evidenciar o estreitamento entre a fronteira ficcional x documental. No espaço biográfico aqui contemplado é possível refletir, por exemplo, como através da escrita de “Minhas queridas” o “eu” individual revelado nas cartas de Clarice é percebido também na obra da escritora alagoinhense Luzia Senna, demonstrando a busca de reelaboração do “eu” social e do “eu” feminino. Para tanto, esta abordagem dialoga com a perspectiva teórica sobre o lugar da Literatura Comparada enquanto campo disciplinar de conhecimento em consonância com os estudos culturais, já que tais estudos não excluem a análise textual, constituindo-se, numa forte investida para a afirmação de vozes historicamente silenciadas, favorecendo a abertura de questionamentos (inter) disciplinares. Sendo assim, o presente trabalho desenvolve uma discussão sobre a importância da leitura literária crítica a partir dos estudos empreendidos pela Literatura Comparada e sua relação com os Estudos Culturais contemporâneos, a fim de que a partir da percepção da produção documental que recentemente ganha à cena no cenário literário, possa ser percebida a riqueza que tais documentos, ditos (auto) biográficos, revelam como potencial investigativo de infindáveis questões de cunho histórico, político e cultural de determinada(s) época(s) constituindo uma verdadeira dialética entre o passado e o presente.


Keywords


Literatura, Estudos culturais, Subjetividade, Crítica biográfica.

References


ALVES, Ivia. Visões de espelho: o percurso da crítica de Eugênio Gomes. Salvador: Academia de Letras da Bahia; Assembléia Legislativa do Estado da Bahia, 2007. (Cap. O Brasil na Literatura ocidental: o divulgador e o comparatista)

BRATHES, Roland. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Estação Liberdade, 2003. P. 49-53, 108-111, 134-137, 184-187.

BRUNEL P.; PICHOIS CI.; ROUSSEAU, A. M. Que é literatura comparada? Trad. Célia Berrettini. V.115. São Paulo: Perspectiva/USP/UFPR, 1990. (Coleção Estudos). (substituindo GUYARD, Maruis François. A literatura comparada. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1956)

CARVALHALL, Tânia Franco. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 2006.

CEVASCO, Maria Elisa. Estudos culturais no Brasil, In: Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2003.

COUTINHO, Eduardo F. Literatura comparada: reflexões sobre uma disciplina acadêmica. In: Revista Brasileira de Literatura Comparada. Niterói: Abralic, n.8, p.41-58, 2006.

CUNHA, Eneida Leal. Literatura Comparada e Estudos Culturais: Ímpetos pós-disciplinares. In. ANTELO, Raul ET AL. Leituras do Ciclo. Florianópolis: ABRALIC, 1999.

LASCH, Cristopher. O mínimo eu. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LISPECTOR, Clarice. Minhas queridas. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

MARQUES, Reinaldo. Literatura comparada e estudos culturais: diálogos interdisciplinares. In.: CARVALHALL, Tânia Franco (Org.). Culturas, contextos e discursos: limiares críticos no comparatismo. 1999.

MIRANDA, Wander Melo. A ilusão autobiográfica. In: Corpos escritos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009, p. 25 a 32.

SENNA, Luzia das Virgens. A estrada por onde passei. São Paulo: Scortecci, 2011.

SOUZA, Eneida Maria de. Notas sobre a crítica biográfica. In: Crítica Cult. BH: Editora da UFMG, 2002, p.111-120.

VILLAÇA, Nízia. Novas subjetividades. In: Paradoxos do Pós-Moderno. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1996, p. 33-58




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-434

Refbacks

  • There are currently no refbacks.