A atuação do enfermeiro no parto humanizado e na luta contra violência obstétrica / The role of nurses in humanized childbirth and in the fight against obstetric violence

Rafael Antunes da Silva, Emanoela Lima Gomes Rodrigues, Rosilene da Silveira Ferreira, Taíssa Campos Lisboa

Abstract


O Enfermeiro Obstétrico tem um papel fundamental nas práticas humanizadas a gestante desde o acolhimento no inicio de pré natal, até o puerpério. O MS vem estimulando a prática do Enfermeiro na assistência a gestante e, com isso criou programas incentivando as práticas humanizadas, reduzindo as intervenções desnecessárias. Assegurando a mulher práticas humanizadas a fim de se reduzir o número de violência obstétricas e com isso, devolvendo a mulher seu lugar de protagonista no momento do parto. Tendo isso em vista, este artigo trata-se de uma revisão bibliográfica com finalidade fornecer subsídios aos profissionais da Enfermagem acerca do ideal de práticas humanizadoras, ressaltando a importância do Enfermeiro para a implementação destas na luta contra a violência obstétrica e no empoderamento da gestante.


Keywords


Enfermagem, Violência Obstétrica, Parto Humanizado, Empoderamento feminino, HumanizaSUS.

References


ALMEIDA, Olívia Souza Castro; GAMA, Elisabete Rodrigues; Bahiana, Patrícia Moura. Humanização do Parto: atuação dos enfermeiros. Revista Enfermagem Contemporânea. 2015 Jan./Jun.;4(1):79-90.

BEHRUZI et al., The facilitating factors, and barriers encountered in adopting a humanized birth care approach in a highly specialized university-affiliated hospital. BMC Women’s Health, 2011, 11:53.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conheça a Rede Cegonha. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 569, de 1º de junho de 2000. Instituir o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2000. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/ gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html. Acessado em: 22/10/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento / Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 465 p: il. – (Cadernos HumanizaSUS; v. 4).

BRASIL. Ministério da Saúde. Oito Passos para a Maternidade Segura: guia básico para serviços de saúde. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 1ª ed. Brasília – DF, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa de Humanização do Parto: Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: política nacional de humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 2. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRUZADELII, DDAS; TAVARESII. BB. Expectativa quanto ao parto e conhecimento do motivo da cesárea: entre puérperas adolescentes e adultas. Rev. eletrônica enferm. 2010; 12(1):150-7

CARNIEL F, VITAL DS, SOUZA TDP. Episiotomia de rotina: necessidade versus violência obstétrica. J. nurs. health. 2019;9(2):e199204.

CARVALHO, GM. Enfermagem em obstetrícia. 3ª ed. São Paulo: EPU; 2007.

CASTRO, Antônia Tainá Bezerra; ROCHA, Sibele Pontes. Violência obstétrica e os cuidados de enfermagem: reflexões a partir da literatura. Enferm. Foco 2020; 11 (1): 176-181.

COFEN. Resolução n.º 311/2007 - Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. 2007. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Res_Cofen_311_2007_2_13.PDF. Acesso em: 09 nov. 2020.

DEMITTO; et al. Orientações sobre amamentação na assistência pré-natal: uma revisão integrativa. Rev. Rene, vol. 11, Número Especial, 2010. p. 223-229.

DE MOURA SANTOS, Amanda Carla et al. Atuação da enfermagem no uso de métodos não farmacológicos para o alívio da dor durante o trabalho de parto. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 1, p. 9505-9115, 2021.

DIAS, Marcos Augusto Bastos; DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira. Desafios na implantação de uma política de humanização da assistência hospitalar ao parto. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 699-705, Set. 2005.

DICIONÁRIO ONLINE. Significado de Empoderamento. Disponível em: https://www.dicio.com.br/empoderamento/. Acesso em: 08 nov. 2020.

DUARTE, SJH; ANDRADE, SMO. O significado do pré-natal para mulheres grávidas: uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde soc. 2008;17(2):132-9.

DUARTE; et al. Percepção das enfermeiras obstétricas na assistência ao parto: resgate da autonomia e empoderamento da mulher. R. pesq.: cuid. fundam. 2020 jan/dez 12: 903-908.

GOMES; et al. O papel do enfermeiro na promoção do parto humanizado, São Paulo: Revista Recien. 2020; 10(29):180-188

GRACIO, Andréa Lúcia Reis et al. O cuidado e conforto no trabalho de parto e parto: Contribuição do enfermeiro. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 4, p. 8958-8973, 2020.

LANSKY; et al. Violência obstétrica: influência da Exposição Sentidos do Nascer

na vivência das gestantes. Ciência & Saúde Coletiva, 24(8):2811-2823, 2019.

LEAL; et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saude Publica 2014; 30(Supl. 1):17-32.

LOPES LCS, AGUIAR RS. Aplicabilidade das boas práticas de atenção ao parto: revisão integrativa de literatura. REVISA. 2020; 9(1): 133-43.

MARTINS; et al. VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: Uma expressão nova para um problema histórico. Revista Saúde em Foco – Edição nº 11 – Ano: 2019.

MEDEIROS RMK; et al. Repercussões da utilização do plano de parto no processo de parturição. Rev Gaúcha Enferm. 2019;40:e20180233.

ODENT, Michel. In.: Quem nos inspira – Ícones da Humanização do parto I. Doula Luluca Boettcher. Blog Casa da Doula – apoio ao gestar, parir e nutrir. Jul. 2018. Disponível em: https://blog.casadadoula.com.br/parto-normal/quem-nos-inspira-icones-da-humanizacao-do-parto-i/. Acesso em: 14 fev. 2021.

MOURA, et al. Cuidados de enfermagem na prevenção da violência obstétrica. Enferm. Foco 2018; 9 (4): 60-65.

Mouta RJO, et al. Plano de parto como estratégia de empoderamento feminino. Rev Baiana Enferm. 2017;31(4):e20275.

NASCIMENTO, et al. Conhecimentos e experiências de violência obstétrica em mulheres que vivenciaram a experiência do parto. Rev. Enfermería Actual, 2019, 37.

OLIVEIRA, Olga Vânia Matoso de. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização – HumanizaSUS: o que é como implementar (uma síntese das diretrizes e dispositivos da PNH em perguntas e respostas). Brasília, nov. 2010.

PAIVA, Cristiane. Entenda a importância do pré-natal. Fundação Abrinq, 2019. Disponível em: https://www.fadc.org.br/noticias/entenda-a-importancia-do-pre-natal. Acessado em: 08 nov. 2020.

PORTO, Any Alice Silva; COSTA, Lucília Pereira da; VELLOSO Nádia Aléssio. Humanização da assistência ao parto natural: uma revisão integrativa. Rev. Ciência e Tecnologia, Rio Grande do Sul, v.1, n.1, p 12-19, 2015.

REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos et al. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 38, n. 1, e64677, 2017.

RIESCO, Maria Luiza Gonzalez; TSUNECHIRO, Maria Alice. Formação profissional de obstetrizes e enfermeiras obstétricas: velhos problemas ou novas possibilidades? Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v 10, n. 2, p. 449-459, Jul. 2002.

RISCADO, L. C., et al. A decisão pela via de parto no Brasil: temas e tendências na produção da saúde coletiva. Texto Contexto Enferm. 2016;25(1):e3570014.

SANTOS, Heliane Fernandes Lourenço; ARAÚJO, Marlei Monteiro. Políticas de Humanização ao pré-natal e parto: uma revisão da literatura. Revista Científica FacMais, Vol. VI (2). Ano 2016/1º Semestre.

SANTOS IS, OKAZAKI ELFJ. Assistência de enfermagem ao parto humanizado. Rev Enferm UNISA. 2012; 13(1): 64-8.

SENA, et al. Avanços e retrocessos da enfermagem obstétrica no Brasil. Rev Enferm UFSM 2012 Set/Dez;2(3):523-529.

SILVA; et al. Práticas de enfermeiras para promoção da dignificação, participação e autonomia de mulheres no parto normal. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015 jul/ set; 19(3):424-31. 6.

SODRÉ; et al. Escolha informada no parto: um pensar para o cuidado centrado nas necessidades da mulher. Cienc cuid saúde. 2012; 11(suplem.):115-20.

SOUSA, Francisco Danúbio Timbó; SOUSA, Ana Lúcia Pereira Martins. O Papel Do Enfermeiro Obstetra Em Uma Maternidade E Centro De Parto Normal. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 12, Vol. 03, pp. 74-105 Dez. 2018.

SOUZA, et al. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc anna nery. 2016; 20(20): 324-31.

VENTURI, G; GODINHO, T. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, SESC-SP; 2013.

WOLFF, L. R.; WALDOW, V. R. Violência consentida: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p.138-152, jun. 2008.

ZIRR GM, et al. Autonomia da mulher no trabalho de parto: contribuições de um grupo de gestantes. REME – Rev Min Enferm. 2019; 23:e-1205.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-404

Refbacks

  • There are currently no refbacks.