Energia solar paradigmas e geração de resíduos/ Solar energy paradigms and waste generation

Emerson Carlos Guimarães, Thales Divino Vilela da Silva Lemes, William Henrique Andrade Costa, Alan Kardec Candido dos Reis

Abstract


Nos dias atuais, a busca por fontes de energias renováveis tem crescido de forma exponencial. A acelerada escassez de recursos, o aumento da poluição e a demasiada emissão de gases do efeito estufa contribuem diretamente no aceleramento do aquecimento global, fazendo com que esses meios sejam necessários para garantir a sobrevivência da humanidade. Quando o assunto são as fontes de energias renováveis, a primeira ideia é pensar em uma energia 100% limpa, que não agride o meio ambiente e renova naturalmente os seus recursos. No Brasil, a geração hidráulica compõe mais de 60% de toda geração de energia elétrica do país, entretanto a energia solar tem apresentado notoriedade nesse cenário, principalmente, devido aos incentivos do governo federal. A energia fotovoltaica é vista como uma promessa em termos de energias renováveis, pois a sua geração depende apenas da incidência de raios solares e da placa fotovoltaica. Porém, analisando todo o ciclo de geração, desde o processo de manufatura das placas até o final de sua vida útil, concluímos que não é um processo limpo, pois a placa solar dispõe de uma vida útil limitada, gerando um acúmulo significativo de lixo, impactando diretamente na vida humana e ambiental no futuro, contradizendo a ideia de energia 100% limpa. Por não ser um problema a curto prazo, é necessária a criação de regras e métodos para evitar ou minimizar os impactos. Através de uma pesquisa bibliográfica, constatou-se que as regulamentações e leis nacionais são ainda recentes, o que dificultou o levantamento de dados. Devido as leis e normas que não orientam quanto ao descarte do lixo eletrônico e não propõem padrões a serem estabelecidos, esse artigo contribui apresentando uma forma de descarte dessas placas fotovoltaicas, propondo a utilização de logística reserva para que o descarte de resíduos utilizados na geração de energia solar não tragam malefícios ao meio ambiente.


Keywords


Energia solar, Fotovoltaica, Energias Renováveis, Logística Reversa,Lixo Eletrônico.

References


BRASIL. Câmara dos Deputados. Lei nº 12.305, de 12 de agosto de 2010. Política nacional dos resíduos sólidos. [S. l.], 12 ago. 2010.

BRASIL, A. O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. As regras têm como objetivo proteger o investimento feito pelo Estadão na qualidade constante de seu jornalismo. Estadão. 2018. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/blogs/ecoando/energia-solar-cresce-407-em-um-ano-no- brasil-impulsionada-por-paineis-em-residencias. Acesso em 31 agosto 2019.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Ministério. Energia no mundo: Matrizes energéticas Matrizes elétricas. Indicadores, Esplanada dos ministérios, 13 dez. 2017.

BRASIL. ProtGEER. Resíduos e Clima: o que são resíduos sólidos?.16 de novembro de 2017.

BRITO, M. A. SAMPAIO, L.P.; JUNIOR, L. G.; CANESIN, C. A. Research on photovoltaics: review, trends and perspectives. In: Brazilian Power Electronics Conference (COBEP), 2011.

CALIXTO, Bruno. Minas é o estado que mais instala painéis solares no Brasil: Balanço das conexões de microgeração da Aneel mostra um salto na instalação de painéis solares no Brasil. Época, São Paulo, 27 set. 2016. Blog doplaneta,p. 1. Disponível em: https://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2016/09/minas-e-o-estado- que-mais-instala-paineis-solares-no-brasil.html. Acesso em 22 de maio de 2020.

CRESESB - Centro De Referência Para Energia Solar E Eólica Sérgio De Salvo Brito; Energia Solar: Princípios e Aplicações. Tutorial Solar, 2006.

EC, Energy for the future: Renewable Sources of Energy. White Paper,European Commission, DG XVII, 1997.

DESCARTE de painéis solares, e agora? SpinSolar. 4 de dezembro de 2019. Disponível em Acesso em junho de 2020.

FONTES, Ruy. Blog Blue Sol. Reciclagem de Placas Solares Irá Movimentar US$384 Milhões Até 2025. 9 de novembro de 2017. Disponível em Acesso em junho de 2020.

GHIZONI, Joana Pauli. Sistemas fotovoltaicos: Estudo sobre a reciclagem e logística reversa no Brasil. Orientador: Prof. Dr. Armando Borges de Castilhos Junior. 2016. 77 f.

Dissertação (Graduação em engenharia sanitária e ambiental) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

MELLO, Daniel. Entenda: novas regras para recolhimento de lixo eletrônico. Agência Brasil, São Paulo, p. 1, 15 fev. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-02/entenda-novas-regras-para- recolhimento-de-lixo-eletronico. Acesso em 20 de maio de 2020.

PACHECO, Fabiana. Energias Renováveis: Breve conceito. Economia em destaque, Esplanada dos ministérios, ano 149, p. 4-11, 1 out. 2006.

PIZZARRO, Ludmila. Minas Gerais lidera a geração de energia solar no Brasil. O Tempo, São Paulo, 7 jan. 2019. Representatividade, p. 1. Disponível em: https://www.otempo.com.br/economia/minas-gerais-lidera-a-geracao-de-energia-solar-no- brasil-1.2087796. Acesso em 22 de maio de 2020.

PUPIN, Priscila Carvalho. Avaliação dos impactos ambientais da produção de painéis fotovoltaicos através de análise de ciclo de vida. Orientador: Dr. Roberto Akira Yamachita. 2019. 124 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Energia) - Universidade federal de Itajubá, Itajubá, 2019.

REIS, Pedro. União Europeia afirma que é possível reciclar painéis solares fotovoltaicos.

Energia solar: Notícias energia solar, [s. l.], 2 nov. 2018. Disponível em: https://www.portal-energia.com/uniao-europeia-afirma-reciclar-paineis-solares-fotovoltaicos/. Acesso em: 25 de maio de 2020.

RECICLAGEM de placas solares. LuzSol. Disponível em< https://luzsolar.com.br/reciclagem- de-placas-solares/< >Acesso em Junho de 2020

SILVA, P. S. Breve História da Energia Solar. Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, 2004. Disponível em: http://web.ist.utl.pt/palmira/solar.html. Acesso em: 31 agosto 2019.

SILVA, Mateus Maciel César. Lei dos resíduos sólidos e a responsabilidade do Estado na fiscalização da disposição final de resíduos sólidos urbanos. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 22, n. 5034, 13 abr. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/36252. Acesso em: 25 de maio de 2020.

SILVA, R. M. Energia Solar no Brasil: dos incentivos aos desafios. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, Fevereiro/2015 (Texto para Discussão no 166). Disponível em: www.senado.leg.br/estudos. Acesso em 5 de Maio de 2020.

VISION, B. Descartes de painéis solares pode ser um problema no futuro próximo. BlueVision. 2018. Disponível em: https://bluevisionbraskem.com/inovacao/descarte-de-paineis-solares- pode-ser-problema-no-futuro-proximo. Acesso em: 31 agosto 2019.

WECKEND, Stephanie; WADE, Andreas; HEATH, Garvin. Gerenciamento de fim de vida útil: Painéis solares fotovoltaicos. Publicações, [s. l.], 1 jun. 2016. Disponível em: https://www.irena.org/publications/2016/Jun/End-of-life-management-Solar-Photovoltaic- Panels. Acesso em: 25 maio 2020.

IX SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL. Brasil, Rio grande

do sul, Porto Alegre. Painéis fotovoltaicos de silício cristalino: métodos químicos de separação de componentes. Energia e ambiente, Florianópolis, n. 9, p. 1-12, 19 maio 2014.

IEA. WORLD ENERGY OUTLOOK 2019. Paris: Interncional Energy Agenciy, 2020. MME. Balanço Energético de 2019. Rio de Janeiro: Empresa de Pesquisa Energética, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-398

Refbacks

  • There are currently no refbacks.