Perfil Epidemiológico dos Casos de Tuberculose Relacionado ao Abandono de Tratamento no Maranhão de 2017 a 2020 / Epidemiological Profile of Tuberculosis Cases Related to Treatment Abandonment in Maranhão from 2017 to 2020

Julia Pinheiro Martins, Raissa Costa Machado, Aderlany De Amorim Da Conceição, Valdomiro Jorge de Assunção, Sandra Regina Matos da Silva

Abstract


A tuberculose continua sendo uma preocupação bastante pertinente entre os profissionais da saúde, principalmente por causa das recorrências de abandono do esquema de tratamento (que, aliás, é bastante eficaz no tratamento da Mycobacterium). No estado do Maranhão alguns índices preocupam as autoridades sanitárias por dois motivos: com o paciente em si e com as pessoas que ele pode infectar, uma vez que se trata de uma doença de alta infectividade. Descrever o perfil epidemiológico e clínico dos casos de tuberculose notificados no estado do Maranhão e identificar fatores associados ao abandono do tratamento sãos os objetivos deste trabalho. De natureza descritiva e quantitativa a metodologia utilizada foi a pesquisa nas bases de dados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) sobre as ocorrências de tuberculose notificadas no estado do Maranhão, delineando seu perfil epidemiológico. Os resultados obtidos no estudo revelaram que no período de 2017/20 foram registradas mais de dez mil confirmações de casos de Tuberculose no Maranhão, desse montante a maioria é do sexo masculino e de cor parda. Foram constatados números acentuados de abandono do tratamento. À vista dos dados, subtende-se que são necessárias medidas mais contundentes para evitar o abandono da referida patologia a fim de evitar óbitos e diminuir novas transmissões. A busca ativa por casos desistentes deve se intensificar.


Keywords


Epidemiologia, Mycobacterium tuberculosis, abandono

References


ALVES, R. S. et al. Abandono do tratamento da tuberculose e integralidade da atenção na Estratégia Saúde da Família. Texto & contexto enferm., Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 650- 657, 2012.

BRASIL. Ministério da saúde. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. Boletim epidemiológico. Brasília. v. 50. Mar. 2019. Disponível em: Acesso em 07 de Outubro de 2020.

BRASIL . Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil. Acesso em 18 de Outubro de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8ª ed. P. 412, Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica. Vigilancia em saúde: Dengue, Esquitossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose . 2a ed. Brasíia (DF): MS; 2008

BRASIL. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Recomendações para o Controle a Tuberculose no Brasil- Brasília: Ministério da Saúde 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Tuberculose na Atenção Primária à Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 131 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil Livre da Tuberculose: Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 52 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle de tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. 2011BRASIL. Rio de Janeiro. Nota técnica nº 3 de 2016. Definições sobre o tipo de entrada e encerramentos no sistema de informação de agravos de notificação (SINAN) e no Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP). Acesso em 07 de outubro de 2020.BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Programa Nacional de Controle da tuberculose: análise de indicadores operacionais e epidemiológicos a partir da base de dados do Sinan, versão 5.0, 2015.

CARVALHO, A. C. et al. Clinical presentation and survival of smear-positive pulmonary tuberculosis patients of a university general hospital in a developing country. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 97, n. 8, p. 1225–1230, 2002

CAMPANI STA, Moreira JS, Tiebthbotel CN. Fatores preditores para o abandono do tratamento da tuberculose pulmonar preconizado pelo Ministério da Saúde no Brasil ca cidade de Porto Alegre (RS). J Bras Pneumonl 2017; 37:776-82.

COÊLHO, Danieli Maria Matias et al. Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Teresina-PI, no período de 1999 a 2005. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 19, n. 1, p. 34-43, 2010.

DE MATOS FREITAS, Wiviane Maria Torres et al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes portadores de tuberculose atendidos em uma unidade municipal de saúde de Belém, Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 7, n. 2, p. 6-6, 2016.

DE SOUZA MONTEIRO, Nara Luézia et al. Abandono do tratamento da tuberculose: uma análise epidemiológica dos seus fatores de risco. Cadernos de Cultura e Ciência, v. 13, n. 2, p. 90-99, 2015.

FARIAS DE OLIVEIRA J, DE CERQUEIRA MA. Abandono anunciado ao tratamento da tuberculose em uma unidade de saúde da família do Recife - a perspectiva do usuário. Rev APS. 2012;15(1):4-13.

FONTES, Giuliano José Fialho et al. Perfil Epidemiológico da Tuberculose no Brasil no Período de 2012 a 2016. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 9, n. 1, p. 19-26, 2019.

HINO, P. et al. Perfil dos casos novos de tuberculose notificados em Ribeirão Preto (SP) no período de 2000 a 2006. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, 2011. Suplemento.

IBGE- INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- Disponível em: >https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ma.html. Acesso em 18 de outubro de 2020.

MACEDO, Joyce Lopes et al. Perfil epidemiológico da tuberculose em um Município do Maranhão. Revista Ciência & Saberes-UniFacema, v. 3, n. 4, p. 699-705, 2018.

MSD. Tuberculose. Disponível em: Acesso em 07 de Outubro de 2020.

LOPES, A. O. Tuberculose um problema de Saúde Pública: causas do abandono do tratamento. 2010. 63p. Monografia (Graduação em Enfermagem) - Cento Universitário São Camilo, São Paulo, 2010.

OLIVEIRA, J. F.; ANTUNES, M. B. C. Abandono anunciado ao tratamento da tuberculose em uma Unidade de Saúde da Família do Recife: a perspectiva do usuário. Rev. APS, Juiz de Fora v. 15, n. 1, p. 4-13, 2012.

PAIM. S J. Vigilância da Saúde: dos modelos assistenciais para a promoção da saúde. In: Promoção da Saúde.(org) Dina Czeresnia. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003. PILLER, Raquel VB. Epidemiologia da tuberculose. Pulmão RJ, v. 21, n. 1, p. 4-9, 2012.

RAMOS, Donatela Dourado; Lima, Maria Alice Dias da Silva. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1,Feb. 2003.

RODRIGUES, Ivaneide Leal Ataide et al. Abandono do tratamento de tuberculose em co-infectados TB/HIV. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 2, p. 383-387, 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Boletim Epidemiológico 2016; 47(13).

SILVA, Pollyanna da Fonseca; MOURA, Germano Silva; CALDAS, Arlene de Jesus Mendes. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, p. 1745-1754, 2014.

SOARES, Marcelo Luiz Medeiros et al. Aspectos sociodemográficos e clínico-epidemiológicos do abandono do tratamento de tuberculose em Pernambuco, Brasil, 2001-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, p. 369-378, 2017.

SOUZA, A. B. F.; CRUZ, Z. V. Abandono do tratamento da tuberculose no município de Itapetinga-BA: um estudo da influência dos fatores ambientais. Enciclopédia biosfera. Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.8, n.14, p. 1471-1486, 2012.

ZAGMIGNAN, Adrielle et al. Caracterização epidemiológica da tuberculose pulmonar no Estado do Maranhão, entre o período de 2008 a 2014. RevInvestigBioméd, v. 6, n. 1, p. 6-13, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-346

Refbacks

  • There are currently no refbacks.