Antimicrobiano de uso restrito e agentes microbiológicos isolados em um hospital de referência de doenças tropicais do Norte do Brasil/ Restricted antimicrobial and microbiological agents isolated in a tropical disease reference hospital in Northern Brazil

Kenia Rezende Honda, Raimunda Maria Ferreira de Almeida, Wagner dos Santos Mariano

Abstract


O uso indiscriminado de antimicrobianos é um grave problema de saúde pública, estão entre as medicações mais prescritas dentro dos hospitais, o que nos alerta da real necessidade do seu uso e de sua aplicação correta. Quando prescritos inadequadamente podem induzir ao desenvolvimento de resistência bacteriana, com prolongamento da doença, aumento da taxa de mortalidade, prolongamento na internação hospitalar e aumento dos custos na saúde de forma geral. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo retrospectivo de natureza quantitativa para descrever o perfil antimicrobiano de uso restrito (AUR) utilizados no Hospital de Doenças Tropicais da Universidade Federal do Tocantins (HDT-UFT) , localizado no município de Araguaína-TO, de janeiro a dezembro do ano 2019, e relatar qual o perfil microbiológico isolado das culturas de amostras biológicas deste mesmo período, utilizando dados secundários armazenados no serviço de Comissão de Controle de Infecção Relacionada a Assistência à Saúde (CCIRAS) do HDT-UFT obtidos das fichas de solicitação de antimicrobianos de uso restrito do serviço de farmácia desta unidade hospitalar e resultados das culturas solicitadas. Para a coleta e tabulação dos dados foram usados o programa EXCEL para Windows®. Os resultados deste estudo evidenciaram que os agentes isolados mais frequentes foram: Escherichia coli (21%) Staphylococcus coagulase negativo (18%); Klebsiella sp (13%); Acinetobacter sp (11%); Pseudomonas aeruginosa (11%); Staphylococcus aureus (5%). E os antimicrobianos mais solicitados: Anfotericina B lipossomal (27%); Piperacilina/tazobactam (25%); Carbapenêmicos (17,5%); Vancomicina (15%); Cefepima (15%); Caspofungina (0,5%).


Keywords


Antibióticos, Microbiologia, Infecções.

References


Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Investigação e controle de bactérias multirresistentes. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Manual de Microbiologia Clínica para o controle de infecção em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Plano Nacional para a Prevenção e o Controle da Resistência Microbiana nos Serviços de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerência de Vigilância e Monitoramento em Serviços de Saúde. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde. Plano nacional para a prevenção e o controle da resistência microbiana nos serviços de saúde. Disponível em: acesso em: 04 de fev de 2019.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde. Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (2016-2020). Disponível em: acesso em: 09 de jan. de 2019.

ANTIMICROBIANOS, bases teóricas e uso clinico. ANVISA. Disponível em: < https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/rm_controle/opas_web/modulo1/penicilinas5.htm> Acesso em: 07 de fev. de 2019.

AVALIAÇÃO nacional dos programas de gerenciamento do uso de antimicrobianos. ANVISA Disponível em: < https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/noticias/163-avaliacao-nacional-dos-programas-de-gerenciamento-do-uso-de-antimicrobianos-em-utis-adultos-dos-hospitais-brasileiros> Acesso em: 10 de jan. de 2019.

BOLUFER JVA, MONTERO CT. Estúdio de la utilización de antibióticos de um hospital comarcal. Años 1998-2002. Farm Hosp (Madrid) 2004; 28(6):410-418.

BRASIL ultrapassa Canadá, Europa e Japão no uso indiscriminado de antibióticos.CBA,2019. Disponível em: Acesso em: 10 de jan. de 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de prevenção e controle de resistência microbiana e programa de uso racional de antimicrobianos em serviços de saúde. Módulo I: Antimicrobianos -bases teóricas e uso clínico. 2007. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/cursos/rm_controle/opas_web/modulo1/conceitos.htm. Acesso em: 20 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.616, de 13 de maio de 1998.Expede na forma de anexos as diretrizes e normas para a prevenção e controle das infecções hospitalares. Diário Oficial da União, Brasília, p.133, 13 maio 1998. Seção 1, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Organização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde. Programa de Controle de Infecção Hospitalar. Lavar as mãos: informações para profissionais de saúde. Série A: Normas e Manuais Técnicos. Brasília, DF: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 1989.

CARNEIRO, M.;FERRAZ, T.;BUENO, M.;KOCH, B. E.;FORESTI, C.;LENA, V. F.;LAZAROTO, D. M.O uso de antimicrobianos em um hospital de ensino: uma breve avaliação. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 57, n. 4, p. 421-424, 2011.

COSTA, A. L. P. da; SILVA JUNIOR, A. C. S. Resistência bacteriana aos antibióticos e Saúde Pública: uma breve revisão de literatura. Estação Científica (UNIFAP), v. 7, n. 2, p. 45-57, 2017.

ESPINEL-INGROFF A. Comparison of in vitro activities ofthe new triazole SCH56592 and the echinocandins MK-0991 (L-743,872) and LY303366 against opportunistic filamentous and dimorphic fungi and yeasts. J Clin Microbiol. 1998;36(10):2950-6.

FARIA, T. V de; PESSALACIA, J. D. R.; SILVA, E. S. da. Fatores de risco no uso de antimicrobianos em uma instituição hospitalar: reflexões bioéticas. Acta bioethica, v. 22, n. 2, p. 321-329, 2016.

GUIMARÃES, D. O.; MOMESSO, L. D. S.; PUPO, M. T. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Química Nova, v. 33, n. 3, p. 667-679, 2010.

INTERVENÇÃO e medidas de prevenção e controle da resistência microbiana. ANVISA. Disponível em: Acesso em 08 de jan. de 2019.

LEVY HARA G. Estrategias para el uso racional de antibióticos y antimicrobianos. Ejes de la Política Institucional. Disponivel em: acessado em 05 de fev. de 2019.

LIU C, BAYER A, COSGROVE SE, DAUM RS, FRIDKIN SK, GORWITZ RJ, ET AL. Clinical practice guidelines by the infectious diseases society of america for the treatment of methicillin-resistant Staphylococcus aureus infections in adults and children: executive summary. Clin Infect Dis. 2011;52(3):285-92.

LUEPKE, K. H.;SUDA, K. J.;BOUCHER, H.;RUSSO, R. L.;BONNEY, M. W.;HUNT, T. D.;MOHR III, J. F. Past, present, and future of antibacterial economics: increasing bacterial resistance, limited antibiotic pipeline, and societal implications. Pharmacotherapy: The Journal of Human Pharmacology and Drug Therapy, v. 37, n. 1, p. 71-84, 2017.

MORAES, G. M. D. et al. Infecção ou colonização por micro-organismos resistentes: identificação de preditores. Acta Paulista de Enfermagem, v. 26, n. 2, p. 185-191, 2013.

NASCIMENTO, M. C. D. Medicamentos, comunicação e cultura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, supl., p. 179-193, 2005.

ONZI OS, HOFFMAN SP, CARMARGO AL. Avaliação do consumo de antimicrobianos injetáveis de um hospital privado no ano de 2009. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde, 2011, 2(2):20-25.

PAPPA-WALLACE PM, ENDIMANI A, TARACILA MA, BONOMO RA. Carbapenems: Past, Present and Future. Antimicrob Agents Chemother. 2011 Nov; 55(11): 4943–4960.

PHILMON C, SMITH T, WILLIAMSON S, GOODMAN E. Controlling Use of Antimicrobials in a Community Teaching Hospital. Infect Control Hosp Epidemiol 2006; 27:239-244.

RICE, L. B. The clinical consequences of antimicrobial resistance. Current opinion in microbiology, v. 12, n. 5, p. 476-481, 2009.

SADER H.S., MENDES C.M.F., MONTELLI A., SAMPAIO J., SEGURA A.J.A., KESSELRING, L. COSTA G.L.F, RIBEIRO, E J.E.F..MAMIZUKA. MIMIÇA, I. Atividade antimicrobiana in vitro da cefpiroma em comparação com outros beta-lactâmicos de amplo espectro contra 804 amostras clínicas de nove hospitais brasileiros. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 44, n. 4, p. 283-288, Dec. 1998. https://doi.org/10.1590/S0104-42301998000400006.

SANTAJIT, S.; INDRAWATTANA, N. Mechanisms of Antimicrobial Resistance in ESKAPE Pathogens. Biomed Research International, v. 2016, p. 2475067, 2016.

SANTO ARE, MOREIRA RC, MATSUMOTO LS, FURTADO E DA L, HIRAI CQ. Perfil de microrganismos isolados de pacientes internados em um hospital do Paraná. Cogitare enferm. Disponível em: acesso em 05 de jan. de 2019.

SANTOS RP, NAGEL F, GASTAL SL, ET. AL. Política de antimicrobianos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre – 2010, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Rev. HCPA, 2010; 30(1):13-21.

SANTOS, E. F. dos et al. Effectiveness of the actions of antimicrobial's control in the intensive care unit. Brazilian Journal of Infectious Diseases, v. 7, n. 5, p. 290-296, 2003.

SANTOS, N. D. Q. A resistência bacteriana no contexto da infecção hospitalar. Texto & Contexto -Enfermagem, v. 13, n. spe, p. 64-70, 2004.

SCHECHTER M, MARANGONI, DV. Doenças infecciosas: conduta diagnóstica e terapêutica. 2a ed., 1998; Cap. 15, 425-45.

SILVA, E. R. M. Análise do perfil das prescrições de antimicrobianos na clínica médica de um hospital público do Pará. Rev Bras Farm Hosp Serv Saúde. São Paulo, v. 3, n. 2, p. 15-19, 2012.

VANCOMYCIN Dosing Guidelines 2020 Stanford. Disponivel em: < http://med.stanford.edu/content/dam/sm/bugsanddrugs/documents/dosing/2020> Acesso em: 07 de jan. de 2019.

World Health Organization (OMS). Global priority list of antibiotic-resistant bacteria to guide research, discovery, and development of new antibiotics; 2017:1-7.

World Health Organization. Global Strategy for Containment of Antimicrobial Resistance. Geneva: WHO; 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-299

Refbacks

  • There are currently no refbacks.