Psicologia Intensivista: Acolhendo a Subjetividade Humana / Intensivist Psychology: Receiving Human Subjectivity

Lycia Rinco Borges Procópio, Maria José Camargo de Carvalho

Abstract


A psicologia se adentrou nos hospitais, entre outras razões, para atenuar o sofrimento de pacientes e familiares implicados em sentimentos de incertezas, medos e angústias, advindos das enfermidades. As Unidades de Terapia Intensiva (UTI’s) são os locais, onde tais sentimentos se acentuam e transbordam. É primordial que pesquisas sejam realizadas, de modo a nortear e aprimorar a função profissional desempenhada pelos psicólogos intensivistas. Desse modo, foi realizado um diagnóstico sobre o perfil de pacientes e de seus familiares internados em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital público da Região Nordeste, avaliando-se as percepções dos familiares sobre a doença e o tratamento de seus parentes internados e os sofrimentos decorrentes dessa difícil etapa da vida. A maioria dos familiares possuía um conhecimento superficial ou incompleto sobre a doença de seu parente e sobre os procedimentos médicos já realizados, sugerindo graves problemas de comunicação. A grande maioria dos pacientes internados na UTI e dos seus familiares nunca realizou tratamento psicológico em algum momento de suas vidas. o que muitas vezes causa um estranhamento inicial no contato com o psicólogo intensivista. É fundamental que a subjetividade dos familiares em sofrimento seja também reconhecida e cuidada pela equipe de saúde dessas instituições.


Keywords


Psicologia Hospitalar, Unidade de Terapia Intensiva, Humanização.

References


Augusto, F. P., Santos, N. O., Lôbo, R. C. M. M., Pinto, K. O., Carleial, A. S., & Lucia, M. C. S. (2010). Quem cuida também adoece? Sofrimento psíquico e probabilidade de adoecimento de familiares cuidadores em uma unidade de pediatria geral. Psicologia Hospitalar, 8(2), 70-88.

Barth, A. A., Weigel, B. D., Dummer, C. D., Machado, K. C., & Tisott, T. M. (2016). Estressores em familiares de pacientes internados na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 28(3), 323-329. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20160055.

Bazon, F. V. M., Campanelli, E. A., & Blascovi-Assis, S. M. (2004). A importância da humanização profissional no diagnóstico das deficiências. Psicologia: Teoria e Prática, 6(2), 89-99.

Beuter, M., Brondani, C. M., Szareski, C., Cordeiro, F. R., & Roso, C. C. (2012). Sentimentos de familiares acompanhantes de adultos face ao processo de hospitalização. Escola Anna Nery, 16(1), 134-140. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000100018.

Beuter M., Brondani C. M., Szareski C., Lana, L. D., & Alvim, N. A. T. (2009). Perfil de familiares acompanhantes: contribuições para a ação educativa da enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, 13(1): 28-33.

Bonomo, A. M. S., & Araujo, T. C. C. F. (2009). Psicologia aplicada à cardiologia: um estudo sobre emoções relatadas em exame de holter. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(1), 65-74. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000100008.

Capitão, C. G., & Carvalho, É. B. (2006). Psicossomática: duas abordagens de um mesmo problema. Psic: revista da Vetor Editora, 7(2), 21-29.

Caprara, A., & Franco, A. L. S. (1999). A Relação paciente-médico: para uma humanização da prática médica. Cadernos de Saúde Pública, 15(3), 647-654. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000300023.

Cenci, C. M. B. (2006). Representação social da psicologia em um bairro periférico de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul. Aletheia, (23), 43-53.

Centro de Informações sobre Saúde e Álcool - CISA. (2018). Álcool e mulheres: cenário atual. Disponível em: http://www.cisa.org.br/artigo/6771/alcool-mulheres-cenario-atual.php. Acesso em: 13/nov./2020.

Chagas, N. R., & Monteiro, A. R. M. (2004). Educação em saúde e família: o cuidado ao paciente, vítima de acidente vascular cerebral. Acta Scientiarum. Health Sciences, 26(1), 193-204. DOI: https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v26i1.1663.

Costa, J. B., Felicetti, C. R., Costa, C. R. L. M., Miglioranza, D. C., Osaku, E. F., Versa, G. L. G. S., Solstoski, J., Duarte, P. A. D., Duarte, S. T., Ogasawara, S. M., & Taba, S. (2010). Fatores estressantes para familiares de pacientes criticamente enfermos de uma unidade de terapia intensiva. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(3), 182-189. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852010000300003.

Fernandes, J. C. L. (1993). A quem interessa a relação médico paciente? Cadernos de Saúde Pública, 9(1), 21-27. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1993000100003.

Foucalt, M. (1977). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, RJ: Editora Forense-Universitária.

Giannotti, A. (2002). Prevenção da doença coronária: Perspectiva Psicológica em um Programa Multiprofissional. Psicologia USP, 13(1), 167-195. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642002000100009.

Giannotti, A. (1995). Psicologia nas instituições médicas e hospitalares. In: Oliveira, M. F. P., & Ismael, S. M. (Orgs.). Rumos da psicologia hospitalar em cardiologia. Campinas, SP: Editora Papirus.

Gomes, R.; Nascimento, E. F.; & Araújo, F. C. (2007). Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, 23(3), 565-574. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2008). Tabagismo. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv42980.pdf. Acesso em: 12/11/2020.

Lévinas, E. (2016). Entre nós: ensaios sobre a alteridade. 5. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Lustosa, M. A. (2007). A família do paciente internado. Revista da SBPH, 10(1), 3-8.

Ministério da Saúde. (2010). Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html. Acesso em: 11/11/2020.

Moreira, E. K. C. B., Martins, T. M., & Castro, M. M. (2012). Representação social da Psicologia Hospitalar para familiares de pacientes hospitalizados em Unidade de Terapia Intensiva. Revista da SBPH, 15(1), 134-167.

Nicolau, J. C., Timerman, A., Marin-Neto, J. A., Piegas, L. S., Barbosa, C. J. D. G., Franci, A., Avezum Júnior, A., Carvalho, A. C. C., Markman Filho, B., Polanczyk, C. A., Rochitte, C. E., Serrano Júnior, C. V., Precoma, D. B., Silva Júnior, D. G., Albuquerque, D. C., Stefanini, E., Knobel, E., Jatene, F. B., Feres, F., Morcerf, F. A. P., Ganem, F., Lima Filho, F. A., Feitosa Filho, G. S., Ferreira, J. F. M., Meneghetti, J. C., Saraiva, J. F. K., Silva, L. S., Maia, L. N., Baracioli, L. M., Lisboa, L. A. F., Dallan, L. A. O., Bodanese, L. C., Andrade, M. D., Oliveira Júnior M., Dutra, O. P., Coelho, O. R, Leães, P. E., Albuquerque, P. F., Lemos, P., Kalil, R., Costa, R. V. C., Esporcate, R., Marino, R. L., Botellho, R. V., Meneghelo, R. S., Sprovieri, S. R., Timerman, S., & Mathias Júnior, W. (2014). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST (II Edição, 2007) – Atualização 2013/2014. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 102(3), 1-61.

Oliveira, E. C. N. (2002). O psicólogo na UTI: reflexões sobre a saúde, vida e morte nossa de cada dia. Psicologia: Ciência e Profissão, 22(2), 30-41. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932002000200005.

Pessini, L. (2002). Humanização da dor e sofrimento humano no contexto hospitalar. Revista Bioética, 10(2), p.51-72.

Prandi, J. (1981). A mulher e o papel de dona-de-casa: representações e estereótipos. Revista de Antropologia, 24, 109-121. Disponível: http://dx.doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1981.110971.

Ropelato, R. (2018). Satisfação da família: contribuições no processo de gestão e qualidade. In: Almendra, F. S. R. (Org.). Psicologia em unidade de terapia intensiva: intervenções em situações de urgência subjetiva. Rio de Janeiro, RJ: Atheneu.

Saboya, F., Rieffel, E., Costa, F., & Medrado, M. (2014). O papel do psicólogo junto aos familiares. In: Kitajima, K. (Org.). Psicologia em unidade de terapia intensiva: critérios e rotinas de atendimento. Rio de Janeiro, RJ: Revinter.

Salci, M. A., & Marcon, S. S. (2008). De cuidadora a cuidada: quando a mulher vivencia o câncer. Texto & Contexto - Enfermagem, 17(3), 544-551. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000300016.

Santos, D. G., & Caregnato, R. C. (2013). Familiares de pacientes em coma internados na unidade de terapia intensiva: percepções e comportamentos. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(2), 487-95. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i2.16929.

Santos, L., Pereira, M., & Martins, C. (2017). As doenças do coração e as emoções: conversações entre a psicossomática e a psicologia analítica. Self - Revista do Instituto Junguiano de São Paulo, 2, 1-15. DOI: https://doi.org/10.21901/2448-3060/self-2017.vol02.0005.

Schneider, A. M., & Moreira, M. C. (2017). Psicólogo intensivista: reflexões sobre a inserção profissional no âmbito hospitalar, formação e prática profissional. Temas em Psicologia, 25(3), 1225-1239. DOI: https://dx.doi.org/10.9788/TP2017.3-15Pt.

Silva, R. B; Castro, C. M; Iser, B. P. M; & Castilho, L. J. C. (2016). Perfil dos pacientes com síndromes coronarianas agudas em um hospital da Região Sul do Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, 14(1), 33-37.

von Eye, G. (2018). Fatores de Risco para Doenças Cardíacas. Disponível em: https://www.abcdasaude.com.br/cardiologia/fatores-de-risco-para-doencas-cardiacas. Acesso em: 09/11/2020.

Zugliani, A. (2014). Filhas dão mais atenção e carinho aos pais. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/filhas-dao-mais-atencao-carinho-aos-pais-13688882. Acesso em: 08/11/2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-297

Refbacks

  • There are currently no refbacks.