O teto de cristal: considerações a respeito da participação da mulher nas áreas de ciências e tecnologia / The crystal ceiling: considerations regarding women's participation in the science and technology areas

Jéssica Pereira Santos, Magna Coeli Soares Rodrigues

Abstract


O texto faz um mergulho nos trabalhos mais recentes sobre a participação da mulher no cenário brasileiro, observando dados referentes à inclusão destas em Ciências e Tecnologia (C&T).  Objetivando a discussão sobre a segregação horizontal e vertical sofrida pela mulher em C&T, trouxemos dados indicativos da exclusão vivenciada nas universidades. Considerações sobre a participação das escolas na segregação são feitas, mas indicamos que estas instituições podem ajudar a reverter as desigualdades, formando mulheres mais autoconfiantes. O enfoque metodológico desta pesquisa é qualitativo, do tipo bibliográfico e documental contando com dados de órgão públicos. Iniciativas tomadas por governos e instituições para gerar mais equidade entre os gêneros, são apresentadas, além de um balanço da pesquisa realizada.


Keywords


Gênero, Mulher, C&T, Segregação.

References


AGRELLO, Deise A.; GARG, Reva. Mulheres na física: poder e preconceito nos países em desenvolvimento. Revista brasileira de ensino de física, v. 31, n. 1, p. 1305.1-1305.6, 2009.

ANDRADE, Rodrigo de Oliveira. Maternidade no currículo: projeto de pesquisadoras estima impacto das atividades como mãe na carreira científica. Pesquisa Fapesp, 2018. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/maternidade-no-curriculo/ . Acesso em: 15, ago. 2020.

BITENCOURT, Silvana Maria. Os efeitos da política de produtividade para as novas gerações de acadêmicas na fase do doutorado. Estudos de Sociologia, v. 19, n. 37, dez. 2014.

BOLZANI, Vanderlan da Silva. Mulheres na ciência: por que ainda somos tão poucas?. Ciência e cultura, v. 69, n. 4, p. 56-59, 2017.

BRASIL. Decreto-lei no 4.121, de 27 de agosto de 1962. Diário Oficial da União - Seção 1 - 3/9/1962, Página 9125. 1962. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4121-27-agosto-1962-353846-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 12 de jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.536, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre a prorrogação dos prazos de vigência das bolsas de estudo concedidas por agências de fomento à pesquisa nos casos de maternidade e de adoção. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13536.htm#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20prorroga%C3%A7%C3%A3o%20dos,Art. Acesso em: 15 jul. 2020.

BRASIL, Ministério dos Direitos Humanos. Plano nacional de políticas para as mulheres: Secretaria Especial de Política para as Mulheres. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.observatoriodegenero.gov.br/eixo/politicas-publicas/pnpm/i-pnpm/I%20PNPM_versao%20compacta.pdf. Acesso em: 20 ago.2020.

BRITO, Carolina; PAVANI, Daniela; LIMA JR, Paulo. Meninas na ciência: atraindo jovens mulheres para carreiras de ciência e tecnologia. Revista Gênero, v. 16, n. 1, 2. sem. 2015.

JULIÃO, Helena Vicentini; DIB, Aline Michelle; DE OLIVEIRA, Letícia Trevizolli. Desigualdade de gênero no mercado de trabalho e as formas de enfrentamento alicerçadas na OIT. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 3, p. 24482-24499, 2021.

LETA, Jacqueline; MARTINS, Flávio. Docentes pesquisadores na UFRJ: o capital científico de mulheres e homens. D. Ristoff et al. Simpósio Gênero e Indicadores da Educação Superior Brasileira, p. 85-101, 2008.

LIMA, Betina Stefanello; BRAGA, Maria Lúcia de Santana; TAVARES, Isabel. Participação das mulheres nas ciências e tecnologias: entre espaços ocupados e lacunas. Revista Gênero, v. 16, n. 1, 2. sem. 2015.

LIMA, Betina Stefanello; LOPES, Maria Margaret; DA COSTA, Maria Conceição. Programa Mulher e Ciência: breve análise sobre a política de equidade de gênero nas ciências, no Brasil. Revista Gênero, 2016.

MARRERO, Adriana. A agressão feminina na universidade: um caso para a discussão dos efeitos reprodutivos do sistema educacional em relação ao gênero. Jornal argentino de sociologia, v. 4, n. 7, pág. 47-69, 2006.

MELO, Hildete Pereira de; BRASIL. Presidência da República: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Um olhar de gênero sobre o sistema de concessão de Bolsas de Pesquisa no CNPq-2001/2008. Pensando Gênero e Ciência. Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa-2009, 2010, mar. 2010.

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) 2018. Brasília, DF: Ministério do Trabalho, 2019. Disponível em: http://pdet.mte.gov.br/rais. Acesso em: 20 jun. 2020.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Sinopse Estatística da Educação Superior 2017. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 30 jun. 2019.

OHAYON, Pierre et al. As mulheres na pesquisa, no desenvolvimento tecnológico e na inovação: uma comparação Brasil/França. Revista do Serviço Público, v. 57, n. 4, p. 531-548, out./dez. 2006.

LAUREADOS. Prêmio Almirante Álvaro Alberto. 2020. Disponível em: . Acesso em: 20, ago. 2020.

SABOYA, Maria Clara Lopes. Relações de gênero, ciência e tecnologia: uma revisão da bibliografia nacional e internacional. Educação, Gestão e Sociedade, v. 3, n. 12, p. 1-26, nov. 2013.

SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Tradução de Raul Fiker. Bauru, SP: EDUSC, 384p. (coleção mulher), 2001.

TAVARES, Isabel. A participação feminina na pesquisa: presença das mulheres nas áreas do conhecimento. D. Ristoff et al. Simpósio Gênero e Indicadores da Educação Superior Brasileira, p. 31-62, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-240

Refbacks

  • There are currently no refbacks.