Estudo experimental de técnicas de reparo e reforço aplicadas ao concreto estrutural/ Experimental study of repair and strengthening techniques applied to structural concrete

Camily dos Santos Simenes, Marcos Vinícius Hubner, André Luís Gamino

Abstract


Na área de estruturas da Engenharia Civil estuda-se muito sobre o concreto que é considerado o material mais utilizado na construção civil, pois sua perspectiva de vida útil extrapola o esperado sendo consequência da característica de alta resistência. Mesmo que de fato esta característica seja de grande amparo nas construções, ainda sim, problemas são encontrados diariamente, devido falhas na execução ou projeção, falta de manutenção, má utilização das estruturas, danos acidentais e algumas vezes falta de adequação para novos esforços a serem considerados, entre outros danos ambientais que degradam as estruturas. No Brasil á uma grande falta de amparo para pesquisadores sobre este assunto, porém, embasado em alguns estudiosos conseguiu-se desenvolver alguma perspectiva de solução para novos meios de reparo e reforço estrutural, ideia central deste trabalho. O intuito desta pesquisa tem como principal característica a reconstrução estrutural, testando cinco materiais diferentes, sendo eles: concreto convencional, graute cimentício, graute polimérico, fibra ancorada e fibra ondulada. Para o desenvolvimento da mesma, realizou-se a construção de corpos de prova cilíndricos e prismáticos com a finalidade de expô-los á ensaios de compressão e tração na flexão, cujo embasamento teórico seria descobrir qual a resistência encontrada no concreto convencional juntamente com os materiais citados. Como resultado, obtido a partir de testes laboratoriais em corpos de provas, conseguiu-se distinguir boa diferença entre estes materiais, assim descobrindo qual deles obteve melhor desenvoltura juntamente ao concreto, podendo servir para reparo e reforço estrutural.


Keywords


Concreto estrutural, Reparo e reforço estrutural, Degradação.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (1998). NBR NM 67 ‐ Concreto: determinação da consciência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2015). NBR 5738 ‐ Concreto: procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2007). NBR 5739 ‐ Concreto: ensaio de compressão de corpos de prova. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2015). NBR 12655 ‐Concreto de cimento Portland — Preparo, controle, recebimento e aceitação — Procedimento. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2009). NBR 12821 ‐Preparação de concreto em laboratório- procedimentos. Rio de Janeiro.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2010). NBR 12142 ‐ Concreto: Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos. Rio de Janeiro.

BERTOLINI, Luca. Materiais de construção civil: patologia, reabilitação, prevenção. Tradução Leda Maria Marques Dias Beck- São Paulo: Oficina de texto, 2010.

HELENE, P. R. L. Contribuição ao estudo da corrosão em armaduras de concreto armado.1993. 248f. Tese de pós- doutorado- Universidade de São Paulo- Escola Politénica, São Paulo,1993.

SANTOS, M. R. G. Deterioração das estruturas de concreto armado – estudo de caso. 2012. 122f. Tese de conclusão de curso- Universidade Federal de Minas Gerais. Belo horizonte/MG, 2012.

SIKA BRASIL, GOOGLE. Disponível em:https://bra.sika.com/pt/solucoes-produtos/construcao/grautes/graute-cimenticio/grupos-de-produtos-graute-cimenticio/graute-cimenticio-fluido.html. Acesso em: 14 de março de 2018.

SOUZA, V.C.M. ; RIPPER, T. Patologia, recuperação e de reforço de concreto. São Paulo: Pini, 1998.

HELENE, P.R.L.; TERZIAN, P. Manual de Dosagem e Controle do Concreto, São Paulo, SP, Ed. Pini,1992.

ISAIA, G. C. Concreto: Ciência e Tecnologia (Capítulo 22- Durabilidade e Vida Útil das Estruturas de Concreto). IBRACON, 2011.

Figueiredo, A. D. Concreto com fibras de aço / A.D. de Figueiredo. São Paulo: EPUSP, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-215

Refbacks

  • There are currently no refbacks.