A acessibilidade atitudinal de pessoas que praticam automutilação na escola / The attitudinal accessibility of people who practice self-mutilation at school

Rodrigo da Silva Almeida, Lílian Bárbara Cavalcanti Cardoso, Sidycleide Gomes de Souza Lucena, Valdir Ferreira de Lucena Filho, Evellyn Patrícia Santos da Silva, Anderson Pereira Santos, Marcia Cristina Buarque Araújo, Gabriela do Espírito Santo

Abstract


Este texto objetiva refletir sobre a promoção da acessibilidade atitudinal junto a pessoas que praticam automutilação na escola. Abordar este fenômeno se justifica diante do aumento da sua incidência na atualidade e, apesar da importância de duas políticas brasileiras no ano de 2019 (Lei nº 13.189 e Lei nº 13. 968), consideramos que são insuficientes para fomentar a saúde mental e inclusão das pessoas que praticam automutilação. Fundamentados na Psicologia Sócio-Histórica, defendemos a necessidade de uma concepção ampliada de inclusão e a atualização de abordagens para o conhecimento e enfrentamento desse fenômeno, indo além do olhar clínico e neurobiológico, abrangendo os aspectos sociais, históricos e culturais e expressando o interesse pela proposição de políticas públicas que contemplem as opiniões das pessoas que se automutilam.


Keywords


Automutilação. Acessibilidade Atitudinal. Inclusão Escolar. Políticas Públicas. Psicologia.

References


AGUIAR, W. M. J.; BOCK, A. M. B.; OZELLA, S. A Orientação profissional com adolescentes: um exemplo de prática na abordagem sócio-histórica. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Orgs.). Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2015, p. 201-220.

ALMEIDA. R. S. et al. A Prática da automutilação na adolescência: o olhar da psicologia escolar educacional. Cadernos de Graduação: Ciências Humanas e Sociais, Maceió AL, v. 4, n. 3, Maio, 2018, p. 147-160. Disponível em: . Acesso em 29 Jul. 2020.

ALMEIDA, R. S.; VIEIRA, N. M. A Inclusão social de pessoas que praticam a automutilação

sob o olhar da psicologia sócio-histórica de Vigotski. In: CONGRESSO INTERNACIONAL

INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES. Anais do VIII CONINTER. Maceió AL, Fev. 2020, p. 1-14. Disponível em: . Acesso em 16 Abr. 2020.

ALMEIDA JÚNIOR, C. B.; FERNANDES, S. Políticas de acessibilidade no ensino superior: desafios institucionais. Estação Científica (UNIFAP). Macapá, v. 6, n. 3, Dez. 2016, p. 75-83. Disponível em: < https://periodicos.unifap.br/index.php/estacao/article/view/2912>. Acesso em 02 Ago. 2020.

ARANTANGY, E. W. et al. (Org.). Como lidar com a automutilação: guia prático para familiares, professores e jovens que lidam com o problema da automutilação. São Paulo: Hogrefe, 2017.

ARCOVERDE, R. L. Autolesão e produção de identidades. 2013, 88f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Programa de Mestrado em Psicologia Clínica. Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2013. Disponível em: . Acesso em 09 Jun. 2020.

BERNARDES, S. M. Tornar-se (in) visível: um estudo na rede de atenção psicossocial de adolescentes que se automutilam. 2015, 123 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental e Atenção Psicossocial) - Mestrado Profissional em Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: . Acesso em 12 Jun. 2020.

BOCK, A. M. B. A Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M. (Orgs.). Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2015, p. 21-46.

BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 15ª ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

BRASIL, J. S. Acessibilidade atitudinal e pedagógica no ensino superior: caminhos para a inclusão dos estudantes com deficiência na universidade. 2019, 215 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Mestrado Acadêmico em Ensino. Universidade Federal do Pampa, Bagé, 2019. Disponível em: < http://dspace.unipampa.edu.br/handle/riu/4903>. Acesso em 02 Ago. 2020.

BRASIL. Lei Nº 13.189 - Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio. BrasíliaDF, Presidência da República, 26 de abril de 2019. Disponível em: . Acesso em 06 Jul. 2019.

_______. Lei Nº 13.968 - Altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para modificar o crime de incitação ao suicídio e incluir as condutas de induzir ou instigar a automutilação, bem como a de prestar auxílio a quem a pratique. Brasília DF, Presidência da República, 26 de dezembro de 2019. Disponível em: . Acesso em 24 Fev. 2020.

DETTMER, S. E. S. Cutting: uma caracterização do fenômeno em escolas de Dourados (MS). 2018, 132 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em psicologia. Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados MS, 2018. Disponível em: . Acesso em 28 Mar. 2020.

FERREIRA, G. S. Entre cortes e amarrações: considerações psicanalíticas sobre automutilação cutting na adolescência. 2016, 52 f. (Monografia – Trabalho de Conclusão de Curso em Psicologia) – Departamento de Humanidades e Educação, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2016. Disponível em: . Acesso em 14 Fev. 2020.

GUERREIRO, E. M. B. R. A Acessibilidade e a educação: um direito constitucional como base para um direito social da pessoa com deficiência. Revista Educação Especial. Santa Maria, v. 25, n. 43, Ago. 2012, p. 217-232. Disponível em: . Acesso em 04 Ago. 2020.

HENRIQUES, R. L. S. P. A Automutilação nas políticas públicas de saúde mental: um olhar através do biopoder e sociedade disciplinar foucaultiana. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas. Minas Gerais, v. 3, n. 6, Dez. 2018, p. 172-189. Disponível em: . Acesso em 08 Jul. 2020.

JULIANI, M. A Construção de identidades na educação infantil: preconceito, discriminação, estereótipos ou estigmas?. Revista Eventos Pedagógicos. Rio Verde MT, v. 6, n. 4, dez. 2015, p. 321-322. Disponível em: . Acesso em 02 Ago. 2020.

MOURA, N. G. et al. A Arte de educar na diversidade: acessibilidade atitudinal e pedagógica no ensino superior. In: II CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA. II JORNADA CHILENA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Anais do II CINTEDI. Campina Grande PB, sv., sn, Nov. 2016, p. 1-11. Disponível em:

. Acesso em 02 Ago. 2020.

OLIVEIRA, A. A. S. et al. A Contribuição da psicologia sócio-histórica na análise de produção conceitual de juventude. In: MARTIN, S. T. F. (Org.). Psicologia sócio-histórica e contexto brasileiro: interdisciplinaridade e transformação social. Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2015, p.97-112.

OLIVEIRA, L. R. O Significado do trabalho para a juventude – um estudo sócio-histórico com adolescentes ricos. 2011, 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Instituto de Psicologia. Pontífica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em 04 Ago. 2020.

PIVETTA, E. M. et al. Desafios da acessibilidade no ensino superior: estudo de caso na universidade de Aveiro. Revista Educação. Florianópolis SC, v. 39, n. 2, Ago. 2016, p. 166-174. Disponível em: . Acesso em 02 Ago. 2016.

PONTE, A. S.; SILVA, L. C. A Acessibilidade atitudinal e a percepção das pessoas com deficiência. Caderno de Terapia Ocupacional. São Paulo, v. 23, n. sm, 2015, p. 261-271. Disponível em: . Acesso em 24 Ago. 2019.

RIBEIRO, M. A. T.; MARTINS, M. H. M.; LIMA, J. M. A Pesquisa em base de dados: como fazer? In: LANG, C. E. et al. Metodologias: pesquisas em saúde, clínica e práticas psicológicas. Maceió: Edufal, 2015, p. 61-83.

RIBEIRO, S. L. Acessibilidade para a inclusão na escola: princípios e práticas. Sitientibus. Feira de Santana, n. 44, jun. 2011, p. 79-98. Disponível em: . Acesso em 04 de Ago 2020.

RITTER, E.; ROQUE, T. Acessibilidade e informação: a disparidade entre desenvolvimento tecnológico, leis e adaptações dos grandes portais brasileiros. Revista Observatório. Santa Maria RS, v. 2, n. 1, Maio 2016, p. 360-379. Disponível em: . Acesso em 02 Ago. 2020.

SANFELICE, G. R. et al. A Acessibilidade e as barreiras cotidianas: a percepção de Gabriel Feiten e de seus familiares. Espacio Abierto. Maracaibo, v. 23, n. 3, Set. 2014, p. 495-514. Disponível em: < https://www.redalyc.org/articulo.12232258006>. Acesso em 02 Ago. 2020.

SILVA, C. B. C.; BATISTA, S. H. S. S. Apresentação. In: MARTIN, S. T. F. (Org.). Psicologia sócio-histórica e contexto brasileiro: interdisciplinaridade e transformação social. Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2015, p. 7-10.

SCOTT JÚNIOR, V. Acessibilidade às pessoas com deficiência na educação superior: Universidade Federal de Santa Maria RS. X CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO – SIRSSE. Anais X EDUCERE. Curitiba, sv., sn., Nov. 2011, p. 2415-2430. Disponível em: . Acesso em 02 Ago. 2020.

SILVA, R. T. A Banca da ciência e a pessoa com deficiência visual: um estudo sobre a acessibilidade atitudinal na difusão científica. 2018, 298 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: . Acesso em 02 Ago. 2020.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VIGOTSKI, L. S. A Formação social da mente. 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. A Construção do pensamento e da linguagem. 2ª ed. São Paulo: Martins

Fontes, 2008.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

WALKER, S. Literature reviews: generative and transformative textual conversations. Forum Qualitative Sozialforschung: Forum Qualitative Social Research, v. 16, n. 3, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-187

Refbacks

  • There are currently no refbacks.