Percepção da sobrecarga de idosos que cuidam de idosos / Perception of the burden of elderly caregivers of elderly

Maria Tayná Silva Feitosa, Victor do Amaral Dias, Deuzany Bezerra de Melo Leão, Anderson Vicente da Silva, Fabia Maria de Lima

Abstract


Estudos que associem o impacto da sobrecarga em idosos cuidadores de idosos a vulnerabilidade para doenças, são em pequeno número e foram realizados em populações com perfil diferente da brasileira. Este artigo objetiva identificar a percepção da sobrecarga de idosos que cuidam de idoso. Foi desenvolvido no ambulatório de geriatria do Hospital Universitário Oswaldo Cruz-HUOC/Recife-PE, por meio de entrevista semiestruturada, dividida em quatro eixos: Perfil sócio-demográfico, hábitos do cuidador, dados associados ao cuidado e escalas de avaliação, tendo objetivo de abranger o máximo de temáticas possíveis. Atenderam aos critérios estabelecidos um total de 4 pacientes acompanhados em um determinado período de tempo. Dentre eles, três apresentaram leve sobrecarga de trabalho e apenas um não apresentou sobrecarga. Foi possível a associação da sobrecarga de acordo com o nível de dependência dos idosos que recebiam os cuidados, além disso, foi detectado dois casos suspeitos de depressão. Conclui-se que o idoso cuidador deve ser assistido como um ser totalmente individualizado, com condições sociais e de saúde especificas, necessitando de acompanhamento singular que se adeque a realidade vivenciada pelo mesmo. Além disso, estimula-se o desenvolvimento de estratégias que visem a melhoria da autoestima dos cuidadores e o autocuidado voltados a saúde desse grupo.


Keywords


Saúde do Idoso, Cuidadores, Qualidade de vida.

References


BRASIL, Lei n° 10741/2003 de 1 de outubro de 2013. Estatuto do Idoso. Diário Oficial da União. 2013; 3 out.

UNITED NATIONS, DEPARTMENT OF ECONOMIC AND SOCIAL AFFAIRS, POPULATION DIVISION (2017). World Population Prospects: The 2017 Revision, Key Findings and Advance Tables. WorkingPaper No. ESA/P/WP/248.

SILVA, H.S.; LIMA, A.M.M.; GALHARDONI, R. Successful aging and health vulnerability: approaches and perspectives. Interface - Comunic.,Saude, Educ.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 108p.

BARBOSA BR, ALMEIDA JM, BARBOSA MR et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciênc. saúde coletiva.2014 Aug; 19( 8 ): 3317-3325.

MINOSSO JSM, AMENDOLA F, ALVARENGA MRM, OLIVEIRA MA DE C. Validação, no Brasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paul Enferm.2010 Apr;23(2):218–23.

CASADO, L., VIANNA, L.M., THULER, L.C.S. (2009). Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis no Brasil: Uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Cancerologia 2009; 55(4): 379-388.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Dispõe sobre o regulamento técnico de funcionamento de serviços que prestam atenção domiciliar RDC nº 11 de 30 de janeiro de 2006. Brasília: Diário Oficial da União 2006; jan.

SOUSA L, FIGUEIREDO D; CERQUEIRA M. Envelhecer em família: Os cuidados familiares na velhice. 2. ed. Lisboa: Ambar, 2006. 145 p.

ZARIT SH, ZARIT JM. The memory and behaviour problems checklist and the burden interview,1983. Technical report. PennsylvaniaStateUniversity.

DUARTE YAO. Desempenho funcional e demandas assistenciais. In: Lebrão ML, Duarte YAO, editoras. SABE: Saúde, Bem-estar e Envelhecimento: o Projeto SABE no município de São Paulo: uma abordagem inicial. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2003. p. 183-200.

BARBOSA BR, ALMEIDA JM, BARBOSA MR ET AL. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciênc. saúde coletiva.2014 Aug; 19( 8 ): 3317-3325.

TALMELLI, L. F. S., GRATÃO, A. C. M., KUSUMOTA, L., RODRIGUES R. A. P. (2010). Nível de independência funcional e déficit cognitivo em idosos com doença de Alzheimer. RevEscEnferm USP 2010; 44(4):933-9 www.ee.usp.br/reeusp/933.

BRUCKI, S.M.D. et al. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2003, vol.61, n.3B, pp.777-781.ISSN0004-282X. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2003000500014.

VINK D, AARTSEN MJ, SCHOEVERS RA. Risk factors for anxiety and depression in the older: a review. J Affect Disord.2008;106(1-2):29-44.

DJERNES JK. Prevalence and predictors of depression in populations of elderly: a review. Acta Psychiatr Scand.2006;113(5):372-387.

SNOW V, LASCHER S, MOTTUR-PILSON C. Pharmacologic Treatment of Acute Major Depression and Dysthymia: Clinical Guideline, Part 1. Ann Intern Med.2000 May 2;132(9):738.

LOUREIRO, L. D. S. N., FERNANDES, M. D. G. M., MARQUES, S., DA NOBREGA, M. M. L., & RODRIGUES, R. A. P. (2013). Sobrecarga de cuidadores familiares de idosos: prevalência e associação com características do idoso e do cuidador. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(5), 1129-1136.

RODRIGUES, S. L. A., WATANABE, H. A. W., & DERNTL, A. M. (2006). A saúde de idosos que cuidam de idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 40(4), 493-500.

FERNANDES MGM, GARCIA TR. Determinantes da tensão do cuidador familiar de idosos dependentes. RevBrasEnferm. 2009;62(1):57-63.

FONSECA NR, PENNA AFG, SOARES MPG. Ser cuidador familiar: um estudo sobre as consequências de assumir este papel. PhysisRev Saúde Coletiva. 2008;18(4):727-43.

INOUYE K, PEDRAZZANI ES, PAVARINI SCI. Octogenários e cuidadores: perfil sócio-demográfico e correlação da variável qualidade de vida. Texto Contexto Enferm. 2008;17(2):350-7

GRATAO, A. C. M., VENDRÚSCOLO, T. R. P., TALMELLI, L. F. D. S., FIGUEIREDO, L. C., SANTOS, J. L. F., & RODRIGUES, R. A. P. (2012). Sobrecarga e desconforto emocional em cuidadores de idosos. Texto & Contexto Enfermagem, 21(2), 304-312.

OLIVEIRA, D. C. D., CARVALHO, G. S. F. D., STELLA, F., HIGA, C. M. H., & D'ELBOUX, M. J. (2011). Qualidade de vida e sobrecarga de trabalho em cuidadores de idosos em seguimento ambulatorial. Texto & Contexto: Enfermagem, 234-240.

DEL DUCA GF, MARTINEZ AD, BASTOS GAN. Perfil do idoso dependente de cuidado domiciliar em comunidades de baixo nível socioeconômico de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(5):1159-65.

KARSCH UM. Envelhecimento com dependência: revelando cuidadores. São Paulo: EDUC; 1998.

VILAÇA, C. M., DOS SANTOS BARREIROS, D., DE ANDRADE GALLI, F., BORÇARI, I. T., DE ANDRADE, L. F., GOULART, M. A., ... & CARNEIRO, M. L. M. (2005). O autocuidado de Cuidadores Informais em Domicílio–percepção de acadêmicos de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-183

Refbacks

  • There are currently no refbacks.