Perfil clínico-epidemiológico-nutricional em crianças e adolescentes de 0-14 anos internados em hospital de referência de Recife de 2016-2017, que evoluíram para óbito / Clinical-epidemiological-nutritional profile in children and adolescents aged 0-14 years admitted to a reference hospital in Recife from 2016-2017, who evolved to death

Rafaella Casé de Lima, Sylvia Chacon Tavares, Arthur Burgos Souto Maior, Luis daniel Nobrega Santos, Regina Coeli Ferreira Ramos

Abstract


INTRODUÇÃO: A Mortalidade infantil reflete os óbitos que ocorrem no primeiro ano de vida e tem bom efeito como indicador do nível de desenvolvimento socioeconômico de uma determinada região, o que torna importante investigar as causas para direcionar as ações de saúde, visando à redução da mortalidade. OBJETIVO: Caracterizar o perfil clínico, epidemiológico e nutricional de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos internados em hospital de referência da cidade do Recife no período de 2016 a 2017, que evoluíram para o óbito. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo observacional transversal retrospectivo realizado através da análise de prontuários de pacientes hospitalizados. Foram incluídos na amostra os pacientes internados na enfermaria e/ou UTI do Hospital Infantil Maria Lucinda, com idade entre 0 e 14 anos que evoluíram para o óbito, no período de 2016 a 2017. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Foram analisados 2.178 prontuários, dos quais 21 (0,96%) se adequaram aos critérios de elegibilidade. A amostra foi composta 100% por neonatos com média de idade de 7,95 dias (0-29 /DP=7,91), sendo 11 (52,38%) do sexo feminino. Nos dados clínicos 15 (71,43%) apresentaram algum grau de hipóxia no 1º minuto, no 5° minuto 07 (33,34%) se mantiveram com sinais de hipoxemia, mostrando um dado preditivo de mau prognóstico. A sepse neonatal foi atribuída a 10 (47,62%) dos óbitos da amostra, sendo ela a maior causa de morte neonatal no mundo, além de um problema de saúde pública. Quanto ao peso no nascimento 12 (57,14%) dos neonatos apresentaram algum grau de distrofia, no entanto a interpretação desse dado depende da associação com a idade gestacional no momento do parto, o que não foi possível no presente estudo. CONCLUSÃO: Faz-se necessário a realização de estudos mais aprofundados para caracterização minuciosa do padrão de mortalidade neonatal nos hospitais do Brasil, a fim de nortear a elaboração de políticas públicas e protocolos clínicos efetivos, no intuito de diminuir esse índice para benefício da população geral.


Keywords


Mortalidade Infantil, Sepse Neonatal, Antibacterianos, Hipóxia, Peso Ao Nascer.

References


AL-MATARYA, Abdulrahman et al. Characteristics of neonatal Sepsis at a tertiary care hospital in Saudi Arabia. Journal of Infection and Public Health, available online 13 April 2019;

ALFRADIQUE, Maria Elmira et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP–Brasil). 2009;

ASTAL, Z. Epidemiological survey of the prevalence of parasites among children in Khan Younis governorate, Palestine. Parasitology research, v. 94, n. 6, p. 449-451, 2004;

BILLINGS, John et al. Impact of socioeconomic status on hospital use in New York City. Health affairs, v. 12, n. 1, p. 162-173, 1993;

BISPO, Karine Tábata de Carvalho et al. Tendência da mortalidade por desnutrição em crianças menores de quatro anos de idade no Brasil. Gazeta Médica da Bahia, n. 1, 2010;

BLACK, Robert E. et al. Global, regional, and national causes of child mortality in 2008: a systematic analysis. The lancet, v. 375, n. 9730, p. 1969-1987, 2010;

BANDA, Masford et al. Spatial modelling of perinatal mortality in Mchinji, Malawi. Spatial and Spatio-temporal Epidemiology 16 (2016) 50–58;

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Marco teórico e referencial: saúde sexual e saúde reprodutiva de adolescentes e jovens, Brasília, DF, 2006;

CALDEIRA, Antônio P.; FRANÇA, Elizabeth; GOULART, Eugênio A. M. Mortalidade infantil pós-neonatal evitável: o que revelam os óbitos em domicílio. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 2, n. 3, p. 263-74, set./dez. 2002;

CARETI, Camila Marques; SCARPELINI, Ana Helena Parra; FURTADO, Maria Cândida de Carvalho. Perfil da mortalidade infantil a partir da investigação de óbitos. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 16, n. 2, p.1-9, 30 jun. 2014;

CARVALHO, Renata Alves da Silva et al. Desigualdades em saúde: condições de vida e mortalidade infantil em região do nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública fev 2015;49:5;

DIAS, Barbara Almeida Soares; Neto, Edson Theodoro dos Santos; Andrade, Maria Angélica Carvalho. Cad. Saúde Pública jan. 2017; 33(5);

FILHO, Augusto Cezar Antunes de Araújo et al. Mortalidade infantil em uma

Capital do nordeste brasileiro. Enferm. Foco 2017; 8 (1): 32-36;

FRANÇA, Elisabeth Barboza et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol MAIO 2017; 20 SUPPL 1: 46-60;

FONSECA, Sandra Costa et al. Escolaridade e idade materna: desigualdades no óbito neonatal. Rev Saude Publica. 2017; 51:94;

FLEISCHMANN-STRUZEK, Carolin et al. The global burden of paediatric and neonatal sepsis:a systematic review. Lancet Respir Med 2018; 6: 223–30;

GAIVA, Maria Aparecida Munhoz; Fujimori, Elizabeth; Sato, Ana Paula Sayuri. Fatores de risco maternos e infantis associados à mortalidade neonatal. Texto contexto - enferm. vol.25 no.4 dez 2016;

LAURENTI, R. Mortalidade infantil nos Estados Unidos, Suécia e Estado de São Paulo. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 21, p. 268-273, 1987;

LAWN, Joy E.; Cousens, Simon; Zupan, Jelka. 4 million neonatal deaths: When? Where? Why? Lancet 2005; 365: 891–900 March 3, 2005;

LEHTONEN, Liisa et al. Early neonatal death: A challenge worldwide. Seminars in Fetal & Neonatal Medicine (2017) Volume 22, Issue 3, page 153-160;

LEPRI, Patricia Maria Fassina. A criança e a doença: da fantasia à realidade. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, dez. 2008;

LIU, Li et al. Global, regional, and national causes of child mortality in 2000–13, with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis. The lancet, v. 385, n. 9966, p. 430-440, 2015;

LIU, Li et al. Global, regional, and national causes of child mortality: an updated systematic analysis for 2010 with time trends since 2000. The lancet, v. 379, n. 9832, p. 2151-2161, 2012;

LIU, Li et al. Global, regional, and national causes of under-5 mortality in 2000–15: an updated systematic analysis with implications for the Sustainable Development Goals. The Lancet, v. 388, p. 3027-3035, DECEMBER 17, 2016;

NEWMAN, Roger B.; Mauldin, Jill G.; Ebeling, Myla. Risk factors for neonatal death in twin gestations in the state of South Carolina. Am J Obstet Gynecol 1999; 180:757-62;

OLIVEIRA, Ana Beatriz Francioso de et al. Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010; 22(3):250-256;

OLIVEIRA, Z. A. R. et al. Factors associated with infant and adolescent mortality. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 40, n. 9, p. 1245-1255, 2007;

OLIVEIRA, Beatriz Rosana Gonçalves de et al. Causas de hospitalização no SUS de crianças de zero a quatro anos no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 13, n. 2, p. 268-277, 2010;

OLIVEIRA, Conceição Maria de et al. Mortalidade infantil: tendência temporal e contribuição da vigilância do óbito. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 29, n. 3, p. 282-290, jun. 2016;

OLIVEIRA, Helena de. A enfermidade sob o olhar da criança hospitalizada. Cadernos de saúde pública, v. 9, n. 3, p. 326-332, 1993;

OZA, Shefali; Cousens, Simon N; Lawn, Joy E. Estimation of daily risk of neonatal death, including the day of birth, in 186 countries in 2013: a vital-registration and

modelling-based study. Lancet Glob Health 2014; 2: e635–44;

PAES, Carlos EN; GASPAR, Vera LV. Unintentional injuries in the home environment: home safety. Jornal de pediatria, v. 81, n. 5, p. s146-s154, 2005;

PEREIRA, M. G. Mortalidade. In: Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.126-129, 1995;

PHEBO, Luciana et al. Violência urbana: um desafio para o pediatra. J Pediatr, v. 81, n. Supl 5, p. S189-96, 2005;

Rede Interagencial de Informação para a Saúde - RIPSA. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 2008;

SILVA, Larissa Mariana; Bicalho, Elizaine Aparecida Guimarães; Caixeta, Ana Carolina Magalhães. Incidência de óbitos por sepse em neonatos. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(3), 20-31. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-175

Refbacks

  • There are currently no refbacks.