O perfil socioeconômico e tecnológico dos orizicultores no município de São Mateus Do Maranhão / The socioeconomic and technological profile of the rice producers in São Mateus Do Maranhão

Uelson Serra Garcia, Alcido Elenor Wander, Luciano Cavalcante Muniz, Cleyzer Adrian da Cunha, Carlos Magri Ferreira

Abstract


Com o objetivo de estudar o perfil socioeconômico e tecnológico dos orizicultores no município de São Mateus do Maranhão, foram aplicados questionários estruturados, além do uso de dados secundários com pesquisa bibliográfica e documental. Com o levantamento dos dados, foi possível observar que a atividade da orizicultura em São Mateus do Maranhão é desenvolvida tanto por pequenos, médios e grandes produtores, com 73% organizados em associações, 24% em Sociedade Limitada (Ltda.) e 3% em empresa familiar, utilizando dois sistemas de cultivo, o irrigado e o sequeiro favorecido. Os resultados demonstram que a comercialização e a aquisição de novas tecnologias são uns dos principais entraves para os produtores, principalmente os pequenos, que têm dificuldades em obter tecnologias para melhorar a atividade e pouco acesso aos mecanismos de inserção no mercado. Isso aponta para a necessidade de políticas públicas que visem a uma assistência técnica direcionada para os canais de comercialização e, sobretudo, acompanhamento técnico efetivo.


Keywords


Associações, Inovação tecnológica, Comercialização.

References


ABREU, G. B.; SANTIAGO, C. M. Guia Prático: manejo do arroz de sequeiro favorecido. Brasília, DF: Embrapa, 2018.

AZAMBUJA, I. H. V.; GOMES, S.; TERRES, A. L. Situação atual do arroz irrigado no Rio grande do Sul e perspectivas futuras. In: Série Culturas Arroz. Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Porta Alegre: 2002.

BATALHA, M. O.; SILVA, A. L. Gerenciamento de sistemas agroindustriais: definições, especificidades e correntes metodológicas. In: BATALHA, M. O. (Org.). Gestão Agroindustrial. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2007, v.1, p.25-73.

BRASIL. Lei nº 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do Agronegócio 2016/17 a 2026/27: Projeções de longo prazo. Brasília. 2017.

BUOSI, T.; MUNIZ, L. C.; FERREIRA, C. M. Caracterização e Diagnóstico da Cadeia Produtiva do Arroz no Estado do Maranhão. Brasília, DF: 2013.

CRUZ, M. R. DA et al. Produção Integrada de Maçã (PIM) – processo inovador na cadeia produtiva da maçã brasileira. RAI Revista de Administração e Inovação, v.9, n.3, p.213-230, 2012.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos Quantitativos e Qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v.2, n.4, p.1-13, 2008.

FARINA, E. Q. M.; ZYLBERSZTAJN, D. Relações tecnológicas e organização dos mercados do sistema agroindustrial de alimentos. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v.8, n.1/3, p.9-27, 1991.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P. MANUAL DE ANÁLISE DE DADOS: Estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata. São Paulo-SP, Elsevier, 2017.

FERREIRA, C. M. Rede Brasil Arroz: transferência de tecnologia valorizando o protagonismo e atribuições de parceiros na cadeia produtiva. Embrapa Arroz e Feijão-Documentos (INFOTECA-E), 2014.

FERREIRA, C. M.; MORCELLI, P. Mercado e comercialização. In: Santos, A. B.; Stone, L. F. Vieira. N. R. A.. (Org.). A cultura do arroz no Brasil. 1/2ed.Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2006, v.1, p.983-1000.

GLOBAL RICE SCIENCE PARTNERSHIP (GRISP). Rice almanac. Los Baños, Phillippines: international Rice Research Institute, 2013.

GUIMARÃES, C. M.; SANTOS, A. B.; MAGALHAES JUNIOR, A. M.; STONE, L. F. Sistemas de cultivo. In: SANTOS, A. B. dos; STONE, L. F.; VIEIRA, N. R. de A. (Org.). A cultura do arroz no Brasil. 2ª ed. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2006, p.53-96.

LEMOS, C. Inovação na Era do Cohecimento. Parcerias Estratégicas, p.157-179, 2000.

LOURENZANI, W. L. Capacitação gerencial de agricultores familiares: uma proposta metodológica de extensão rural. Organizações Rurais & Agroindustriais, v.8, n.3, p.313-322, 2006.

MARANHÃO. Atlas do Maranhão. Gerência de Planejanto e Desenvolvimento Econômico, Laboratório de Geoprocessamento, UEMA, São Luís, MA. GEPLAN, 2002.

MÉNDEZ DELVILLAR, P.; DUCOS, A.; FERREIRA, N. L. S.; PEREIRA, J. A.; YOKOYAMA, L. P. Cadeia produtiva do arroz no Maranhão. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2001. 136 p.

MORICOCHI, L.; GONÇALVES, J. S. TEORIA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE SCHUMPETER: UMA REVISÃO CRÍTICA. Informações Econômicas, v.24, n.8, p.28-35, 1994.

NETO, I. R. Inovação tecnológica. Revista Educação & Tecnológia, 1997.

NORTH, D. C. Intitutions. Journal of Economic Perspectives, v.5, n.1, p.97-112, 1991.

PARAGINSKI, A. L. A natureza das inovações em agroindústrias de arroz no Rio Grande do Sul. Review of Administration and Innovation - RAI, v.11, n.1, p.55, 2014.

PIAIA, T. C. Instituições, organizações e mudança institucional: análises e perspectivas. Justiça do Direito, v.27, n.2, p.257-274, 2013.

SAES, M. S. M.; SILVEIRA, R. L. F. D. Novas formas de organização nas cadeias agropecuárias brasileiras: tendências recentes. Estudos Sociedade e Agricultura, v.22, n.2, p.386-407, 2014.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico - uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, 1997.

SECRETARIA DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E PESCA - SAGRIMA. Governador anuncia investimentos de R$ 3 mi no projeto Salangô. Disponível em: . (PORTAL SAGRIMA, 2015). Acesso em: 30 set. 2018.

SECRETARIA DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E PESCA DO ESTADO DO MARANHÃO. Programas e Ações. SAGRIMA, 2017. Disponível em: Acesso em: 15 nov. 2017.

SEREIA, V. J.; STAL, E.; CÂMARA, M. R. G. D. Fatores determinantes da inovação nas empresas agroindustriais de carne. Nova Economia, v.25, n.3, p.647-672, 2015.

SILVA, O. F. DA; WANDER, A. E. O Arroz no Brasil : Evidências do Censo Agropecuário 2006 e Anos Posteriores. Embrapa Arroz e Feijão. Santo Antônio de Goiás: 2014. p.58.

SOSBAI. ARROZ IRRIGADO: Recomendações Técnicas da Pesquisa para o Sul do Brasil. Pelotas, RS, SOSBAI, 2016.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Lelivros, 2006.

VIEIRA, A. C. P. et al. ANÁLISE NAS INOVAÇÕES NA CADEIA PRODUTIVA DO ARROZ NA REGIÃO SUL CATARINENSE: AMESC E AMREC. III Seminário de Ciências Sociais Aplicadas. Anais...Criciúma: 2012.

VIEIRA FILHO, J. E. R.; SILVEIRA, J. M. F. J. Mudança tecnológica na agricultura: uma revisão crítica da literatura e o papel das economias de aprendizado. Revista de Economia e Sociologia Rural, v.50, n.4, p.721-742, 2012.

VOLPATO, M.; CIMBALISTA, S. O processo de motivação como incentivo à inovação nas organizações. Revista FAE, v.5, p.75-86, 2002.

WANDER, A. E. A competitividade do agronegócio brasileiro de arroz. Organizações & Sociedade, v.2, p.1-14, 2006.

WANDER, A. E.; CUNHA, C. A. Concentração no mercado mundial de arroz : algumas evidências empíricas. Revista de Economia do Cento-Oeste, v.4, n.1, p.2-12, 2018.

WILKINSON, J. Agroindústria: articulação com os mercados e capacidade de integração sócio-econômica da produção familiar. 1994.

ZAMBERLAN, C. O.; WAQUIL, P. D.; HENKIN, H. Interligando a cadeia produtiva na indústria de beneficiamento do arroz. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v.11, n.1, p.186-214, 2013.

ZONTA, J. B.; SILVA, F. B. Dinâmica da orizicultura no Maranhão. Revista Política Agrícola, p.116-132, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-166

Refbacks

  • There are currently no refbacks.