Tristeza Parasitária Bovina: Revisão / Tick Borne Desease: Review

Carla Andressa Dierings, Maurício Orlando Wilmsen

Abstract


O Complexo Tristeza Parasitária Bovina (TPB) é uma enfermidade ocasionada pelos hemoprotozoários Babesia bovis e Babesia bigemina, e pela rickettsia Anaplasma marginale, sendo a doença de maior importância na bovinocultura brasileira. A enfermidade pode ser transmitida biologicamente pelo carrapato Rhipicephalus (Boophilus) microplus, considerado endêmico no Brasil devido ao clima tropical e subtropical. O Anaplasma marginale pode também ser transmitido de forma mecânica e iatrogênica. Os principais sinais clínicos observados consistem em febre, icterícia, hemoglobinúria, anorexia, prostração, diminuição do consumo de alimentos e da ruminação, os quais resultam em grandes prejuízos econômicos. Em infecções por B. bovis, também chamada de Babesiose cerebral, ocorre sequestro de eritrócitos parasitados nos capilares da substância cinzenta do encéfalo, resultando em quadro neurológico. Para realizar o diagnóstico correto da doença é preciso conhecer os aspectos epidemiológicos, sinais clínicos, ciclo biológico, achados de necrópsia e dados laboratoriais, além de realizar uma adequada conduta terapêutica e profilática. Um dos métodos empregados na  profilaxia desta patologia é a premunição, a qual confere proteção à infecção, mesmo que ocorra variação entre as amostras das espécies dos agentes. Em suma, este trabalho objetivou revisar os principais aspectos do Complexo Tristeza Parasitária Bovina e premunição.


Keywords


Anaplasma marginale, Babesia bigemina, Babesia bovis, imunoprofilaxia

References


Almeida M. B., Tortelli F. P., Riet-Correa B. R., Ferreira J. L. M., Soares M. P., Farias N. A., Riet-Correa F. R., Schild A. L. (2006). Tristeza parasitária bovina na região sul do Rio Grande do Sul: estudo retrospectivo de 1978-2005. Pesquisa Veterinária Brasileira 26(4):236-242.

Andreotti, R.; Koller, W. W.; Garcia, M. V. (2016). Carrapatos: protocolos e técnicas para estudo. 217 p. Brasília, DF: Embrapa.

Bracarense APFL, Vidotto O, Cruz GD. Transmissão congênita de Babesia bovis (2001). Arq Bras Med Vet Zootec. https://doi.org/10.1590/S0102-09352001000400017

Costa V. M. M., Rodrigues A. L., Medeiros J. M. A., Labruna M. B., Simões S. V. D., Riet-Correa F. (2011). Tristeza parasitária bovina no Sertão da Paraíba. Pesquisa Veterinária Brasileira. 31(3), 239-243. https://doi.org/10.1590/S0100-736X2011000300009

Farber M., Wilkowsky S., Guillemi E., Arias L. L., Ortiz J. J., Paoletta M., Montenegro V., Fourniere S. (2016). “Bovine Sadness Complex” (piroplasmosis), a great problem for tropical and subtropical regions. Biological and Health Sciences.

Gonçalves, R. C., Silva, A. A., Ferreira, D. O. L., Chiacchio, S. B., Lopes, R. S., Borges, A. S., & Amorim, R. M. (2011). Tristeza Parasitária em bovinos na região de Botucatu – SP: estudo retrospectivo de 1986 – 2007. Semina: Ciências Agrárias, 32(1), 307. https://doi.org/10.5433/1679- 0359.2011v32n1p307

Gonçalves, P. M. (2000). Epidemiologia e controle da tristeza parasitária bovina na região sudeste do Brasil. Ciência Rural, v. 30, n. 1, p. 187-194. https://doi.org/10.1590/S0103-84782000000100030

Hebert K. S., Seidman D., Oki A.T., Izac J., Emani S., Oliver L. D., Jr, Miller D. P., Tegels B. K., Kannagi R., Marconi R. T., Carlyon J. A. (2017). Anaplasma marginale outer membrane protein A is an adhesin that recognizes sialylated and fucosylated glycans and functionally depends on an essential binding domain. Infection and Immunity. https://doi.org/10.1128/IAI.00968-16

Kessler, R. H. (2001). Considerações sobre a transmissão de Anaplasma marginale. Pesquisa Veterinária Brasileira, 21(4), 177–179. https://doi.org/10.1590/S0100-736X2001000400009

Kessler, R. H., Soares C. O., Madruga C. R., Araújo F. R. (2002). Tristeza Parasitária dos Bovinos: Quando Vacinar é Preciso. Embrapa Gado de Corte, Campo Grande- MS. Ed. 21, 10-27.

Manica S. (2013). Tristeza Parasitária Bovina Revisão Bibliográfica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Melo, S. A.; Carvalho Neta, A. V. Estratégias de controle na Babesia bovina (2009). Beefpoint educação.

Miraballes C., Lara S., Lorenzelli E., Lemos E., Riet-Correa F. (2018). Eficacia de dos vacunas, congelada y refrigerada, contra la tristeza parasitaria bovina. Veterinaria (Montev.) 54(209), pp. 10-17.

Monteiro S. G. (2017). Parasitologia na Medicina Veterinária. 370 p. 2. ed. – Rio de Janeiro: Roca.

Paiva R. R. L. T., Costa O. A., Marques Í. S., Silva B. A., França A. C. S., Mayer L. L., Seal D. C. M., Dias R. V. C. (2020). Anaplasmose bovina- Relato de caso. Revista de Agroecologia no Seminárido, 4(4) p.91-95.

Quevedo L. S., Quevedo P. S. (2020). Aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos da babesiose bovina. Pubvet v.14, n.9, p.1-7. https://doi.org/10.31533/pubvet.v14n9a650.1-7

Sacco, A. M. S. (2001). Controle/profilaxia da tristeza parasitária bovina. Embrapa Pecuária Sul, Circular Técnica (INFOTECA-E), 1–3.

Santarosa, B. P., Dantas, G. N., Ferreira, D. O. L., Rocha, N. S., Gonçalves, R. C., Amorim, R. M., & Chiacchio, S. B. (2013). Infecção neurológica por Babesia bovis em bovino neonato: relato de caso. Veterinária e Zootecnia, 9–14.

Santos G. B., Gomes I. M. M., Silveira J. A. G., Pires L. C. S. R., Azevedo S. S., Antonelli A. C., Ribeiro M. F. B., Horta M. C. (2017). Tristeza Parasitária em bovinos do semiárido pernambucano. Pesquisa Veterinária Brasileira, 37 (1), pp. 1-7. https://doi.org/10.1590/s0100-736x2017000100001

Santos, L. R.; Gaspar, E. B.; Benavides, M. V.; Trentin, G. (2019). Tristeza Parasitária Bovina- Medidas de controle atuais. Cap 6, p. 86-97. In: Andreotti, R.; Garcia, M. V.; Koller, W. W. (Ed.). Carrapatos na cadeia produtiva de bovinos. Brasília, DF: Embrapa.

Santos, L. R. et al (2019). Tristeza Parasitária Bovina- Medidas de controle atuais. Embrapa, cap 6, p. 86-97.

Santos E. C., Oliveira L. L., Silva E. A. M., Paula S. O. (2009). Pré-imunização e tratamento de tristeza parasitária em bovinos leiteiros. II Simpósio Nacional de Bovinocultura de Leite.

Schaeffer R. F. (2013). Quimioprofilaxia e desenvolvimento de imunidade para Tristeza Parasitária Bovina. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Sergent, E.; Parrot, L. & Donatien, A. (1924). Une question de terminologie: Immunizer et preminir. Bul. Soc. Pathol. Exot.

Silva et al., (2013). Prevalência sorológica e molecular de Babesia bovis e Babesia bigemina em búfalos (Bubalus bubalis) na Ilha de Marajó, Pará. Pesquisa Veterinária Brasileira, 33(7), 847–850. https://doi.org/10.1590/S0100-736X2013000700003

Silva T. F., Sobrinho A. V. A., Lima L. F. S., Ziemniczak H. M., Ferraz H. T., Lopes D. T., Silva V. L. D., Braga S. A., Saturnino K. C., Ramos D. G. S. (2021). Tristeza Parasitária Bovina- Revisão. Research, Society and Development, v. 10, n.1. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11631

Taylor M. A., Coop R. L., Wall R. L. (2017). Parasitologia Veterinária. 4. Ed. 4. ed. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Teruel G. M., Santos M. S. P., Gomes I. T., Astrauskas J. P., Nagashima J. C., Sacco S. R., Avanza M. F. B., Bastista J. C. (2009). Anaplasmose Bovina- Relato de Caso. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária.

Trindade, H. I., Almeida, K. S., Freitas, F. L. C. (2011). Tristeza Parasitária Bovina- Revisão de literatura. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-165

Refbacks

  • There are currently no refbacks.