“Partos cesáreas: análise pela classificação de Robson X experiências de puérperas do sistema único de saúde (SUS) assistidas no hospital Santa Lucinda De Sorocaba-SP” / “Cesarean births: analysis by Robson classification X postpartum women experiences of the single health system (SUS) assisted at Santa Lucinda Hospital Of Sorocaba-SP”

Joe Luiz Vieira Garcia Novo, Maria Júlia Varges do Vale, Raísa Arantes de Arruda Zanoni

Abstract


Objetivo: realizar estudo abrangendo os partos cesáreas realizados segundo a classificação de Robson em 10 grupos de características obstétricas básicas, associando-os provavelmente às experiências ou impressões das pacientes submetidas aos procedimentos cirúrgicos do Hospital Santa Lucinda (HSL).  Métodos: estudo prospectivo, de 96 puérperas de cesáreas, no período de 01/08/2018 a 20/07/2019, analisando suas experiências assistenciais em entrevista de questionário psicométrico tipo Likert, e de dados de prontuários. Resultados: após análises estatísticas realizadas por teste de qui-quadrado para tabelas de contingência e correções mediante simulação de Monte Carlo, notou- se que nas experiências das puérperas há prevalência, ainda que não significante, dos sentimentos assistenciais positivos (atuação do obstetra, primeiro encontro com seu filho e ação da enfermagem), sobre os negativos (dor no pós-parto, sofrimento durante a parturição ou medo de morrer durante a cirurgia), isto é, resultados com valores de p > 0,05. Estes resultados não foram dependentes da localização das pacientes dentro dos 10 grupos da classificação de Robson. Conclusão: as experiências ou sentimentos psicométricos das puérperas submetidas a parto cesáreo no HSL não estiveram interdependentes (distribuídos ou associados) ao tipo de grupo de pacientes da Classificação de Robson.


Keywords


gravidez, parto cesárea, classificação de Robson, experiências ou sentimentos de puérperas.

References


Cecatti JG, Calderon IRMP. Intervenções benéficas durante o parto para a prevenção de mortalidade materna. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27: 357-65.

Bezerra MGA, Cardoso MVLML. Fatores interferentes no comportamento das parturientes: enfoque na etnoenfermagem. Rev Bras Enferm. 2005; 58: 698-702.

Silva SALC, Moraes Filho OB, Costa CFF. Análise dos fatores de risco anteparto para ocorrência de cesárea. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27:189-96.

Declaração da OMS Sobre Taxas de Cesáreas; [acesso em 10 de jun 2019]. Disponível em: (http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf?u).

UNICEF alerta para elevado número de cesarianas no Brasil; [acesso em 15 jun 2019]. Disponível em: (https://nacoesunidas.org/unicef-alerta-para-elevado-numero-de-cesarianas-no-brasil/).

Brasil entre os campeões de cesárias; [acesso em 15 jun 2019]. Disponível em: (https://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/brasil-e-vice-campeao-em-cesareas-e-esta-bem-longe-de-mudar/#).

Clode N. A classificação de Robson: Apenas uma forma de classificar cesarianas?. Acta Obstet Ginecol Port, Coimbra. 2017; 11: 80-2.

FIGO Working Group on Challenges in Care of Mothers and Infants during Labour and Delivery. Best practice advice on the 10-Group Classification System for cesarean deliveries. Int J Gynecol Obstet 2016 Nov;135:232-3.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica da Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília (DF). Avaliação crítica do tipo de parto. 2001. p. 32-7.

Neme B, Zugaib M. Assistência Pré-natal. In: Neme B, editor. Obstetrícia Básica. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; 2006. p. 104-19.

As novas regras sobre parto na assistência complementar. Rev. SOGESP. 2015. 117: 8-9.

DATASUS/CNES; [acesso em 25 de fev 2019]. Disponível em: http://www.hospitalsantalucinda.com.br/hospital/historia.html.

Leão MRC, Riesco MLG, Schneck CA, Angelo M. Reflexões sobre o excesso de cesarianas no Brasil e a autonomia das mulheres. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2013; 8: 2395-400.

Código de Nuremberg e Declaração de Helsinki; [acesso em 10 fevereiro de 2018]. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd183/codigo-de-nuremberg-e-declaracao-de-helsinki.htm.

Resolução 466/12- Conselho Nacional de Saúde; [acesso em 10 de fev 2019]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Robson, MS. Classification of caesarean sections. Fetal Matern Med Rev. 2001; 12: 23–39.

Ministério da Saúde. Gestação de alto risco. Manual Técnico. 5ª ed., 2012. Antecipação eletiva do parto. 259-65.

Neme B, Zugaib M. Distócia funcional. In: Neme B, editor, Obstetrícia Básica. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; 2006. p. 678-87.

Neme B, Rozas A. Distócia fetal. In: Neme B, editor, Obstetrícia Básica. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; 2006. p. 687-725.

Apgar V. A proposal for a new method of evaluation of newborn infant. Rev Anesth Analg. 1953; 32: 260-7

Junqueira SM. Sentimentos, percepções e necessidades da parturiente na sala de parto. São Paulo: Escola de Enfermagem USP; 1987

Likert R. A Techinique for the Measurement of Attitudes. Arch Psyc 1932; 140: 1-55.

Costa R, Figueiredo B, Pacheco A, Pais. A. Parto: Expectativas, Experiências, Dor, Satisfação. Psic Saúde & Doenç 2003; 4: 47-67.

Siegel S, Castelani Jr NJ. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre. Artmed; 2006. p. 448.

Peat J, Barton B. Medical Statistics: A guide to data analysis and critical appraisal. Massachusetts: Wiley, John & Sons, 2005. 336p.

Martinez-Rodriguez DL, Serrano-Diaz LC, Bravo-Aguirre DL, Serna-Vela FJ, Robles-Martinez MC. Utilidad y eficácia de la classificación de Robson para diminuir la tasa de cesáreas. Ginecol Obstet Mex. 2018; 86: 627-33.

Novo JLVG, Pellicciari CR, Camargo LA, Bálsamo SS, Novo NF. Indicações de partos cesáreos em hospitais de atendimento ao Sistema Único de Saúde: baixo e alto riscos. Rev Fac Ciênc Med Sorocaba. 2017; 19: 67-71.

Simões JC, Buchner G. “Cesariana, um indicador de qualidade de cuidados obstétricos – mito ou realidade? ”. Mestrado Integrado em Medicina. Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto. 2015/2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-163

Refbacks

  • There are currently no refbacks.