Múltipla evidenciação de gastos ambientais por empresas potencialmente poluidoras: existe alinhamento? / Multiple disclosure of environmental expenses by potentially polluting firms: is there alignment?

Juliana Falcão Rocha, Douglas da Silva Ferreira, José Glauber Cavalcante dos Santos

Abstract


A evidenciação ambiental é um meio pelo qual pode-se avaliar o desempenho ambiental das empresas, inclusive a disposição de recursos para financiar atividades que objetivam reduzir ou eliminar impactos ambientais negativos do negócio. Diante do embate conceitual promovido pelas teorias do shareholder e do stakeholder, objetiva-se caracterizar a múltipla evidenciação de gastos ambientais nas empresas de capital aberto de setores potencialmente poluidores no Brasil. A amostra conta com dados de 28 firmas. Recorreu-se à técnica qualitativa de análise de conteúdo para examinar as informações declaradas em três tipos de comunicação: Relatório da Administração (RA), Notas Explicativas (NE) e Relatório de Sustentabilidade (RS), que aludem 2018-2019. Os resultados mostram que a evidenciação monetária prepondera, mas que RA e RS dispõem de menos informações acerca dos gastos ambientais. Embora a maioria das empresas (79%) evidencie algum tipo de relato sobre esses gastos, o impacto financeiro médio não chega a 2%. Falta alinhamento entre o conteúdo exposto em RA, NE e RS, verificando-se viés quantitativo em NE. Gastos ambientais com recuperação são mais representativos, contudo dispêndios com preservação são mais frequentes. Conclui-se ser imperativo desenvolver maior alinhamento entre essas diversas fontes de informação sobre gastos ambientais propositando não prejudicar a tomada de decisão.


Keywords


Comunicação ambiental, Gestão ambiental, Gastos ambientais

References


Al-Tuwaijri, S., Christensen, T. E., & Hugles II, K. E. (2004). The relations among environmental disclosure, environmental performance, and economic performance: a simultaneous equations approach. Accounting, Organizations and Society, 29, 447-471.

Ashcroft, P., & Smith, L. M. (2008). Impact of environmental regulation on financing regulation of pollution activity: a comparative study of U.S. and Canadian firms. Research in Accounting Regulation, 20, 127-153.

Avelino, B. C. (2013). Características explicativas do nível de disclosure voluntário de municípios do estado de Minas Gerais: uma abordagem sob a ótica da teoria da divulgação (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, MG, Brasil.

Baboukardos, D. (2018). The valuation relevance of environmental performance revisited: the moderation role of environmental provisions. The British Accounting Review, 50, 32-47.

Barnett, M. L., & Salomon, R. M. (2012). Does it pay to be really good? Addressing the shape of the relationship between social and financial performance. Strategic Management Journal, 33, 1-17.

Berns, M., Towned, A., Khayat, Z., Balagopal, B., Reeves, M., Hopkins, M. S., & Kruschwitz, N. (2009). Sustainability and Competitive Advantage. MIT Sloan Management Review, 51(1), 1-26.

Beuren, I.M., & Boff, M.L. (2011). Predominant strategies of legitimacy in environmental and social disclosures. Management Research, 9(1), 56-72.

Bhandari, A., & Javakhadze, D. (2017). Corporate social responsibility and capital allocation efficiency. Journal of Corporate Finance, 43, 354-377.

Binotti, F., & Besen, G. F. (2019). Disclosure das informações sobre custos e investimentos ambientais divulgados pelas empresas que compõem o Índice de Sustentabilidade Empresarial do segmento de Energia Elétrica. Revista de Auditoria Governança e Contabilidade, 7 (28), 17-33.

Bollen, N. P. B. (2007). Mutual fund attributes and investor behavior. The Journal of Financial and Quantitative Analysis, 42(3), 683-708.

Borghesi, R., Houston, J. F., & Naranjo, A. (2014). Corporate socially responsible investments: CEO altruism, reputation, and shareholder interests. Journal of Corporate Finance, 26, 164-181.

Boso, N.; Danso, A.; Leonidou, C.; Uddin, M.; Adeola, O.; & Hultman, M. (2017). Does financial resource slack drive sustainability expenditure in developing economy small and medium-sized enterprises? Journal of Business Research, 80, 247-256.

Braga, C., Sampaio, M. S. A., Santos, A., & Silva, P. P. (2011). Fatores determinantes do nível de divulgação ambiental no setor de energia elétrica no brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 4(2), 230-262.

Braga, J. P., Oliveira, J. R. S., & Salotti, B. M. (2009). Determinantes do Nível de Divulgação Ambiental nas Demonstrações Contábeis de Empresas Brasileiras, Revista de Contabilidade da UFBA, 3(3), 81-95.

Cho, C. H., Guidry, R. P., Hageman, A. M., & Patten, D. M. (2012). Do actions speak louder than words? An empirical investigation of corporate environmental reputation. Accounting, Organizations and Society, 37, 14-25.

Derwall, J., Koedijk, K., & Horst, J. T. (2011). A tale of value-driven and profit-seeking social investors. Journal of Banking & Finance, 35, 2137-2147.

Dilla, W., Janvrin, D., Perkins, J., & Raschke, R. (2016). Investor views, investment screen use, and socially responsible investment behavior. Sustainability Accounting, Management and Policy Journal, 7(2), 246-267.

Ditz, D., & Ranganathan, J. (1998). Global developments on environmental performance indicators. Corporate Environmental Strategy, 5(3), 47-52.

Dixon, F., & Whittaker, M. (1999). Valuing corporate environmental performance: innovest’s evaluation of the electric utilities industry. Corporate Environmental Strategy, 6, 343-354.

Fatemi, A., Fooladi, I., & Tehranian, H. (2015). Valuation effects of corporate social responsibility. Journal of Banking & Finance, 59, 182-192.

Freitas, M. R. O., Santos, S. M., & Crisóstomo, V. L. (2018). Nível de abrangência da informação ambiental divulgada nos relatórios de sustentabilidade de empresas brasileiras com potencial de impacto ao meio ambiente. Revista de Contabilidade e Controladoria, 10(3), 143-161.

Fujii, H., Iwata, K., Kaneko, S., & Managi, S. (2013). Corporate environmental and economic performance of Japonese manufacturing firms: empirical study of sustainable development. Business Strategy and the Environment, 22, 187-201.

Gomes, M. L. S., Rebouças, L. S., Melo, G. C. V., Silva, M. N. M., & Santos, S. M. (2019). Evidenciação dos custos e investimentos ambientais das empresas do setor químico da B3. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, 8(1), 161-181.

Hassel, L., Nilsson, H., & Nyquist, S. (2005). The value relevance of environmental performance. European Accounting Review, 14(1), 41-61.

Heikkurinen, P., & Bonnedahl, K. J. (2013). Corporate responsibility for sustainable development: a review and conceptual comparison of market- and stakeholder-oriented strategies. Journal of Cleaner Production, 43, 191-198.

Iatridis, G. E. (2013). Environmental disclosure quality: Evidence on environmental performance, corporate governance and value relevance. Emerging Markets Review, 14, 55-75.

Jaggi, B., & Freedman, M. (1992). An examination of the impact of pollution performance on economic and market performance: pulp and paper firms. Journal of Business Finance & Accounting, 19(5), 697-713.

Lima, K. P. S., Cunha, D. R., Moreira, F. G. L., & Porte, M. S. (2012). Contabilidade ambiental: Um estudo sobre a evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das grandes empresas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração, 11(1), 1-14.

Lys, T., Naughton, P. J., & Wang, C. (2015). Signaling through corporate accountability reporting. Journal of Accounting and Economics, 60(1), 56-72.

Machado, M. R., Machado, M. A. V., & Murcia, F. D. R. (2011). Em busca da legitimidade social: relação entre o impacto ambiental da atividade econômica das empresas brasileiras e os investimentos no meio ambiente. Revista Universo Contábil, 7(1), 20-35.

Machado, M. R., Machado, M. A. V., & Santos, A. (2010). A relação entre setor econômico e investimentos sociais e ambientais. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(3), 102-115.

Marquezan, L. H. F., Seibert, R. M., Bartz, D., Barbosa, M. A. G., & Alves, T. W. (2015). Análise dos determinantes do disclosure verde em relatórios anuais e empresas listadas na BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(1), 127-150.

Mayor, J. J. D., & Martel, M. C. V. (2015). Deconstruyendo el resultado contable convencional para diseñar un resultado contable ambiental. Contaduría y Administración, 60, 535-555.

Middleton, A. (2015). Value relevance of firms' integral environmental performance: Evidence from Russia. Journal of Accounting and Public Policy, 34, 204-211.

Negamo, R. T., Kassai, J. R., Kussaba, C. T., & Carvalho, L. N. G. (2013). A evolução dos relatórios de sustentabilidade e a necessidade da obrigatoriedade de sua asseguração por terceiros. Anais do Simpósio Internacional de Inovação e Sustentabilidade – S2IS, São Paulo, SP, Brasil, 1. Recuperado de http://repositorio.uninove.br/xmlui/handle/123456789/574?show=full

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Oliveira, A. F., Machado D. G., & Beuren, I. M. (2012). Evidenciação ambiental de empresas de setores potencialmente poluidores listadas no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) (SP). Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(1), 20-37.

Parente, P. H. N., Luca, M. M. M., & Romcy, T. O. (2015). Desempenho ambiental e desempenho econômico de empresas listadas na BM&FBOVESPA. Organizações e Sustentabilidade, 3(2), 81-115.

Pekovic, S., Grolleau, G., & Mzoughi, N. (2018). Environmental investments: too much of a good thing? International Journal of Production Economics, 197, 297-302.

Renneboog, L., Horst, J. T., & Zhang, C. (2008). Socially responsible investments: institutional aspects, performance, and investor behavior. Journal of Banking & Finance, 32, 1723-1742.

Ribeiro, M. S. (2010). Contabilidade ambiental (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. D., & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração da USP, 47(2), 217-230.

Shahzad, A. M., Mousa, F. T., & Sharfman, M. P. (2016). The implications of slack heterogeneity for the slack-resources and corporate social performance relationship. Journal of Business Research, 69, 5964-5971.

Silva C. A. T., Rodrigues, F. F., Silveira, M. L., & Silveira, K. J. (2006). Relatórios da administração das companhias brasileiras de capital aberto: uma análise qualitativa. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 4(2), 07-16.

Silva, C. A. T., & Rodrigues, M. G. (2010). A relevância do relatório da administração para o usuário da informação: um estudo experimental. Revista de Informação Contábil, 4(1), 41-56.

Silva, R., Fernandes, A. P. L. M., Souza, E., X., & Rodrigues, S. O. (2021). Gastos ambientais no setor público do Nordeste brasileiro. Brazilian Journal of Development, 7(5), 50072-50092.

Silva, E., & Valentim, M. L. P. (2019). Avaliação da aplicação do método 'Análise de Conteúdo' em pesquisa sobre processos de gestão da informação e do conhecimento como subsídios para a geração de inovação. Informação & Informação, 24(1), 326-355.

Soares, S. V., Silva, G. R., Soares, J. G., & Limongi, B. (2012). Informações ambientais apresentadas nas notas explicativas de companhias petroleiras e siderúrgicas no Brasil. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(3), 186-195.

Tinoco, J. E. P., & Kraemer, M. E. P. (2008). Contabilidade e gestão ambiental (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Tonolli, B. B., Rover, S., & Ferreira, D. D. M. (2017). Influência dos investimentos ambientais e dos indicadores econômico-financeiros na seleção de empresas para compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(48), 69-85.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-162

Refbacks

  • There are currently no refbacks.