Inovação aberta: o papel dos parques científicos e tecnológicos na transformação das indústrias tradicionais / Open innovation: the role of scientific and technological parks in the transformation of traditional industries

Cristiani Fontanela, Giani Burtet, Reginaldo Pereira, Andrea de Almeida Leite Marroco

Abstract


 A Economia mundial busca na inovação novas ferramentas, modelos e processos para o aumento da produtividade e competitividade. E para isso há investimentos de setores diferentes como governo, indústria e universidades, com o intuito de transformar conhecimento em inovações, teoria essa que é conhecida como Tríplice Hélice. Nesse contexto, os Parques Científicos e Tecnológicos (PCT’s), atuam em estruturas desenvolvidas para promover e estimular a inovação, por meio da facilitação de transferência de informação, conhecimento e tecnologia no processo de inovação. A metodologia utilizada neste estudo adota a abordagem qualitativa, com enfoque dedutivo na análise das informações, baseada em pesquisa bibliográfica teórica. Nesta pesquisa, para alcançar o objetivo geral de analisar como os parques científicos tecnológicos atuam como instrumento de transformação para as indústrias tradicionais, foram elaborados os seguintes objetivos específicos: compreender como ocorrem as inovações nas indústrias tradicionais, analisar perspectivas sobre inovação aberta e, verificar como os PCT´s atuam no ecossistema de inovação. Assim, este estudo demonstra sua importância ao demonstrar a contribuição dos PCT´s no desenvolvimento e fortalecimento dos ecossistemas de inovação como instrumento de transformação para as indústrias tradicionais.


Keywords


Inovação Aberta, Parques científicos e tecnológicos, Ecossistemas de Inovação.

References


ABDI – Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (Brasília). (Org.) 2008. Parques Tecnológicos do Brasil: estudos, análises e proposições. Anprotec. Disponível em: . Acesso em: 25 de set. de 2020.

ALBUQUERQUE NETO, Francisco Saboya; CALHEIROS, Guilherme Coutinho; TARGINO, Poliana de Oliveira. Porto Digital. In: BPOUCHARDET, Roberta Lima Silva (org.). Parques Tecnológicos: plataformas para articulação e fomento ao desenvolvimento regional sustentável. 1. ed. Brasília: Anprotec, 2012.

ANNERSTED, Jan. Science parks and high-tech clustering. In:

BIANCHI, Patrizio; LABORY, Sandrine. International Handbook on

Industrial Policy. Massachusetts: Edward Elgar, 2006.

ANPROTEC. MCTIC divulga estudo “Indicadores de Parques Tecnológicos”, c2019. Disponível em: < https://anprotec.org.br/site/2019/09/mctic-divulga-estudo-indicadores-de-parquestecnologicos/#:~:text=Os%20dados%20coletados%20demonstram%20que,43%20em%20fase%20de%20opera%C3%A7%C3%A3o.> Acesso em: 27 de set. de 2020.

__________. Incubadoras e parques. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2020.

_________. Mecanismo de geração de empreendimentos e ecossistemas de inovação. Disponível em: < https://anprotec.org.br/site/sobre/incubadoras-e-parques/>. Acesso em: 17 nov. 2020.

AURP. What is a Research Park? Disponível em: < http://www.aurp.net/what-is-a-research-park>. Acesso em 27 de set. de 2020.

BOFF, Salete Oro. Propriedade intelectual e desenvolvimento: inovação, gestão e transferência tecnológica. Passo Fundo: Editora Imed, 2009.

BRASIL. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016: dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei no 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei no 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei no 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional no 85, de 26 de fevereiro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 de Set. de 2020.

CARAYANNIS E.G; CAMPBELL D.F.J. “Mode 3 and” Quadruple Helix: Toward a 21st century fractal innovation ecosystem. International Journal of Technology Management, vol. 46, no 3/4, pp. 201–234. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/240295704_'Mode_3'_and_'Quadruple_Helix'_Toward_a_21st_century_fractal_innovation_ecosystem>. Acesso em: 27 de set. 2020.

CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICOCDT; MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃOMCTI. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos – Brasilia: CDT/UnB, 2013. Disponível em:

https://docplayer.com.br/5451496-Estudo-de-projetos-de-alta-complexidade-indicadores-de-parques-tecnologicos-centro-de-apoio-ao.html>. Acesso em: 27 de set. de 2020.

CHESBROUGH, Henry.W. (2003). Open Innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press. Disponível em: . Acesso em 26 de set. de 2020.

CHESBROUGH, Henry. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Tradução: Luiz Claudio de Queiroz Faria. Porto Alegre: Bookman, 2012.

DODGSON, Mark; GANN, David. Inovação. Tradução de Iuri Abreu – 1. Ed. Porto Alegre: L&PM, 2014.

ETZKOWITZ, Henry. Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo, inovação em movimento. Porto Alegre: Edipucrs. 2009.

LINDEGAARD, Stefan. A revolução da inovação aberta: princípios básicos, obstáculos e habilidades de liderança. São Paulo: Évora, 2011.

MACHADO, Rita Pinheiro; FERREIRA, Patrícia Silva. A importância do capital intelectual na gestão integrada da inovação. Inovação – Revista eletrônica de P, D&I, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 de set. 2020.

MAGALHÃES CORREIA, Ana Maria; GOMES, Maria. L. B. Habitats de inovação na economia do conhecimento: identificando ações de sucesso. RAI: Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 2, p. 32-54, 2012.

OECD/EUROSTAT. Oslo Manual 2018: Guidelines for Collecting, Reporting and Using Data on Innovation, 4. ed Paris/Eurostat, Luxemburgo. 22 out. 2018. (Série The Measurement of Scientific, Technological and Innovation Activities). ISSN: 24132764 (online). DOI: https://doi.org/10.1787/24132764. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2020.

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução de Maria Sílvia Possas. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SPOLIDORO, Roberto; AUDY, Jorge. Parque científico e tecnológico da PUCRS: TECNOPUC. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

STEWART, Tomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Tradução de Ana Beatriz Rodrigues, Priscilla Martins Celeste. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TERRA, José Cláudio Cyrineu (Org.). Colaboração em P&D: as fronteiras emergentes da inovação. In: TERRA, José Cláudio Cyrineu (Org.). Inovação: quebrando paradigmas para vencer. São Paulo: Saraiva, 2007. p. 221-235.

TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da inovação: a economia da tecnologia

no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

VEDOVELLO, Conceição Aparecida; JUDICE, Valéria Maria Martins; MACULAN, Anne-Marie Dalaunay. Revisão crítica às abordagens a parques tecnológicos: alternativas interpretativas às experiências brasileiras Recentes. In: RAI - Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 103-118, 2006.

ZOUAIN, Desirée Moraes; PLONSKI, Guilherme Ary. Parques tecnológicos: planejamento e gestão. Brasília: Anprotec, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-160

Refbacks

  • There are currently no refbacks.