As competências socio-emocionais e a motivação – educação para a sustentabilidade / Socio-emotional competencies and motivations - education for sustainability

Sónia Alexandre Galinha

Abstract


Num quadro de uma Educação de qualidade, constitui objetivo principal desta investigação quantitativa avaliar a existência de ganhos na dinâmica motivacional em adolescentes inquiridos através da sua participação num programa motivacional no sentido da otimização de competências sociais emocionais e por conseguinte o seu sucesso académico. Para o efeito foram utilizados o Questionário - QME (Cordeiro, 2010) aplicado aos dois grupos (experimental e de controlo) nas duas diferentes fases (pré e pós- teste) e o Programa P-DMAR (Fonseca, Galinha & Loureiro, 2019) administrado ao grupo experimental. Constam da amostra 40 indivíduos, com média de 14 anos de idade (40% feminino; 60% masculino). Foi garantido o anonimato e a confidencialidade dos dados obtidos em momento extra-letivo por credenciamento de um monitor/ psicólogo treinado para o efeito. A metodologia estatística consistiu numa análise dos dados fornecidos pelo QME, aplicado antes e depois do terminus da implementação do programa. Os resultados obtidos revelaram a existência de ganhos estatisticamente significativos nas dimensões avaliadas no QME no grupo experimental em oposição ao grupo de controlo (valores de p <0,01). Os alunos participantes no P-DMAR viram as suas competências motivacionais aumentadas nos seguintes domínios medidos no QME: F3 - objetivos extrínsecos do aluno com regulação externa, constituído pela escala D2 – orientação para os objetivos de desempenho, E1 – Instrumentalidade exógena com regulação externa; F5 - objetivos extrínsecos ao aluno com regulação interna, escala E2 - Instrumentalidade exógena com regulação interna e E3 - Instrumentalidade endógena com regulação interna; F6 - Objetivos intrínsecos do aluno, escala D1 – Orientação para objetivos de aprendizagem. Observaram-se do pré para o pós-teste valores crescentes estatisticamente significativos nas dimensões avaliadas no QME no grupo experimental (valores de p <0,01). Foi verificado que o P-DMAR é um programa valioso com significância estatística no sentido de incrementar a motivação.


Keywords


Motivação, Competências transversais, Emoções.

References


Cordeiro, P. C. (2010). Construção e validação do questionário de motivação escolar para a população portuguesa: estudos exploratórios. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Damásio, A. (1995). O Erro de Descartes. Emoção, razão e cérebro humano. Lisboa: Europa-América.

Fernández, A. G. (2005). Motivación académica: teoría, aplicación y evaluación. Madrid: Pirámide.

Fonseca, C. M.; Galinha, S. A.; & Loureiro, M. J. (2019, maio 09-11). Programa para Desenvolvimento Motivacional de Autorrealização. In S. N. de Jesus (Ed.). Book of Abstracts V Congresso Ibero-Americano e Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde / I Congresso Promoção da Saúde e do Bem-Estar no Ensino Superior, Universidade do Algarve (p. 168). CIEO – Research Centre for Spatial and Organizational Dynamics. ISBN: 978-989-8859-73-0.

Freire, T., Zenhas, F., Tavares, D., & Iglésias, C. (2013). Felicidade hedónica e eudaimónica: um estudo com adolescentes portugueses. Análise Psicológica, 4 (XXXI), 329–342. https://doi.org/10.14417/S0870-8231201300040005.

Galinha, S. A. (2019). Motivação. In J. Jardim & J.E. Franco (Dir.) Dicionário Empreendipédia (p.544). Lisboa: Gradiva. ISBN: 978-989-616-877-3.

Galinha, S. A. (Coord.) (2011). Pedagogia e Psicologia Positiva: Interações em Educação e Saúde. Porto: LIVPSIC Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. ISBN: 978-989-8148-82-7.

Galinha, S. A. (2010) (Coord). Sociedades Empáticas e Organizativas. Contributos Psicossociológicos em Educação. Santarém: Imprinove. ISBN: 978-989-20-2052-5.

Galinha, S. A.; Loureiro, M. J. ; Carvalho, O. & Fonseca, C. (2020, julho 15). Desarrollo de habilidades en adolescencia en el régimen presencial pre-covid-19: una experiencia educativa. Quaderns d´Animació i Educació Social (32): 1-18. ISSN: 1698-4404

Galinha, S.A. & São-João, R. (2018, outubro 02-05). Study Of Motivation in Portuguese Students. In Z. Bekirogullari; M. Y. Minas (Ed.). The Abstract Book 9th ICEEPSY International Conference on Education & Educational Psychology (p.3). Athens, Grécia. ISSN: 1986-3020.

Goleman, D. (1995). Inteligência Emocional. Lisboa: Círculo de Leitores.

Jardim, J. (2007). Programa de desenvolvimento de Competências Pessoais e Sociais: estudo para a promoção do sucesso académico. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Júnior, I. & Melo, J. (2021). Utilizando as tecnologias na educação: possibilidades e necessidades nos dias atuais. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.4, p.34301-34313 apr 2021. ISSN: 2525 -8761. DOI:10.34117/bjdv7n4-066.

LeDoux, J. (2000). O cérebro emocional. As misteriosas estruturas da vida emocional. Lisboa: Pergaminho.

Lima, P. (2019). Gestão escolar: contextos e perspetivas dialogais. Práxis e abordagens de gestão escolar: práticas inclusivas, plurais e complexas. Laplage em Revista, v.5. nºespecial set/dez. (p. 1-2). ISSN: 2446-6220.

Lopes, M.; Galinha, S.A. & Loureiro, M. (2010). Animação e Bem-estar psicológico: Metodologias de Intervenção Sociocultural e Educativa. Chaves: Intervenção.

Maslow, A.H. (1983). El hombre autorrealizado: hacia una psicologia del ser. Barcelona: Kairos.

McCombs, B. L. (1994). Strategies for assessing and enhancing motivation: Keys to promoting self-regulated learning and performance. In O’Neil, H. F. Jr., & Drillings, M. (eds.). Motivation: Theory and Research (pp. 49-69). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.

MNE (2017). Agenda da ONU 2030. Disponível em https://www.portaldiplomatico.mne.gov.pt/politica-externa/temas-multilaterais/agenda-2030

Morin, E. (2001). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez/Unesco.

OECD (2013). Do students perform better in schools with Orderly Classrooms? Pisa Bulteni. Disponível em http://dx.doi.org/10.1787/5k40d63gcd44-en

OECD (2015). Pisa 2015 Results. Disponível em http://www.oecd.org/education/pisa-2015-resultsvolume-i-9789264266490-en.htm

Pina e Cunha, M., Rego, A., Campos e Cunha, R., & Cabral-Cardoso, C. (2007). Manual do Comportamento Organizacional e Gestão. Lisboa: Rh Editores.

Pink, D. (2009). O Lado Direito do Cérebro. Alfragide: Oficina do Livro.

R Core Team (2016). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em https://www.R-project.org/.

Rolim, E.; Gonçalves, D.; Silva, D.; Yung, F.; Souza, B.; Teles, L.; Miranda, L. & Faria, E. (2021). Metodologia de trabalho da escola de pacientes DF no contexto

COVID - 19: relato de experiência. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.4, p.33924-33938 apr 2021. ISSN: 2525 -8761. DOI:10.34117/bjdv7n4-038.

Tavares, J; Pereira, A.; Gomes, A.; Monteiro, S. & Gomes, A. (2020). Manual de Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem. Porto: Porto Editora. ISBN: 978-972-0-34571-4.

Vala, J. & Monteiro, M. (2013). Psicologia Social. Lisboa: F.C.Gulbenkian,9ªed.

Yzerbyt, V. & Leyens, J. (2018). Psicologia Social. Lisboa: Edições70.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-129

Refbacks

  • There are currently no refbacks.