A escuta sensível como potente ferramenta na atenção primária à saúde / Sensitive listening as a powerful tool in primary health care

Marísia Oliveira da Silva, Eymard Mourão Vasconcelos, Sandra Souza

Abstract


A escuta e o diálogo são ferramentas importantes e necessárias no processo da atenção em saúde, principalmente, se considerarmos os princípios, diretrizes e políticas que norteiam o modelo de atenção, viabilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto de extensão universitária “Para Além da Psicologia Clínica Clássica” tem como fundamentos norteadores a Psicologia Humanista, desenvolvida por Carl Rogers e a Educação Popular, preconizada por Paulo Freire, nos quais a escuta e o diálogo são destacados. Este estudo objetivou analisar os processos construídos pelo projeto, identificando sua contribuição no âmbito da atenção primária à saúde, especialmente, no tocante a questão da escuta sensível. O estudo está vinculado a uma pesquisa qualitativa desenvolvida a partir de uma pesquisa-ação realizada em uma comunidade periférica da cidade de João Pessoa-PB. Os dados foram coletados através dos seguintes instrumentos e técnicas: registros no diário de campo, oriundos da observação participante feita entre 2002 e 2013 e também de outras fontes documentais relativas às experiências no projeto. Além disso, foram utilizados dados de quatro entrevistas semiestruturadas. A partir da sistematização da experiência pode-se evidenciar que a escuta sensível e profunda orientando o diálogo no cuidado em saúde foi uma categoria central. A escuta sensível e profunda foi fundamental para o diálogo estabelecido no processo de cuidado em saúde realizado, tanto de forma individual quanto coletiva, por meio do qual a dimensão educativa se fez presente. A perspectiva teórico-metodológica da Educação Popular aliada a da Psicologia Humanista revelou-se uma ferramenta potente nos processos de transformação dos sujeitos, nos diversos contextos de promoção, proteção e prevenção da saúde das pessoas assistidas, bem como na ampliação da visão dos estudantes extensionistas.


Keywords


Educação Popular, Psicologia Humanista, Extensão Universitária, Promoção de Saúde.

References


Amatuzzi, M. M. (2001). Por Uma Psicologia Humana. São Paulo: Alínea

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Política Nacional de Atenção Básica. Série: Pactos Pela Saúde. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde (2004). Atenção Básica e a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dad/atencaobasica.php. Acesso em:

Brasil. Ministério da Saúde (1999). Manual para Organização da Atenção Básica. Secretaria de Assistência à Saúde. Brasília, DF.

Buber, M. (1974). Eu e Tu. São Paulo: Editora Moraes.

Chizzotti, A. (2006). Pesquisa Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis: Vozes.

Costa, et. al. (2020). Educação e saúde: a extensão universitária como espaço para tencionar e pensar a educação em saúde. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 4, p.21616-21630. doi:10.34117/bjdv6n4

Dartigues, A. (1992). O que é a fenomenologia? São Paulo: Editora Moraes.

Flick, W. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. In: Contribuiciones Latinoamericanas, p. 69-116. Porto Alegre: Artmed.

Freire, P. (2011a). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2011b). Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2011c). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Holliday, O. J. (1996). Para Sistematizar Experiências. João Pessoa: Editora Universitária UFPB.

Kinget, G. M. (1977). Uma colocação do assunto. In: Rogers, C. & Kiget, G. M. Psicoterapia e Relações Humanas. Belo Horizonte: Interlivros, vol. 1.

Mahfoud, M. (Org.). (2012). Plantão Psicológico: novos horizontes. São Paulo, SP: Companhia Ilimitada.

Melo Neto, J. F. (2010). Dialética. João Pessoa: Editora Universitária UFPB.

Rogers, C.R. (2014). Tornar-se Pessoa. São Paulo: Martins Fontes.

Rogers, C. (1986). Grupos de Encontro. São Paulo: Martins Fontes.

Rogers, C. (1978). Sobre o Poder Pessoal. São Paulo: Martins Fontes.

Rogers, C. & Kinget, G. M. (1977). Psicoterapia e Relações Humanas. Belo Horizonte: Interlivros.

Sales, A. M. C. (2004). Papéis sociais e estereótipos sexistas. In: Miele, N. (org.) Relações de Gênero: um olhar diferente. João Pessoa: Editora UFPB.

Schimidt, M.L.S. & Ostronoff, V.H. (1999). Oficinas de criatividade: elementos para a explicitação de propostas teórico-práticas. In: Morato, H.T.P. Aconselhamento Psicológico Centrado na Pessoa: novos desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Silva, M. O. (2013). Psicologia Humanista e Educação Popular na Atenção Primária à Saúde. (tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Centro de Educação. UFPB. João Pessoa-PB. 236f.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-126

Refbacks

  • There are currently no refbacks.