Análise comparativa dos dados geomorfométricos entre bacias das formações Rio Paraná, Goio-Êre e Serra Geral / Comparative analysis of geomorphometric data between basins of the Rio Paraná, Goio-Êre and Serra Geral formations

Bronislau Max Miguel Prestes, Edison Fortes, Itamar Sateles de Sá, Susana Volkmer, Vanderlei Grzegorczyk

Abstract


A compreensão do relevo está diretamente relacionada ao entendimento das suas origens geológicas e dos seus processos erosivos. Os cursos hídricos têm papel fundamental na modelagem e evolução dos relevos. As unidades litogeológicas são diferenciadas por suas características geológicas únicas, e, como a drenagem age distintamente sobre diferentes substratos, espera-se que, por meio dela, seja possível encontrar dessemelhanças nessas unidades. Dessa maneira, este estudo tem como objetivo realizar uma análise comparativa entre cinco parâmetros geomorfométricos de trinta e três bacias hidrográficas em três unidades litogeológicas, sendo onze bacias na Formação Rio Paraná, onze bacias na Formação Goio-Êre e onze bacias na Formação Serra Geral. Os parâmetros selecionados são: densidade dos cursos d’água, densidade de drenagem, índice de sinuosidade dos canais, índice de razão do relevo e razão de elongação. Os resultados obtidos apontaram semelhanças nas bacias quanto à baixa densidade de drenagem, baixa declividade, ao pequeno e lento escoamento superficial e à maior infiltração. Diferenças foram detectadas nas densidades dos cursos d’água — em que 6 de 33 bacias apresentaram eficiência — e no índice de razão de elongação. Portanto, concluiu-se que existe diferença nítida entre a Formação Serra Geral e as demais formações pela razão de elongação, além de tênues diferenças entre as formações Rio Paraná e Goio-Êre.


Keywords


Parâmetros geomorfométricos, Formação Goio-Êre, Drenagem.

References


ALVES, J. M. P.; CASTRO, P. T. A. Influência de Feições Geológicas na Morfologia da Bacia do rio Tanque (MG) baseada no estudo de Parâmetros Morfométricos e Análise de Padrões de Lineamentos. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 117-127, 2003.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, Campinas, v. 18, n. 9, p. 35-64, 1969.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Ed. Universidade, 1974. 149 p.

CORDANI, U. G.; SARTORI, P. L. P.; KAWASHITA, K. Geoquímica dos isótopos de estrôncio e a evolução da atividade vulcânica na Bacia do Paraná (sul do Brasil) durante o cretáceo. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 52, p. 811-818, 1980.

CPRM/GEOsgb. Unidades Litoestratigráficas – 1:1.000.000. 2004. Disponível em: http://geosgb.cprm.gov.br/. Acesso em: 10 set. 2020.

FERNANDES, L. A. Estratigrafia e evolução geológica da parte Oriental da Bacia Bauru (Ks, Brasil). 1998. 216 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

FERNANDES, L. A.; COIMBRA, A. M. O Grupo Caiuá (Ks): revisão estratigráfica e contexto deposicional. Revista Brasileira de Geociências, v. 24, n. 3, p. 164-176, 1994.

FERNANDES, L. A.; COUTO, E. V.; SANTOS, L. J. C. Três Morrinhos, Terra Rica, PR – Arenitos silicificados de dunas do Deserto Caiuá testemunham nível de superfície de aplainamento K-T. In: WINGE, M. et al. (ed.). Sítios geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília: CPRM, 2012. Disponível em: http://sigep.cprm.gov.br/sitio058/sitio058.pdf . Acesso em: 24 mar. 2021.

FERREIRA, F. J. F. Integração de dados aeromagnéticos e geológicos: configuração e evolução tectônica do Arco de Ponta Grossa. 1983. Dissertação (Mestrado em Geologia Geral e de Aplicação) - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1983.

FULFARO, V. J.; BARCELOS, J. H. Fase rifte na bacia sedimentar do Paraná: a Formação Caiuá. Geociências, v. 12, p. 33-45, 1993.

HORTON, R. E. Erosional development of streams and their drainage basins: hydrophysical approach to quantitative morphology. Geological Society of America Bulletin, v. 56, n. 3, p. 275-370, 1945.

MARCHETTI, D. A. B. Características da Rede de Drenagem e Formas de Relevo em três Unidades de solo de Piracicaba, SP. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v. 15, n. 3, p. 349-358, jul. 1980. Disponível em: https://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/viewFile/16580/10864. Acesso em: 28 jan. 2021.

MINEROPAR. Base de dados das estruturas geológicas do estado do Paraná. 2005. Disponível em: http://www.mineropar.pr.gov.br/. Acesso em: set. 2019.

MOSCA, A. A. O. Caracterização Hidrológica de Duas Microbacias Visando a Identificação de Indicadores Hidrológicos para o Monitoramento Ambiental do Manejo de Florestas Plantadas. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2003.

NITSCHE, P. R. et al. Atlas Climático do Estado do Paraná. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná, 2019. 210 p. Disponível em: http://www.idrparana.pr.gov.br/system/files/publico/agrometeorologia/atlas-climatico/atlas-climatico-do-parana-2019.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021.

PIEDADE, G. C. R. Evolução de voçorocas em bacias hidrográficas do município de Botucatu, SP. 1980. 161 p. Tese (Livre Docência) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatu, 1980.

PORTO, R. L.; ZAHED, K. F.; SILVA, R. M. PHD 307 – Hidrologia Aplicada: Bacias Hidrográficas. São Paulo: Depto. de Engenharia Hidráulica e Sanitária: Escola Politécnica da USP, 1999.

RAI, P, K. et al. A GIS-based approach in drainage morphometric analysis of Kanhar River Basin, India. Applied Water Science. ed. Springer. v.7, 217–232. 2014.

SANTOS H. G. dos. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed., rev. e ampl. Brasília: Embrapa, 2018.

STEVAUX, J. C.; LATRUBESSE, E. M. Geomorfologia Fluvial. 1. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2017. 334 p.

VASCONCELOS, V. et al. Sistema de Classificação geomorfométrica baseado em uma arquitetura sequencial em duas etapas: Árvore de decisão e classificador espectral, no Parque Nacional Serra da Canastra. Revista Brasileira de Geomorfologia, Brasília, v. 13, n. 2. 2012.

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil, 1975.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-119

Refbacks

  • There are currently no refbacks.