Abuso de drogas e rendimento escolar de jovens: contribuições para a educação profissional/ Drug abuse and school performance of young people: contributions to professional education

Jurandir Santos

Abstract


O consumo de drogas é um hábito milenar; no entanto, desde os anos 60, o estudo sobre o abuso dessas substâncias tem revelado que este é um grave problema de epidemia social e uma preocupação mundial. Especialmente na América Latina, o álcool tem sido a droga mais consumida entre adolescentes. Por outro lado, estudos desenvolvidos pela Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz, em parceria com a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD, revelam que somente em 2010 já́ havia 370 mil usuários de crack, declarados, nas capitais brasileiras. Além disso, diversos trabalhos apontam fatores, na drogadição, associados ao baixo desempenho escolar. Quando o problema está relacionado com a adolescência, a atenção dos agentes públicos deve ser redobrada, pois existem no referido hábito muitos outros riscos nocivos ou fatais, tais como: acidente automobilístico com morte, envolvendo jovens de 16 a 20 anos; aumento das chances da violência sexual; prejuízos acadêmicos (que é o foco central desse trabalho); e comportamentos impróprios, gerando problemas familiares, perda de emprego, prejuízos financeiros, entre outros. Isso porque o período da adolescência é, por si só, bastante conturbado, marcado pelas volúpias, fortes paixões, e a tendência, inerente ao jovem,  de achar que pode mudar o mundo. É nessa fase que a curiosidade quanto aos efeitos e sensações das drogas fica mais aguçada, favorecendo o exibicionismo e a busca de autoafirmação da identidade, o que ratifica a vulnerabilidade ao risco a que esses jovens se submetem. Portanto, o objetivo desse estudo é analisar a prevalência de comportamentos de risco à saúde, em especial com o uso contínuo de substâncias psicoativas, por 2000 jovens de 14 a 24 anos, participantes ou evadidos de um programa de qualificação profissional de uma instituição de formação para o trabalho, situada na cidade de São Bernardo do Campo, no Brasil. A pesquisa será́ realizada por meio de questionário escala likert com variação de 0 a 4 (nunca experimentou, utiliza de vez em quando, usa com frequência, apresenta compulsão ao uso). Os dados desse questionário serão inseridos em um sistema de tratamento estatístico e correlacionado com o desempenho escolar ou com a evasão desses jovens ao programa. O resultado desse trabalho será́ utilizado para campanhas de orientação aos familiares e à comunidade em geral, preparo do corpo docente e coordenador, bem como para elaborar estratégias de prevenção do abuso de substâncias psicoativas entre jovens, ou para o devido encaminhamento para tratamento junto aos órgãos competentes.

 


Keywords


Rendimento escolar, educação profissional, juventude, abuso de drogas, prevenção às drogas.

References


Ashtari, M., Avants, B., Cyckowski, L., Cervellione, K. L., Roofeh, D., Cook, P., et al. (2011). Medial temporal structures and memory functions in adolescents with heavy cannabis use. J Psychiatr Res, 45(8), 1055-1066.

Banco Mundial (2007). Jovens em situação de risco no Brasil. Achados relevantes para as políticas públicas, vol. I. Brasília: Unidade de Gerenciamento do Brasil/Unidade de Gestão do Setor de Desenvolvimento Humano/Região da América Latina e do Caribe, jun. de 2007.

Benghozi, P. Psicanálise dos laços sociais: construção e reconstrução da malhagem dos continentes genealógicos familiares e comunitários (2010) Curso promovido pelo Instituto de Psicologia, Laboratório de Estudos em Psicanálise e Psicologia Social (Lapso) da Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 22 a 26 de novembro de 2010.

Bahls, F. R. C., & Ingbermann, Y. K. (2005). Desenvolvimento escolar e abuso de drogas na adolescência/School development and adolescents’ drug abuse. Estudos de Psicologia, 22(4), 395-402.

Bolla, K., Brown, K., Eldreth, D., Tate, K., & Cadet, J. L. (2002). Doserelated neurocognitive effects of marijuana use. Neurology, 59, 1337-1343.

Bordin, S., Figlie, N. & Laranjeira, R., (2015). “Maconha”. Em Figlie, N. B.; Bordin, S.; Laranjeira, R. (orgs.). Aconselhamento em dependência química. São Paulo: Roca.

Brandt, R., Crack: a invasão das drogas nos rincões do sossego. Em O Estado de S. Paulo, 2-6-2014. Disponível em http://infograficos.estadao. com.br/especiais/crack/index.html. Acesso em 22-7-2014.

Brasil. Lei no 9294, de 15 de julho de 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal.

_____. Lei no 8.069, de 13-7-1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

Bulfinch, T. (2006). O livro da mitologia: histórias de deuses e heróis. São Paulo: Martin Claret.

Cardoso, L., R., D., & Malbergier, A. (2014). Problemas escolares e o consumo de álcool e outras drogas entre adolescentes. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP, 18(1), 27-34.

Cerri, G. G. Tolerância zero (2011). Em Folha de S.Paulo, São Paulo, 19-10-2011.

Collucci, C. Virtudes e vícios dividem os mesmos circuitos no cérebro. (2014). Em Folha de S.Paulo, São Paulo, 28 nov. 2011. Disponível em http:// www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/11725-virtudes-e-vicios-dividem-os-mesmos-circuitos-no-cerebro.shtml. Acesso em 22-7-2014.

Conselho Federal de Psicologia. (2014). Drogas: cidadania e cuidado são chaves para a psicologia. Em Jornal do Federal, ano XXIII, no 102, Conselho Federal de Psicologia, outubro 2011. Disponível em http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/03/Jornal_Federal_-_final.pdf. Acesso em 22-7-2014.

Cunha, P., Camargo, C. H. P., & Nicastri, S. (2001). Déficits neuropsicológicos e cocaína: um estudo-piloto. Jornal Brasileiro de Dependência Química, 1(1), 31-37.

De Micheli, D., Fisberg, M., & Formigoni, M. L. (2004). Study on the effectiveness of brief intervention for alcohol and other drug use directed to adolescents in a primary health care unit. Rev Assoc Med Bras, 50(3), 305-313.

Drummond Filho, H. C., & Drummond, M. C. C. (2005). Amor exigente: espiritualidade, uma nova vida. São Paulo: Loyola.

Estado de São Paulo. Lei no 14.592, de 19-11-2011. Proíbe vender, ofertar, fornecer, entregar e permitir o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratui- tamente, aos menores de 18 (dezoito) anos de idade, e dá outras providências correlatas.

Fellipeto, I. F., Ramirez, J., & Zanon, L, B. (2021). O uso de drogas lícitas e ilícitas como tema social abordado em aulas de química no ensino médio. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 7(4), 39803-39820.

Galduróz, J. C., Sanchez, Z. V. D. M., Opaleye, E. S., Noto, A. R., Fonseca, A. M., Gomes, P. L. S., e cols. (2010). Fatores associados ao uso pesado de álcool entre estudantes das capitais brasileiras. Revista Saúde Pública, 44(2), 267-273.

Horta, R. L., Horta, B. L., Pinheiro, R. T., Morales, B., & Strey, M. N. (2007). Tobacco, alcohol, and drug use by teenagers, Rio Grande do Sul State, Brazil: a gender approach. Cad Saúde Pública, 23(4), 775-783.

Jinez, M. L. J., Souza, J. R. M. & Pillon, S. C. (2009). Uso de drogas e fatores de risco entre estudantes de ensino médio. Rev Latino-am Enfermagem, 17(2), s/n.

Klein, M. (1970). Amor, ódio e reparação. Rio de Janeiro: Imago.

Krupnick, L. B. & Krupnick, E. (1995) “A dependência química e a família”. Em Do desespero à decisão: como ajudar um dependente químico que não quer ajuda. São Bernardo do Campo: Bezerra.

Malta, D. C. (2011). Família e proteção ao uso de tabaco, álcool e drogas em adolescentes, pesquisa nacional de saúde dos escolares. Em Revista Brasileira Epidemiol., 14(1), São Paulo, setembro de 2011. Disponível em: http://www. scielosp.org/pdf/rbepid/v14s1/a17v14s1.pdf. Acesso em 31-5-2014.

Nassif, S. L. S. & Bertolucci, P. H. F. (2003). Aspectos neuropsicológicos na dependência química: cocaína: um estudo comparativo entre usuários e controles. Em S. L. S. Nassif & P. H. F. Bertolucci (Orgs.), Cérebro, inteligência e vínculo emocional na dependência de drogas (pp.85-105). São Paulo: Vetor.

Okulicz-Kozaryna, K. (2010). School as a risk factor for psychoactive substance use by middle school students. Procedia Soc Behav Sci, 2(2), 1620–1624

Paladino, E. (2005). O adolescente e o conflito de gerações na sociedade contempo- rânea. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Payá, R., & Figlie, N. B. (2004). Abordagem familiar em dependência química. Em Figlie, N. B., Bordin, S. & Laranjeira, R. (orgs.). Aconselhamento em dependência química. 1a ed. São Paulo: Roca, 2004.

Pechansky, F., Szbot, C., & Scivoleto, S. (2014). Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 14-17.

Santos, J. (2014). Criança e adolescente em foco: dialogando com profissionais e cuidadores, São Carlos: Editora Senac São Paulo.

_____. (2011). A educação do adolescente: esse desconhecido de si. Em Jornal Primeira Página, São Carlos, 20-10-2011.

Schenker, M. & Minayo, M. C. de S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência, em Revista Ciência Coletiva & Saúde, 10 (3).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-090

Refbacks

  • There are currently no refbacks.