Hygyenic-sanitary evaluation of flaxseed flour of the Metropolitan Region of Recife (RMR)/ Avaliação higiênico-sanitária de farinha de linhaça da Região Metropolitana do Recife

Allan Victor Souza Bernardino, Nathalia Santos Rocha, Daniele Maciel de Fonseca, Thaynna Leocádio Trajano Lacerda Sousa, Neide Kazue Sakugawa Shinohara, Maria do Rosário de Fátima Padilha

Abstract


A linhaça (Linum usitatissimun L.) está, aos poucos, mais presente nas barracas de grãos e cereais dos mercados públicos, feiras livres e na seção de alimentos saudáveis em supermercados. Isso se deve à crescente procura por produtos naturais e ao apelo de nutrição mais saudável. Esses alimentos ditos mais saudáveis, induzem expectativa de reduzir o risco de doenças crônicas não transmissíveis, como câncer, doenças cardíacas e as relacionadas com restrição de carboidratos. Dada a importância que a linhaça está adquirindo no mercado brasileiro, com maior incorporação na dieta, se faz necessária a realização de um estudo sobre a qualidade higiênico-sanitária da farinha de linhaça. Foram coletadas dez amostras de farinha de linhaça marrom comercializadas em supermercados da Região Metropolitana do Recife (RMR), com o intuito de avaliar os parâmetros microbiológicos obrigatórios, assim como a contagem de bolores e leveduras, para verificação da qualidade sanitária e pesquisa de matérias estranhas (sujidades). Observou-se que apesar de estar em consonância microbiológica com a legislação em vigor, a concentração fúngica encontrada é superior ao limite permitido por normas sanitárias. Na pesquisa de matérias estranhas, foi encontrado fibras de algodão.  Sugere-se que seja criado um padrão de identidade e qualidade para as farinhas de linhaça, e um maior controle sanitário durante o processamento, para proteção contra a possibilidade de contaminação cruzada.


Keywords


Linum usitatissimun L., alimentos saudáveis, contaminação fúngica.

Full Text:

PDF

References


A.O.A.C. – Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of AOAC International. 19th ed. Maryland: AOAC International; Method 967.26. 2012.

BAPTISTA, P.; VENÂNCIO, A. Os perigos para a segurança alimentar no processamento de alimentos, p. 1-125, 2003. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/33398/1/document_2748_1.pdf Acesso em: 26/06/2020

BOMBO, A. J. Obtenção e caracterização nutricional de snacks de milho (Zeamays L) e linhaça (Linum usitatissimum L.). 2006. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Nutrição.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 331, de 23 de dezembro de 2019. Dispõe sobre os padrões microbiológicos de alimentos e sua aplicação. Diário Oficial da União. 2019 23 dez; Seção 1.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Diretoria Colegiada. Resolução nº 14, de 28 de março de 2014. Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2014 31 mar; Seção 1

CANELLA-RAWLS, S. Pão, Arte E Ciência. Ed. Senac. São Paulo: 2003.

CUPERSMID, L. et al. Linhaça: Composição química e efeitos biológicos. e-Scientia, v. 5, n. 2, p. 33-40, 2012.

FONTES, E. A. F.; FONTES, P. R. Microscopia de Alimentos: Fundamentos Teóricos. Viçosa: Editora UFV.p. 151. 2005.

FRANCO. R. M. Agentes Etiológicos de Doenças Alimentares. Niterói: Editora UFF, 2012.

FREIRE, C. C. L. L. et al. Aplicação das Farinhas de Linhaça (Linum usitatissimum L.) e Maracujá (Passiflora edulisSims f. flavicarpaDeg.) no Processamento de Pães com Propriedades Funcionais. Revista Brasileira de Agrotecnologia, v. 4, n. 1, p. 01-09, 2014.

GRISOTTI, M. Alegações de saúde dos alimentos funcionais: condições para a sua emergência e seu impacto na saúde individual e coletiva. In: AMORIM, B. M.; GRISOTTI, M. As alegações de saúde dos alimentos: uma abordagem sociológica. Anais do 1º Seminário de Sociologia da Saúde e Ecologia Humana. Florianópolis, 2010

IWATANI, S.; YAMAMOTO, N. Functional food products in Japan: A review. Food Science and Human Wellness, v. 8, n. 2, p. 96–101, 2019.

JAY, J. M.; LOESSNER, M. J.; GOLDEN, D. A. Modern food microbiology. 7th. ed. New York: Springer, p.790. 2005

MOURA, A. C. et al. Qualidade microbiológica de farinhas de trigo (Triticum aestivum) comercializadas na cidade de Cascavel (Paraná).Segurança Alimentar e Nutricional. Campinas, v.21, n.2, p. 499-504. 2014.

NOVELLO, D.; POLLONIO, M. A. R. Caracterização físico-química e microbiológica da linhaça dourada e marrom (Linum usitatissimum L.). Rev. Inst. Adolfo Lutz. São Paulo,n. 71, v.2. p.291-300. 2012.

OLIVEIRA, F. B. et al. Qualidade Microbiológica de Farinhas de Linhaça Dourada e Marrom. UNOPAR Científica Ciências Biológicas e da Saúde: Journalof Health Sciences, v. 17, n. 3, 2015.

OOMAH, B. D. Flaxseed as a functional food source. Journal of the Science of Food and Agriculture, v. 81, n. 9, p. 889-894, 2001.

SANTOS, M. et al. Valores Guia para avaliação da qualidade microbiológica de alimentos prontos a comer preparados em estabelecimentos de restauração Revista da Ordem dos Farmacêuticos v.6 n.4, p. 66–68. 2005.

SAVINI, V. The Diverse Faces of Bacillus Cereus. Academic Press is an imprint of Elsevier. London, (ISBN: 978-0-12-801474-5), 2016.

SILVA, N. et al. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 4 ed. São Paulo; ed. Varela, 2010.

SILVA, N.et al. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos e Água. 5ª ed., São Paulo: Blucher, 2017.

SOUZA, J. M. de. et al. Caracterização físico-quimica de farinhas oriundas de variedades de mandioca utilizadas no vale do Juruá, Acre. Acta Amazônica. p.761 – 766. 2008.

SZAKÁLY, Z. et al. A modified model of the willingness to pay for functional foods. Appetite. v. 138, n. September 2018, p. 94–101, 2019.

TACO. Tabela brasileira de composição de alimentos. 4 ed. Campinas, SP: NEPA-UNICAMP, p.164, 2011.

VEGI, A.; WOLF-HALL, C.; HALL, C. Quality evaluation of flaxseed for food use specifications. Journal of Food Research, v. 6, n. 1, p. 59-68, 2017.

VIEIRA, S. R. et al. Influência do pH e concentração salina na propriedade espumante da goma de linhaça (Linum usitatissimum L.). Brazilian. Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 6, p.40924-40940. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-035

Refbacks

  • There are currently no refbacks.