Tempo Médio de Secagem de Café em Terreiros: Estudo de Caso no Município de Muzambinho, Sul de Minas Gerais / Average Coffee Drying Time: Case Study in the Municipality of Muzambinho, South of Minas Gerais

Francielle de Paula Carvalho Oliveira, Geraldo Gomes de Oliveira Júnior, Luciana Maria Vieira Lopes, Marcelo Eduardo Bocoli, Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido

Abstract


Na cafeicultura brasileira a secagem do café ocorre basicamente por meio de terreiros, secadores mecânicos ou a combinação destes dois métodos, sendo que secagem por meio de terreiros ainda é o sistema mais utilizado. Neste sentido, conhecer o tempo médio de secagem dos diferentes tipos de café em sistema de terreiro, torna-se de fundamental importância para equacionar a colheita de campo com capacidade de processamento instalada. Sendo assim, objetivou-se no presente estudo de caso determinar o tempo médio de secagem de café em terreiros em uma propriedade localizada no Município de Muzambinho no Sul de Minas Gerais. O presente estudo de caso foi desenvolvido a partir da coleta das datas de entrada e saída dos lotes de café totalmente secos nos terreiros de Lama Asfáltica e Suspenso na safra 2019/2020. Para efeito de padronização realizou-se uma amostragem de 11 lotes de cafés de cada tipo sendo: Colheita manual e mecanizada, sem contato com o solo (Verde, Cereja Descascado, Boia) e cafés de varrição (Boia e Cereja/verde juntos). Os resultados demonstraram que o maior tempo médio de secagem foi obtido para o café de varrição que teve contato com o solo e caracterizado por uma mistura de frutos verdes e cereja (17,64 ± 3,70). O menor tempo médio de secagem foi encontrado nos lotes de cafés boia de varrição (5,36 ± 1,69). Os cafés provenientes de colheita manual e mecanizada sem contato com o solo apresentaram tempo médio de secagem de 13,15 dias.


Keywords


Cafeicultura, Processamento, Pós colheita

References


COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira de café - Terceiro Levantamento. Brasília, v.6, n.3, p.1-54, 2020. Disponível em: http://www.conab.gov.br>. Acesso em 20 out. 2020.

DONZELES, S. M. L. Desenvolvimento e avaliação de um sistema híbrido, solar e biomassa, para secagem de café (Coffeea arábica L.). Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa - UFV, Viçosa, 2002.

FERREIRA, D. F. Sisvar: um sistema computacional de análise estatística. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.35, n.6, p.15, nov/dez. 2011.

LIMA, M.V.; VIEIRA, H. D.; MARTINS, M. L. L.; PEREIRA, S de. M. Preparo do café despolpado, cereja descascado e natural na região do sudoeste da Bahia. Revista Ceres, Rio de Janeiro, v. 55, n. 2, p. 124-130, 2008.

MESQUITA, C. M de.; REZENDE, J. E de.; CARVALHO, J. S.; FABRIL JUNIOR, M. A; MORAES, N. C.; DIAS, P. T.; CARVALHO, R. M de.; ARAUJO, W. G de. Manual do Café: Colheita e preparo (Coffea arábica L.). Belo Horizonte: EMATER-MG, 2016. 52 p.

PALCIN, J. J. F.; LACERDA FILHO, A. F de.; MELO, E de. C.; TEIXEIRA, E. C. Secagem combinada de cafés cereja descascado. Revista de Engenharia na Agricultura, v. 17, n. 3, p. 244 - 258, 2009.

REINATO, C. H. R.; BOREM, F. M.; CIRILLO, M. A.; OLIVEIRA, E. C. Qualidade do café secado em terreiros com diferentes pavimentações e espessuras de camada. Coffee Science, Lavras, v. 7, n. 3, p. 223-237, 2012.

SANTOS, O. L.; REINATO, C. H. R.; JUNQUEIRA, J. D.; FRANCO, E. L.; SOUZA, C. W. A.; REZENDE, A. N. Custo benefício da secagem de café em diferentes tipos de terreiros. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 9, n. 4, dez. 2017

SIMÕES, J.C.; PELEGRINI, D.F. Diagnóstico da cafeicultura mineira - regiões tradicionais: Sul/Sudoeste de Minas, Zona da Mata, Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Belo Horizonte, EPAMIG, 2010. 56p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-072

Refbacks

  • There are currently no refbacks.