Análise crítica da linguagem neutra como instrumento de reconhecimento de direitos das pessoas LGBTQIA+ / Critical analysis of neutral language as an instrument for the recognition of the LGBT’S rights

Fabíola Sucasas Negrão Covas, Lucas Martins Bergamini

Abstract


O artigo contextualiza as dimensões críticas do uso da linguagem neutra e o relaciona como possível instrumento antidiscriminatório e de visibilização e reconhecimento da identidade do sujeito de direito LGBTQIA+.


Keywords


Antidiscriminação. Dignidade. Direitos Humanos. Gênero. Linguagem Neutra. Linguagem Inclusiva. LGBTQIA+.

References


ALMEIDA, Guilherme Assis de. A proteção da pessoa humana no Direito Internacional: conflitos armados, refugiados e discriminação racial. / Guilherme Assis de Almeida. – São Paulo: Editora CLA Cultural, 2018.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução Carlos Nelson Coutinho; apresentação de Celso Lafer. — Nova ed. — Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. — 7ª reimpressão.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade/14ª ed. Judith Butler; tradução, Renato Aguiar. – 14ª; ed – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARBONI, Florence; MAESTRI, Mário. A linguagem escravizada. Língua, História e Poder. REA, ano 2, n. 22, março 2003. ISSN 1519.6186. Disponível em: https://www.academia.edu/11380352/A_Linguagem_Escravizada_L%C3%ADngua_Hist%C3%B3ria_e_Poder. Acesso em 24 de outubro de 2020.

CARNEIRO, Sueli Aparecida. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. FEUSP, 2005. Tese de doutorado. Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-como-nc3a3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf. Acesso em 01 de maio de 2020.

Diversity BBox – consultoria de diversidade. Pronomes neutros ganham espaço nas ruas, redes sociais e até em empresas. Disponível em: https://diversitybbox.com/pt/pronomes-neutros-ganham-espaco-nas-ruas-redes-sociais-e-ate-em-empresas/. Acesso em 24 de outubro de 2020.

FERRAZ, Carolina Valença; e LEITE, Glauber Salomão (coord.). Direito à Diversidade. – São Paulo – Atlas, 2015.

FRANCO, Paki Venegas; e CERVERA, Julia Pérez. Manual para o uso não sexista da linguagem. O que bem se diz... bem se entende. Versão em português: Beatriz Cannabrava. Edição em português foi realizada com o apoio da REPEM – Rede de Educação Popular entre Mulheres da América Latina para ser distribuído pela Internet para o Brasil e países africanos de língua portuguesa. 2006. Disponível em: http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e-publicacoes/manual-para-o-uso-nao-sexista-da-linguagem. Acesso em 24 de outubro de 2020.

GORISCH, Patricia. O Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT: de Stonewall à ONU. Curitiba, Editora e Livraria Appris, 2014,

GUIA de linguagem inclusiva. Todxs nós. HBO. 2020. Disponível em: https://pji.portaldosjornalistas.com.br/wp-content/uploads/2020/05/GuiaTodxsNos.pdf. Acesso em 24 de outubro de 2020.

HUNT, Lynn. A invenção dos Direitos Humanos: Uma História. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MACÉ, Marielle. Siderar, Considerar Migrantes, Formas de Vida. Bazar do Tempo (edição brasileira), 2018.

MÄDER, Guilherme Ribeiro Golaço. Masculino Genérico e Sexismo Gramatical. Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina. 2015.

RICOEUR, Paul. O justo 1: a justiça como regra moral e como instituição / Paul Ricoeur ; tradução Ivone C. Benedetti. – São Paulo : WMF Martins Fontes, 2008.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: Notas sobre a “Economia Política” do Sexo. Recife: SOS Corpo;1993.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Texto traduzido e publicado pelo cadernos pagu [Tradução: Plínio Dentzien; Revisão: Richard Miskolci e Júlio Assis Simões]. Referência do texto original: Epistemology of the Closet. In: ABELOVE, Henry et alli. The lesbian and gay studies reader. New York/London, Routledge, 1993:45-61.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-067

Refbacks

  • There are currently no refbacks.