O cuidado de enfermagem à criança portadora de microcefalia: relato de experiência / Nursing care for children with microcephaly: experience report

Débora Alves da Silva, Michael Douglas Silva, Luana Cristina Souza de Freitas, Gabriela Nunes da Silva, Lucas Carvalho Santana, Sybelle de Souza Castro, Lucia Aparecida Ferreira, Leiner Rezende Rodrigues

Abstract


Introdução: A microcefalia é descrita no grupo das malformações congênitas do sistema nervoso, caracterizada por um perímetro cefálico inferior ao esperado para a idade e o gênero. Em geral, as crianças portadoras de microcefalia associada ao vírus Zika apresentam atraso importante no desenvolvimento neuropsicomotor associado a alterações visuais, auditivas e sensoriais, o que causa impacto diretamente na independência funcional e inserção social. Com o aumento de casos, houve uma sensibilização dos profissionais de saúde para a vigilância epidemiológica de casos suspeitos deste agravo. Objetivo: Descrever o cuidado de enfermagem à criança portadora de microcefalia, baseado na experiência de um Enfermeiro de Estratégia de Saúde da Família. Método: Trata-se de um relato de experiência, baseado na vivência de um Enfermeiro de Estratégia de Saúde da Família, em uma unidade básica de saúde, em um município de Minas Gerais. O profissional acompanhou uma criança, portadora de microcefalia residente em sua área de abrangência e prestava assistência à família. Relato: Ter um filho diagnosticado com microcefalia gera um impacto no âmbito familiar da criança, em consequência da necessidade de cuidados específicos, de idas e vindas ao ambiente hospitalar para realização de consultas e exames, gerando um desgaste emocional e financeiro à família. O enfermeiro da unidade básica de saúde, acompanha e atualiza o cartão vacinal, realiza orientação para aquisição de vacinas especiais não presentes no calendário básico, quando necessário; bem como acompanha o desenvolvimento da criança baseado na estimulação dos reflexos, avaliação do desenvolvimento e crescimento, curvas de crescimento (peso, altura, perímetro cefálico), orientações quanto a higiene pessoal e alimentação. São trabalhadas questões do contexto familiar, como a oferta de acompanhamento psicológico à família, e inserção da criança na sociedade, preenchidos relatórios de Enfermagem para aquisição, via Secretária de Saúde, de fraldas, leite, material para cuidados diários com gastrostomia. Conclusão: Conhecer a epidemiologia, compreender o processo de cuidar da criança no seu cotidiano, realizar ações pautadas nos Protocolos nacionais com adaptações à realidade local são ações importantes que devem ser realizadas pelo enfermeiro e de preferência por uma equipe multidisciplinar; para direcionar à reabilitação e adequações à vida. O enfermeiro possui conhecimento de habilidades para prestar as orientações dos cuidados necessários para promover conforto e bem-estar aos familiares e aos portadores de microcefalia.

 


Keywords


Microcefalia, Cuidados de Enfermagem, Saúde da Família.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Nota informativa nº 1/2015 – COES Microcefalias [Internet]. Brasília, 2015. p. 4- 9. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/novembro/18/microcefalia-nota-informativa-17nov2015-c.pdf. Acesso em: 18 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia e/ou alterações do sistema nervoso central (SNC) [Internet]. Brasília, 2016. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/10/microcefalia-protocolo-vigilancia-resposta-v2-10mar2016.pdf>. Acesso em: 18 mai. 2019.

CAMPOS, M. M. M. S. et al. Desafios e perspectivas de mães de crianças com microcefalia pelo vírus Zika. Rev Rene. V. 19, 2018. DOI: 10.15253/2175-6783.20181932839

COSTA, E.S.; BONFIM, E.G.; MAGALHAES, R.L.B.; VIANA, L.M.M. Vivências de mães de filhos com microcefalia. Rev Rene. 2018;19:e3453.

FONTOURA, F. C.; CARDOSO, M. V. L. M. L. Association between congenital malformation and neonatal and maternal variables in neonatal units of a Northeast Brazilian city. Texto & Contexto Enferm. v. 23, n. 4, p. 907-914, 2014.

FREITAS, A.A.F; SOUSA, I.F; PARGEON, J.P.O.M; SILVA, A.M.T.C; ALMEIDA, R.J. Avaliação do impacto familiar em pais de crianças diagnosticadas com microcefalia pelo Zika Vírus. REVISTA ENFERMAGEM ATUAL IN DERME - ESPECIAL 2019; 87.

MARINHO, F. et al. Microcefalia no Brasil: prevalência e caracterização dos casos a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 2000-2015. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v. 25, n. 4, p. 701-712, 2016. doi: 10.5123/S1679-49742016000400004

MATO GROSSO DO SUL. Secretária de Atenção à Saúde. Zyca: Abordagem clínica na atenção básica. Mato grosso do Sul: FIOCRUZ, 2016b. p.72. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. MICROCEFALIA. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/microcefalia. Acesso: 18 mai. 2019.

Pereira, A. L. A.; SOUZA, M. A. B.; SANTOS, J. C. Tendência temporal das malformações congênitas do sistema nervoso nos últimos quatro anos no brasil. Revista Pesquisa em Fisioterapia. V. 8, n. 1, 2018. doi: 10.17267/2238-2704rpf.v8i1.1586

Santana et al. Impactos da microcefalia no Brasil e no mundo: revisão sistemática e meta-análise. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 7, p. 51861-51871 jul. 2020. DOI:10.34117/bjdv6n7-726. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/13971/11680. Acesso em: 14 de maio 2021.

SILVA, J. H. et al. Perfil das anomalias congênitas em nascidos vivos de Tangará da Serra, Mato Grosso, 2006-2016. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v.27, n. 3, 2018.

VAGAS, A. et al. Characteristics of the first cases of microcephaly possibly related to Zika virus reported in the Metropolitan Region of Recife, Epidemiol Serv Saúde, Pernambuco, v. 25, n. 4, p. 691-700, 2016. doi: http://dx.doi. org/10.5123/S1679-49742016000400003)

WANDERSON, K. O. et al. Aumento na prevalência relatada de microcefalia em bebês nascidos de mulheres que vivem em áreas com transmissão confirmada de zika vírus durante o primeiro trimestre de gravidez - Brasil, 2015. MMWR Morb Mortal Wkly Rep, v. 62, p. 242-247, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm6509e2




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-061

Refbacks

  • There are currently no refbacks.