Paisagens Paleodunares no curso do Rio São Francisco e a complexidade da gestão e da conservação ambiental / Paleodunar landscapes in the São Francisco Rio course and the complexity of environmental management and conservation

Clecia Simone Gonçalves Rosa Pacheco, Reinaldo Pacheco dos Santos, Izabel Pesqueira Ribeiro de Araújo, Márcia Bento Moreira, Jairton Fraga Araújo

Abstract


O presente artigo é um recorte dos resultados do Projeto Acadêmico-Científico intitulado “O rio São Francisco e a construção geossistêmica de paleodunas no seu curso: uma análise ecodinâmica desses ecoambientes”, que vem sendo desenvolvido desde 2013 e, visa analisar a relação existente entre o rio São Francisco e a construção de campos paleodunares ao longo do seu leito no Sertão Semiárido do Nordeste brasileiro. Objetivou-se com este estudo analisar geossistemas paleodunares, bem como identificar os processos naturais e antropogênicos que os permeiam, interpretando causas e consequências dos impactos socioambientais, visando elencar propostas de conservação. As bases metodológicas que sustentaram tal pesquisa estão fundamentadas na Teoria Geossistêmica preconizada por Sotchava (1977) e, no Método Ecodinâmico elaborado por Tricart (1977), além da Teoria GTP (Geossistema – Território – Paisagem) defendida por Bertrand (1997). Os resultados encontrados indicam instabilidades nas áreas e elevados índices de degradação, sendo indispensável construir propostas de planos de conservação ambiental para a área, assegurando assim o manejo adequado sustentável de áreas fragilizadas.


Keywords


Paleodunas, Ecodinâmica, Geossistêmica, Paleoterritórios, Degradação.

References


BAHIA. DECRETO Nº 9.957 DE 30 DE MARÇO DE 2006. ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) LAGO DE SOBRADINHO (2008). Disponível em: file:///C:/Users/Cliente/Downloads/4a_campanha-anual-- 2008_RPGA_LAGO_DO_SOBRADINHO_Anual_2008_Final.pdf. Acesso em: 24 dez. 2020.

BARRETO, A. M. F.. Interpretação paleoambiental do sistema de dunas fixadas do médio Rio São Francisco, Bahia. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo: Tese de Doutoramento, 1996,174 p.

BARRETO, A.M. F.; SUGUIO, K.. Considerações sobre a idade e a paleogeografia das paleodunas do médio Rio São Francisco, Bahia. In: Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário - ABEQUA, IV, São Paulo. Resumos Expandidos, 1993, p. 11.

BERTRAND, G.; BERTRAND C.. Uma Geografia Transversal e de Travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Mossoni. 2007.

BERTRAND, G.. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Tradução Olga Cruz. Caderno de Ciências da Terra. Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo, 1972, nº13.

BRASIL. DECRETO 5.092/2004 DE 21 DE MAIO. Áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade, no âmbito das atribuições do Ministério do Meio Ambiente. 2004. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- 2006/2004/decreto/d5092.htm. Acesso em 28 de junho de 2020.

BRASIL. DECRETO 99.274/1990 DE 06 DE JUNHO. Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/d99274.htm. Acesso em 28 de junho de 2020.

BRASIL. DECRETO N° 5.758/2006, DE 13 DE ABRIL. Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas (PNAP), 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4339.htm. Acesso em 20 abril de 2020.

BRASIL. DECRETO Nº 9.957/2006, DE 30 DE MARÇO DE 2006. Disponível em:

http://www.meioambiente.ba.gov.br/DecretosUnidadesdeConservacao/DECRETO%20N%C2%B A%209.957%20DE%2030%20DE%20MAR%C3%87O%20DE%202006%20%20Lago%20de%20Sobradinho.pdf. Acesso em: 20 dez. 2020.

BRASIL. LEI 6.938/1981, DE 31 DE AGOSTO. Política Nacional de Meio Ambiente. 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em: 28 de junho de 2020.

BRASIL. LEI N. 12.651/2012, DE 25 DE MAIO de 2012. Vegetação Nativa, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 28 de junho de 2020.

BRASIL LEI N. 4.771/1965, DE 15 DE SETEMBRO. Código Florestal Brasileiro, 1965. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771.htm. Acesso em: 28 de junho de 2015.

BRASIL. LEI N. 9.985/2000, DE 18 DE JULHO de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LeIs/L9985.htm. Acesso em: 28 de junho de 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diretoria de Área Protegidas (DAP). Perfil da Oferta de Educação Profissional para Gestores de Unidades de Conservação. Brasília: SBF/MMA, 2004, 32 p.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diretoria de Área Protegidas (DAP). Perfil da Demanda de Educação Profissional para Gestores de Unidades de Conservação. Brasília: SBF/ MMA, 2004, 24 p.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Informe nacional sobre áreas protegidas no Brasil. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Departamento de Áreas Protegidas. – Brasília: MMA, 2007, 124p.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mapa das Dunas do São Francisco/Casa Nova/BA. Elaborado via I3Geo/MMA, 2015. Disponível em:

http://mapas.mma.gov.br/i3geo/mma/googleearth.phtml. Acesso em: 03 de jan.2021.

CBHSF - COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO. Disponível em: http://cbhsaofrancisco.org.br/bacia-hidrografica-do-rio-sao-francisco/caracteristicas-gerais. Acesso em: 22, jun. 2020.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE -BRASIL - (2012). RESOLUÇÕES DO CONAMA: Resoluções vigentes publicadas entre setembro de 1984 e janeiro de 2012. Ministério do Meio Ambiente. Brasília: MMA, 2012, p. 1126.

CÔRTE, Dione Angélica de Araújo. Planejamento e gestão de APAs: enfoque institucional. Brasília: IBAMA, 1997, 106p.

DINIZ, J. A. O.; LIMA, J. B.. O Aquífero de Dunas da Região do Médio São Francisco/BA. Anais XVI Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. ABAS. Natal. 2008. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/media/ref_bibliograficas_rsf.pdf. Acesso em: 23 out. 2020.

DOMINGUES, A. J. P.. Contribuição à geologia do sudeste da Bahia. Revista Brasileira de Geografia. São Paulo: 1948,10: 255-289.

ECORREGIÕES PROPOSTAS PARA O BIOMA CAATINGA. Resultados do Seminário de Planejamento Ecorregional da Caatinga. 1ª Etapa - 28 a 30 de Novembro, Aldeia: PE, 2001. http://www.plantasdonordeste.org/Livro/sumario.htm. Acesso em 20 dez. 2020.

GIANNINI, P. C. F. et al.. Dunas e Paleodunas Eólicas Costeiras e Interiores. In: SOUZA, C. R. G. et al. Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto/SP: Holos Editora, 2005, p. 235-257.

GOUDIE, A.. Environmental Change. 2 ed. Oxford, Clarendon, 1983, 258 p.

GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL (GTI). Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável para a Área de Influência da BR-163. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2006, 193 p.

GUERRA, A. J.. Dicionário Geológico e Geomorfológico. 7 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

KING, L. G.. A Geomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geografia, Vol. 18 n. 2, 1956, p. 147-265.

MORAES Rego, L. F. de. Reconhecimento geológico da parte ocidental do Estado da Bahia. Boletim do Serviço Geológico e Minerológico, 1926, 17: 33-54.

PACHECO, C. S. G. R.. Ecodinâmica da Paisagem Paleodunar do Médio Rio São Francisco/BA: em defesa das fronteiras agredidas. Dissertação de Mestrado. Instituto de Tecnologia de Pernambuco (ITEP). Recife/PE, 2014, 153p.

PACHECO, C. S. G. R.; OLIVEIRA, N. M. G. A.. As vulnerabilidades do geossistema paleodunar do médio Rio São Francisco (BA) uma proposta de conservação. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v.7, n.2, p.45-60, 2016. DOI: http://doi.org/10.6008/SPC2179-6858.2016.002.0004. Disponível em: https://www.sustenere.co/index.php/rica/article/view/SPC2179-6858.2016.002.0004. Acesso em: 29 abr. 2021.

PACHECO, C.S.G.R.; SANTOS, R.P.; COSTA, I.M.G.S.; SILVA, K. J. S.; La degradación ambiental en paleoambientes de Brasil: análisis ecodinámico de la Ecorregión Dunas de São Francisco. La Técnica: Revista de las Agrociencias. Nº. 20 (2018): Julio-Diciembre. Disponível em: https://revistas.utm.edu.ec/index.php/latecnica/article/view/1306. Acesso em: 1º, maio, 2021.

PACHECO, C.S.G.R.; MOREIRA; M.B.; ARAÚJO, J.F.; ARAÚJO, I.P.R.; SANTOS, R.P.; COSTA, I.M.G.S.. Geosistêmica Paleodunar No Curso Do Rio São Francisco. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science. Vol. 9, Nº 2, p. 226-49, 2020. Disponível em: http://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/3471. Acesso em: 1º, maio, 2021.

PACHECO, C.S.G.R. Paleoecossistemas no curso do rio São Francisco/BA e a ecodinâmica das paisagens. Curitiba/PR. Editora CRV, 2020. DOI:10.24824/978854443919.7. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/34490-paleoecossistemas-no-curso-do-rio-sao-francisco-ba-e-a-ecodinamica-das-paisagens-br2-edicao. Acesso em: 02 maio, 2021.

PACHECO, C.S.G.R.; PEREIRA, S. Y.R.; SANTOS, R.P. A geomorfologia e sua relevância para análises das implicações socioambientais nos territórios fluviais urbanos. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 547-563 jan./mar. 2021. Disponivel em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/24119/19310. Acesso em: 16 maio, 2021.

PYE, K.. Late Quaternary development of coastal parabolic magadune complexes in northeastern Australia. Spec. Public. of the Int. Ass. Sediment., 1993, 16:23-44.

SCHOBBENHAUS, C. F.. Geologia do Brasil. Texto explicativo do mapa geológico do Brasil e da área oceânica adjacente incluindo depósitos minerais, escala 1: 2.500.000. Brasília: MME/DNPM, 1984, 501 p.

SOTCHAVA, V. B.. O Estudo de Geossistemas. São Paulo: Instituto de Geografia USP. São Paulo: 1977, 51 p. (Métodos em Questão, 16).

TRICART, J.. Existence de périodes seches au Quaternaire em Amazonie et dans lês régionas voisines. Revue Geomorphologie Dynamique, 1974, 4: 145-158.

__________. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, 1977, 91p.

VELLOSO, A.; SAMPAIO, E. V. S. B.; PEREYN, F. G. C.. Ecorregiões propostas para o bioma caatinga. Recife: Associação Plantas do Nordeste; Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil, 2002, 76. p.

WILLIAMS, H. E.. Notas geológicas e econômicas sobre o Vale do Rio São Francisco. Boletim do Serviço Geológico e Minerológico, 1925, nº 12, 56 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-059

Refbacks

  • There are currently no refbacks.