Produção e avaliação de compota de abacaxi com calda de maracuja com redução de açúcar (DIET) / Production and evaluation of pineapple jam with passion fruit with sugar reduction (DIET)

Vinicius Costa Barros, Cristian da Silva Neres, Gleyce Kelly de Sousa Oliveira, Virlane Kelly Lima Hunaldo

Abstract


A compota é um produto muito bem aceito no mercado, porém o alto valor energético devido ao açúcar presente na calda é um aspecto negativo para o produto, logo o uso de edulcorante em substituição do açúcar é uma boa alternativa para redução energética do produto. O teste de aceitação foi realizado no Laboratório de Análise Sensorial da Universidade Federal do Maranhão Campus Avançado, avaliado por 100 consumidores não treinados, entre servidores e alunos de graduação do próprio Campus. A compota de abacaxi com calda de maracujá foi submetida a análises físico-químicas de pH, determinado por pHmetro (marca Novatecnica, modelo NTPHIM), °Brix em refratômetro da marca ATC, com escala de 0 a 30 Brix e umidade, acidez total titulável e Vitamina C de acordo com as normas do instituto Adolfo Lutz (2008), a análise de Atividade de Água foi realizada por medição no equipamento Aqualab®, 4TE. As análises microbiológicas foram avaliadas através da determinação de coliformes a 35°C e 45°C sendo os resultados expressos NMP/g. A detecção de Salmonella sp foi feita pelo processo tradicional, sendo os resultados expressos em Salmonella sp/25g. E a contagem de bactérias aeróbias mesófilas (resultados expressos UFC/g). Utilizou-se a metodologia descrita pela APHA (2001) para todas as determinações. Também foram realizadas análises de bolores e leveduras. A análise sensorial indicou que as duas formulações de compotas de abacaxi com calda de maracujá foram bem aceitas. No que diz respeito as análises físico-químicas os resultados foram conforme preconiza a legislação vigente e demais literaturas específicas e as análises microbiológicas confirmaram a boa eficiência de produção das compotas, tendo em vista que os resultados para coliformes totais, contagem em placa padrão, salmonella e bolores e leveduras, deram negativos.


Keywords


Compota, Abacaxi, Maracujá, DIET, Análise

References


AGRIDATA. Fasciação no abacaxi. On-line. Disponível em:. Acesso em: 8 dez. 2001.

BRIGNANI NETO, F. Produção integrada de maracujá. Biológico, v. 64, n. 2, p. 195-197, jul./dez. 2002

BOBBIO, P. A.; BOBBIO, F. O. Química do processamento de alimentos. São Paulo: Ed. Varela, 1995. p. 121-135.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 29, de 13 de janeiro de 1998. Regulamento Técnico referente a Alimentos para Fins Especiais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 jan. 1998.

CÂNDIDO, L. M. B.; CAMPOS, A. M. Alimentos para fins especiais: dietéticos. São Paulo: Livraria Varela, 1996.

CARDELLO, H. M. A. B.; SILVA, M. A. A. P.; DAMÁSIO, M. H. Análise descritiva quantitativa de edulcorantes em diferentes concentrações. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 20, n. 3, p. 318-328, 2000.

CAVALCANTE, P. B. Frutas comestíveis da Amazônia II. Belém, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia, 1974. 27 p.

DE MELLO, DIRCEU RAPOSO; COMESTÍVEIS, COGUMELOS. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº. 272, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

GIACOMELLI, E. J.; PY, C. Abacaxi no Brasil. Campinas: Fundação Cargill, 1981. 101 p.

GROBOTH, G. Quality assurance in testing laboratories. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, v. 56, n. 3, p. 1405-1412, 1999.

GOTO, A.; CLEMENTE, E. Influência do Rebaudiosídeo A na Solubilidade e no Sabor do Esteviosídeo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 18, n. 1, p. 3-6, 1998.

ITAL: INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, Maracujá: da cultura ao processamento e comercialização, Série Frutas Tropicais, n. 9, 1980. 67 p.

JACKIX, M. H. Doces, geléias e frutas em calda. Campinas: Ícone, 1988. 172 p.

LIMA, V. L. A. G.; MÉLO, E. de A.; LIMA, L. dos S. Avaliação de qualidade de suco de laranja industrializado Boletim Centro de Pesquisas e Processamento de Alimentos, Curitiba, v.18, n.1, p.95-104, jan/jun. 2000.

MAIA, G. A.; MONTEIRO, J. C. S.; GUIMARÃES, A. C. L. Estudo da estabilidade físico-química e química do suco de caju com alto teor de polpa. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 21, n.1, p. 43-46, jan/abr. 2001.

MARQUES, D.D; MENEZES, R.S.; SARTORI, R.G.; CARVALHO, C.E.G.; ROGEZ, H.L.G. Análises física e físico-química de duas cultivares de abacaxi do estado do Acre: Gigante de Tarauacá e Rio Branco, Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 4, p.16665-16674,2020

MENDONÇA, C.R.B.; ZAMBIAZI, R.C.; GRANADA, G.G. Partial substitution of sugars by the low-calorie sweetener sucralose in peach compote. Journal of Food Science, v. 66, n. 8, 2001.

MODESTA, R. C. D. et al. Desenvolvimento do perfil sensorial e avaliação sensorial/instrumental de suco de maracujá. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n. 2, p. 345-352, 2005.

MONTIJANO, H.; TOMÁS-BARBERÁN, F. A.; BORREGO, F. Propriedades tecnológicas y regulación de los edulcorantes de alta intensidade en la Unión Europea. Food Science and Technology International, v. 4, n. 1, p. 5-16, 1998.

MELETTI, L., MOLINA, M., Maracujá: produção e comercialização, Campinas, 1999. 64 p.

MODESTA, Regina Della. Manual de Análises Sensorial de Alimentos e Bebidas. Número 11. CTAA, Rio de Janeiro, 1990. 120 p.

OLIVEIRA, L. F. et al. Aproveitamento alternativo da casca do maracujá-amarelo (Passiflora edulis f. Flavicarpa) para produção de doce em calda. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 22, n. 3, p. 259-262, 2002.

PIZA JÚNIOR, C. de T. A cultura do maracujá, Campinas, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, 1991. 71 p.

ROSA, O. O.; CARVALHO, E. P. Características microbiológicas de frutos e hortaliças minimamente processados. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Campinas, v.34, n.2, p.84-92, jul./dez. 2000.

RUGGIERO, C. Colheita. In: RUGGIERO, C. Maracujá. Ribeirão Preto: Legis Summa, p.167-72, 1987.

SOLER, M. P.; RADOMILLE, L. R.; TOCCHINI, R. Industrialização de frutas: manual técnico. Campinas: ITAL, 1988. 312 p.

SANDI, D. et al. Correlação entre as características físico-químicas e sensoriais em suco de maracujá amarelo (Passiflora edulis var, flavicarpa) durante o armazenamento. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 23, n. 3, p. 355-361, 2003.

SÃO JOSÉ, A. R; FERREIRA, F.R. e VAZ, R.L. ] A cultura do maracujá no Brasil. Jaboticabal: Funep, 1991. 46p.

VENCESLAU, W. C. D.; LIMA, F. F.; LISBOA, J. F.; FARIAS, V.S.; SANTOS, A. F. Parâmetros físicoquímicos da compota de kiwi. I Semana Acadêmica da Engenharia de Alimentos de Pombal, 2011. Disponível em <> acesso em 07 de agosto de 2014.

APHA – AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington, D C, 2001, 676 p.

IAL- Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 6. ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008.1020p.

REIS, C. R., MINIM, V. P. R. (2006). Teste de aceitação. In: Minim, V. P. R. (Ed). Análise sensorial: estudos com consumidores, UFV, 67 -83.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-041

Refbacks

  • There are currently no refbacks.