Análise comparativa da utilização da metodologia de Friedewald e a de Martin na avaliação de perfil lipídico em pacientes do centro de atendimento comunitário do UNICEUB (CAC) / Comparative analysis of the use of the Friedewald and Martin methodology in the lipid profile assessment in patients at the UNICEUB community care center (CAC)

Gustavo Araújo Mendes, Maria Eduarda Alves Silvestre de Azevedo, Tania Cristina Santos Andrade

Abstract


As lipoproteínas são substâncias plasmáticas que carregam colesterol em diferentes densidades. A lipoproteína de baixa densidade (LDL-c) e da lipoproteína de densidade muito baixa (VLDL-c) têm importâncias clínicas significativa, pois, quando elevadas, podem desencadear doenças arteriais coronarianas. A concentração dessas substâncias é obtida por cálculos matemáticos, mas devido à essa grande importância clínica, é exigido resultados precisos. O presente estudo tem como objetivo comparar estatisticamente os valores de LDL-c e VLDL-c obtidos pela equação de Friedewald e os obtidos pela fórmula de Martin a partir de prontuários coletados no Laboratório-Escola de Análises Clínicas do UniCEUB (CAC). Foram analisados 509 pacientes, sendo 349 do gênero feminino (68,6%) e 160 do gênero masculino (31,4%). A análise por teste-t pareado nos evidenciou que há diferença estatística significativa entre as estimativas de LDL-c pelas duas metodologias (média(m) = 22 mg/dL; média(f) = 23 mg/dL; t = 4,1; p < 0,0001). Também houve diferença para o VLDL-c (média(m) = 115 mg/dL; média(f) = 114 mg/dL;  t = 4,8; p < 0,0001). A mesma situação se observou ao comparar os LDL-c de pacientes com TG < 150 (desejável) e os com TG > 150 (diferente do desejável), sendo os índices estatísticos, respectivamente, (média(m) = 115 mg/dL; média(f) = 111 mg/dL; t = 6,9; p < 0,0001) e (média(m) = 133 mg/dL; média(f) = 126 mg/dL; t = 12,7; p < 0,0001). Além da relevância estatística apresentada, este estudo também demonstrou que há relevância clínica significativa se utilizarmos a metodologia de Martin em detrimento da anterior. Dos 509 pacientes, a metodologia de Friedewald subestimou os valores de LDL-c de 28 pacientes, classificando-os em um grupo de risco inferior, assim como também superestimou os valores de LDL-c de 19 paciente, classificando-os em um grupo de risco superior. Além disso, também superestimou os valores de VLDL-c de 34 pacientes. Esses vieses acarretam impacto na vida dessas pessoas, tendo em vista que receberiam diagnóstico e terapêutica diferentes se utilizassem métodos diferentes. Portanto, conforme a relevância estatística e clínica, a metodologia de Friedewald pode ser substituída pela de Martin sem prejuízo à confiabilidade dos resultados de perfil lipídico apresentados na rotina laboratorial.


Keywords


Doença coronariana, LDL colesterol, VLDL colesterol.

References


ARAKI, M. V. R.; BARROS, C.; SANTOS, E. G. Análise do perfil lipídico de crianças e adolescentes do estado de Sergipe. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, v. 6, n. 12, p. 1-6, dez., 2010.

BACHORIK, Paul S. et al. Apolipoprotein B and AI distributions in the United States, 1988–1991: results of the National Health and Nutrition Examination Survey III (NHANES III). Clinical chemistry, Oxford, v. 43, n. 12, p. 2364-2378, dez., 1997.

BARTER, P. J. et.al. Apo B versus cholesterol in estimating cardiovascular risk and in guiding therapy: report of the thirty – person / ten – country panel. Journal of Internal Medicine, England, v. 259, n.3, p. 247-258 jan., 2006.

CARVAJAL, C. Lipoproteínas: metabolismo y lipoproteínas aterogénicas. Medicina Legal de Costa Rica, Heredia, v. 31, n. 2, p. 88-94, dic., 2014.

CARVALHO, D. F. et al. Perfil lipídico e estado nutricional de adolescentes. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 491-498, dez., 2007.

COELHO, V. G. et al. Perfil lipídico e fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes de medicina. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 85, n. 1, p. 57-62, jul., 2005.

CORDOVA, C. M. M. et al. Avaliação da dosagem direta do colesterol-LDL em amostras de sangue de 10.664 pacientes em comparação com o uso da fórmula de Friedewald. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 83, n. 6, p. 476-481, dez., 2004.

FALUDI, A. A. et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose - 2017. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 109, n. 2, p. 1-76, ago., 2017.

FALUDDI, A. A.; IZAR, M.; SARAIVA, J. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 109, n. 2 p. 2-8, ago., 2017.

FORTI, N.; DIAMENT, J. Apolipoproteínas B e A-I: fatores de risco cardiovascular? Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 53, n. 3, p. 1-7 jun., 2007.

FRANK, P. G., MARCEL, Y. L. Apolipoprotein A-I: structure-function relationships. Journal of Lipid Research, Estados Unidos, v. 41, n. 5, p. 853-872, jul., 1959.

FREITAS, R. W. J. F. et al. Análise do perfil lipídico de uma população de estudantes universitários. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 5, p. 1151-1158, set./out., 2013.

FRIEDEWALD W. T., LEVY R. I., FREDRICKSON D. S. Estimation of the concentration of low-density lipoprotein cholesterol in plasma, without use of the preparative ultracentrifuge. Clinical Chemistry, São Paulo, v. 18, n. 6, p. 499-502, jun., 1972.

JÚNIOR, A. O. T. Marcadores bioquímicos das dislipidemias e no risco cardiovascular: análise comparativa à fórmula de Martin. 2018. 106f. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, 2018.

KERBER, S. L.; ANTUNES, A. G. V.; CAVALETT, C. Avaliação do perfil lipídico em alunos de 10 a 18 anos em uma escola particular do município de Carazinho-RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas, Rio de Janeiro, v. 42 n. 3, p. 231-234, fev., 2010.

MARTIN, S. S. et. al. Friedewald-Estimated versus directly measured low-density lipoprotein cholesterol and treatment implications. Journal of the American College of Cardiology, New York, v. 12, n. 26, p. 732-739, oct., 2013.

MARTIN. S. S. et al. Comparison of a novel method vs the Friedewald equation for estimating low-density lipoprotein cholesterol levels from the standard lipid profile. Journal of the American Medical Association, Baltimore, v. 310, n. 19, p. 2061-2068, nov., 2013.

MORA, S.; BURING, J. E.; RIDKER, P. M. Discordance of low density lipoprotein (LDL) cholesterol with alternative LDL-related measures and future coronary events. Circulation, Califórnia, v. 129, n. 5, p. 553-561, feb., 2014.

MORA, S.; RIFAI, N.; BURING, J. E.; RIDKER, P. M. Comparison of LDL cholesterol concentrations by Friedewald calculation and direct measurement in relation to cardiovascular events in 27,331 women. Clinical Chemistry. United States, v. 55, n. 5, p. 888–894, may., 2009.

MOURA, E. C. et al. Perfil lipídico em escolares de Campinas, SP, Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 5, p. 499-505, out., 2000.

PACKARD, C.J, SHEPHERD, J. Lipoprotein heterogeneity and apolipoprotein B metabolism. Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology, Maringá, v. 17, n. 6, p. 3542-3556, oct., 1997.

PLAUTZ, K. et al. Avaliação de resultados do colesterol LDL obtidos pelos cálculos de Friedwald e Martin na análise do perfil lipídico em amostras da população de Jaraguá do Sul/ SC. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n. 3, p. 22310-22322, mar., 2021.

RIFAI, N.; BACHORIK, P. S.; ALBERTS, J. J. Lipids, lipoproteins, and apolipoproteins. Clinical chemistry. Philadelphia, v. 3, n. 7, p. 809-861, jun., 1999.

ROSS, R. Atherosclerosis--an inflammatory disease. New England Journal of Medicine, Boston, v. 340, n. 2, p. 115-126, jan., 1999.

SANTOS, J. E.; GUIMARAES, A. C.; DIAMENT, J. Consenso brasileiro sobre dislipidemias: detecção, avaliação e tratamento. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia Metabólica, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 287-305, ago., 1999.

SCHERR, C.; MAGALHÃES, C. K.; MALHEIROS, W.. Análise do perfil lipídico em escolares. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 89, n. 2, p. 73-78, ago., 2007.

SNIDERMAN, A.D; ST PIERRE, A.C; CANTIN, B.; DAGENAIS, G.; DESPRE, J.P; LAMARCHE, B. Concordance/discordance between plasma apolipoprotein B levels and the cholesterol indexes of artherosclerotic risk. The American Journal of Cardiology, São Paulo, v. 91, n. 10, p. 1173-1177, mar., 2003.

SOUZA, M. F. M. et al. Epidemiologia das doenças do aparelho circulatório no Brasil: uma análise da tendência da mortalidade. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de Säo Paulo, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 48-62, 2006.

STARY, Herbert C. et al. A definition of advanced types of atherosclerotic lesions and a histological classification of atherosclerosis: a report from the Committee on Vascular Lesions of the Council on Arteriosclerosis, American Heart Association. Circulation, Dallas, v. 92, n. 5, p. 1355-1374, sep., 1995.

STRONG, J. P. Atherosclerotic lesions. Natural history, risk factors, and topography. Archives of Pathology & Laboratory Medicine, São Paulo, v. 116 , n. 12, p. 1268-1275, jan., 2016.

TRINDADE, A. L. Novos critérios para análise do perfil lipídico no laboratório clínico. 2017. 24f. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2017.

VIEIRA, P. L. et al. Valores de LDL-colesterol estimados pela equação de Friedewald são afetados pelo controle do diabetes. International Journal of Cardiovascular Sciences, Porto Alegre, v. 29, n. 5, p. 384-354, ago., 2016.

WAJNGARTEN, M. O coração no idoso. Jornal Diagnósticos em Cardiologia, São Paulo, v. 13, n. 43, p. 1-9, ago./set., 2010.

WALLDIUS G.; JUNGNET I. Apolipoprotein B and apolipoprotein A-I: risk indicators of coronary heart disease and targets for lipid modifying therapy. Journal of Internal Medicine, São Paulo, v. 255 n. 2 p. 188-205, mar., 2004.

XAVIER H. T. et al. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 101, p. 4, out., 2013.

ZAT C., HADAS T. Prevalência das dislipidemias e sua relação com a obesidade e sedentarismo em crianças de 3 a 12 anos atendidas no Laboratório da Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa. Revista Contexto & Saúde, Rio Grande do Sul, v. 5, n. 9, p. 27-36, jul./dez., 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-038

Refbacks

  • There are currently no refbacks.