Detetive x: uma abordagem matemática através de jogos digitais educativos / Detective x: a mathematical approach through educational digital games

Daniel Martins Nunes, Fábio Mendes Ramos, Altamir Dias Correa, Alexander Kahleul Magalhães Monte Alto

Abstract


Apresentamos neste artigo os resultados obtidos após a aplicação de um jogo digital educativo, intitulado Detetive X, construído para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem de regra de três, porcentagem e área de figuras planas. O jogo foi desenvolvido através do software RPG MAKER MV, no estilo Role Playng Game (RPG) e com o visual em duas dimensões (2D). Por meio de uma pesquisa quantitativa, buscamos observar a aceitação do jogo pelos participantes e se estes poderiam auxiliar na aprendizagem destes conceitos a partir do jogo digital. Para tanto, foi aplicado um questionário após a utilização do jogo pelos participantes da pesquisa, sendo este elaborado a partir do Instrumento de Avaliação da Qualidade de Jogos Digitais com Finalidade Educativa (IAQJED). Observou-se que o jogo estimula a participação dos jogadores assim como contém elementos que possibilitam a aprendizagem dos conceitos envolvidos. No entanto, faz-se necessário modificações para que o jogo seja utilizado através de outras plataformas com o intuito de atingir outros públicos-alvo.

 


Keywords


Ensino de Matemática, Jogo Digital Educativo, RPG.

References


Baranauskas, M. C. C., & VALENTE, J. A. (2013). Tecnologias, Sociedade e Conhecimento. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, 1(1), 1-5. Disponível em: https://www.nied.unicamp.br/revista/index.php/tsc/article/view/118.

Barba, C., & Capella, S. (2012). Computadores em sala de aula: Métodos e usos. São Paulo: Penso.

Borba, M. C. (2010). Softwares e Internet na sala de aula de Matemática. Anais do X Encontro Nacional de Educação Matemática, Cultura e Diversidade (pp. 1-11). Salvador: SBEM. Retirado em 07 de agosto, 2020, de: http://www.rc.unesp.br/gpimem/downloads/artigos/borba/marceloxenen.PDF

Borba, M. C., & Araújo, J. L. (2012). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Borba, M. C., & Penteado, M. G. (2010). Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Borba, M. C., Silva, R. S. R., & Gadanidis, G. (2014). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: Sala de aula e internet em movimento. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Brasil. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais (5ª a 8ª séries). Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental.

Cardoso, A., Giraldello, A. G. C., & Batista, N. A. M. (2013). Tabuada legal: um jogo sério para o ensino de multiplicações. Anais do XXIV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (pp. 376-385). Campinas: Sociedade Brasileira de Computação. Retirado em 20 de janeiro, 2020, de: https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/2516/2174.

Carneiro, R. F.; & Passos, C. L. B. (2014). A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas aulas de Matemática: Limites e Possibilidades. Revista Eletrônica de Educação, 8(2), 101-119. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/729.

Chaves, I. B. (2013). Análise com TRI da utilização de jogo digital no ensino de matemática do Ensino Fundamental II. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Informação. Santo André: Universidade Federal do ABC. Retirado em 15 de janeiro, 2020, de: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFBC_e7e87b332434f644e3eef2e11afc32b7.

Connolly, T. M., Boyle, E. A., MacArthur, E., Hainey, T., & Boyle, J. M. (2012). A systematic literature review of empirical evidence on computer games and serious games. Computers & Education, 2 (59), 661–686. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0360131512000619.

Costa, S. R. S., Duqueviz, B. C., & Pedroza, R. L. S. (2015). Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 19(3), 603-610. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v19n3/2175-3539-pee-19-03-00603.pdf.

Coutinho, I. de J., & Alves, L. R. G. A. (2016). Instrumento de Avaliação da Qualidade de Jogos Digitais com Finalidade Educativa (IAQJED). Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (pp. 1-16). São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Retirado em 21 de abril, 2020, de: https://www.researchgate.net/publication/307967215.

Dourado, J. B., Santos, A. B., Silva, J. S., Silva, F. J. M., Bortoli, A., Bezerra, A. (2015). Desenvolvimento e avaliação de um jogo com tecnologia de RA para auxiliar no ensino de matemática. Anais do XIV Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (pp. 846-854). Teresina: SBC. Retirado em 20 de abril, 2020, de: http://www.sbgames.org/sbgames2015/anaispdf/cultura-full/147106.pdf.

Ferreira, A. P. de Q. (2016). Avançando com Matemática: um jogo computacional para alunos do quinto ano do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências. Duque de Caxias: Universidade do Grande Rio. Retirado em 18 de março, 2020, de: https://tede.unigranrio.edu.br/handle/tede/272#preview-link0.

Flanagan, D. (2013). JavaScript: o guia definitivo. Porto Alegre: Bookman Editora Ltda.

Furletti, S. (2010). Exploração de tópicos de Matemática em modelos robóticos com utilização do software SLOGO no Ensino Médio. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Belo Horizonte: PUC-Minas. Retirado em 25 de março de 2020, de: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Informatica_FurlettiS_1.pdf.

Gabriel, M. (2013). Educ@r: a (r)evolução digital na educação. São Paulo: Saraiva.

Gatti, B. A. (2004). Estudos Quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, 30(1), 11-30. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/a02v30n1.pdf.

Gee, J. P. (2003). What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave/Macmillan.

GEE, J. P. (2009). Bons videogames e boa aprendizagem. Revista Perspectiva, 27(1), 167-178. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2009v27n1p167.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Góes, L. E. S., & Teixeira, J. (2018). Cidade de primeiro grau: um jogo digital de RPG para o ensino de função afim. Debates em Educação, 10 (22), 316-334. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/5065.

Kenski, V. M. (2009). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus.

Laudares, J. B., Miranda, D. F. de, Mota, J. F., & Furletti, S. (2013). Planos Cilindros e Quádricas: um enfoque no traçado de gráficos com exploração das seções transversais. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas.

Leite, P. S., & Mendonça, V. G. (2013). Diretrizes para Game Design de Jogos Educacionais. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (pp. 132-141). São Paulo: SBC. Retirado em 23 de abril, 2020, de: https://www.sbgames.org/sbgames2013/proceedings/artedesign/17-dt-paper.pdf.

Mattar, J. (2010). Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Meira, L., & Pinheiro, M. (2012). Inovação na Escola. Anais do XI Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (pp. 42-47). Brasília: SBC. Retirado em 20 de abril, 2020,de:http://www.sbgames.org/sbgames2012/proceedings/papers/gamesforchange/g4c-09.pdf.

Miranda, D. F. de, Laudares, J. B., Nery, L. P. R., Bogutchi, T. F., & Guimarães, Y. P. B. Q. (2019). Objetos de aprendizagem para o ensino de Matemática: uma prática educativa – abordagem de conteúdos para o ensino médio e educação profissional técnica. Belo Horizonte: Editora PUC Minas.

Moran, J. M., Masetto, M. T., & Behrens, M. A. (2015). Novas Tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus.

Novak, J. (2010). Desenvolvimento de games. São Paulo: Cengage Learning.

Poeta, C. D. (2013). Concepções metodológicas para o uso de jogos digitais educativos nas práticas pedagógicas de matemática no Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Canoas: Universidade Luterana do Brasil. Retirada em 08 de abril, 2020, de: http://www.ppgecim.ulbra.br/teses/index.php/ppgecim/article/view/171.

Prensky, M. (2012). Aprendizagem baseada em Jogos Digitais. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Tomaz, V. S., & David, M. M. M. S. (2012). Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Tonéis, C. N. (2015). A Experiência Matemática no Universo dos Jogos Digitais: o processo o jogar o raciocínio lógico e matemático. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Universidade Anhanguera de São Paulo. Retirada em 13 de abril, 2020, de: http://uab.capes.gov.br/images/stories/download/pct/2016/Teses-Premiadas/Ensino-Cristiano-Natal-Toneis.PDF.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31 (3), 443-466. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022005000300009&script=sci_abstract&tlng=pt.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Valente, J. A. (1999). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: Unicamp/Nied.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-004

Refbacks

  • There are currently no refbacks.