Dinâmica do título de anticorpos IgG anti-vírus da raiva em indivíduos vacinados com protocolo de pré-exposição/ Dynamics of the title of IgG antibodies anti-viruses of anger in vaccinated individuals with pre-exposure protocol

Heloísa Tossato, Leonardo Zacharias Rosa, Isadora Bruno Pinto, Gabriely Dias Mustasso, Natalia Felix Negreiros, Rafael Silva Cipriano

Abstract


Sabe-se que a raiva ainda é uma zoonose alarmante por ter alta taxa de letalidade, em vista disso, o projeto buscou avaliar a proteção conferida e a dinâmica de títulos de anticorpos IgG anti-vírus da raiva em indivíduos vacinados com protocolo tradicional de aplicação.No Brasil, ocorre a transmissão por diferentes ciclos, sendo assim medidas preventivas foram introduzidas, como a vacinação em cães, por tratar-se do principal ciclo de contaminação. O vírus tem uma predileção pelo Sistema Nervoso Central, depois de atingi-lo, vence a barreira imunológica e dissemina-se para outros tecidos. É uma zoonose que impede a defesa do organismo, originando quadros de encefalomielite progressiva aguda e posteriormente, o óbito.Foram observados os resultados de titulações de anticorpos provindos da profilaxia pré- exposição (PrPE) oferecida aos alunos de graduação de duas faculdades de Medicina Veterinária, ambos em Araçatuba/SP, entre os anos de 2017 e 2019. A partir da técnica simplificada de inibição de focos fluorescentes, os anticorpos IgG anti-vírus foram aferidos para a detecção de anticorpos neutralizantes contra o vírus da raiva. Ponderados títulos protetores de amostras resultantes em valores ≥ 0,5 UI/mL de amostra de soro de acordo com as diretrizes do Instituto Pasteur de São Paulo.Foi realizada uma média das sorologias computadas conforme os anos em que foram executadas em 2017, 2018 e 2019, obtendo-se como média os valores 2,103 UI; 1,576 UI e 2,082 UI, respectivamente e como média geral somada de todos os anos foi obtido o valor de 1,92 UI. Conclui-se que não houve alterações significativas entre os três anos de titulações, sendo o valor da probabilidade maior que 0,05 significativo de índice referencial esperado.


Keywords


raiva, letalidade, anticorpos, anti-vírus, sorologias e vacina.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Conheça os Principais Sintomas da Raiva. 2014a. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Definição. In: Normas Técnicas de Profilaxia da Raiva Humana. 1. ed. Brasília, 2014b. Cap. 1. p. 06. Disponível em:. Acesso: 04 jul. 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Normas Técnicas de Profilaxia da Raiva Humana.

Brasília, 2011.

CDC. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. The rabies vírus.

Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

DIETZSCHOLD, B.; LI, J.; FABER, M.; SCHNELL, M. Concepts in the pathogenesis ofrabies.Future Virolology,v.3,p.481–490, 2008.Disponível em:. Acesso em: 02 Jul. 2018.

HEMACHUDHA, T.; UGOLINI, G.; WACHARAPLUESADEE, S.; SUNGKARAT,W.; SHUANGSHOTI, S.; LAOTHAMATAS, J. Human rabies: neuropathogenesis, diagnosis, and management. Lancet Neurol., v. 12, n. 5, p. 498-513, 2013.

HOOPER, D.C. The role of imune responses in the pathogenesis of rabies). Journal of Neurovirology. v.11, n.1, p. 88-92, 2005.

ICTV - International Committee on the Taxonomy of Viruses. Virus Taxonomy: Ninth Report of the International Committee on Taxonomy of Viruses. KING, A.M.Q.; ADANS, M.J.; CARSTENS, E.B.; LEFKOWITZ, E.J. (Ed.),San Diego: AcademicPress. https://talk.ictvonline.org/taxonomy/. 2017. Acesso em 15 de setembro 2018

RUPPRECHT, C.E. A tale of two worlds: Public health management decisions in human rabies prevention. Clinical Infectious Diseases, v. 39, n. 2, p.281-283, 2004

SIEGRIST, C. A. Vaccine Immunology. Plotkin’s Vaccines, p. 16-34.e7, 2018. Disponívelem:. Acesso em: 28 out. 2018.

WIDYASTUTI, M. D. W.; BARDOSH, K. L.; SUNANDAR, BASRI, C.; BASUNO, E.; JATIKUSUMAH, A.; ARIEF, R. A.; PUTRA, A. A. G.; RUKMANTARA, A.; ESTOEPANGESTIE, A. T. S.; WILLYANTO, I.; NATAKESUMA, I. K. G.; SUMANTRA, I. P.; GRACE, D.; UNGER, F.; GILBERT, J. On dogs, people, and arabies epidemic: results from socialcultural study in Bali, Indonesia. Infectious Diseases of Poverty,v.4,n.30,p.1-18, 2015. Disponível em:.

WILLOUGHBY, R.E. JR; TIEVES, K.S.; HOFFMAN, G.M.; GHANAYEM, N.S.; AMLIE-LEFOND, C.M.; SCHWABE, M.J.; CHUSID, M.J.; RUPPRECHT, C.E.

Survival after treatment of Rabies with induction of coma. The New England Journal of Medicine, v. 352, p. 2508-2514, 2005.

WHO. Expert Consultation on Rabies. Third Report. Geneva: WHO Technical Report Series 1012. 2018a. 195 p. Disponível em: < http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272364/9789241210218eng.pdf?sequen ce=1&isAllowed=y >. Acesso em: 02 Jul. 2018.

WHO. The immunological basis for immunization series: module 17: rabies vaccines. Geneva: World Health Organization; 49 p., 2017.

WHO. Weekly Epidemiological Record, 20 April 2018, vol. 93, 16 (pp. 201–220) < https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272371/WER9316.pdf?ua=1>. Acesso em: 20 mar. 2019WHO. WHO expert consultation on rabies. nº 982. p. 1-139, 2013. Disponível em:

.

WHO. Who guide for Rabies pre and post exposure prophylaxis in humans. 2014. Disponível em:.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n6-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.